Peles de bateria Evans se transformam em protetores contra coronavírus

Peles de bateria Evans se transformam em protetores contra coronavírus

por 10/04/2020

A equipe de engenharia de D’Addario encontrou uma maneira de transformar as peles de bateria Evans G2 em protetores de rosto para equipes médicas que lutam contra a pandemia de coronavírus.

Mesmo antes da D’Addario, empresa líder mundial em acessórios musicais, ser forçada a fechar suas fábricas de cordas D’Addario e das peles de bateria Evans, em Nova York/EUA, a empresa imediatamente começou a criar uma forma de usar seus conhecimentos de engenharia e fabricação para ajudar a aliviar a terrível falta de equipamentos de proteção para Nova York e para os profissionais de saúde dos Estados Unidos.

Liderada pelo diretor de inovação, Jim D’Addario, a equipe de engenharia descobriu que poderia fabricar protetores faciais protetores usando o filme transparente de seus populares cabeçotes Evans G2.

Trabalhando dia e noite, três dias depois, a equipe teve seu primeiro protótipo. E como a empresa já produz produtos de fisioterapia através de sua marca Dynatomy,  eles conseguiram trabalhar rapidamente em soluções de fabricação e distribuição.

O plano é produzir em massa o Dynatomy Face Shield  (protetor/escudo de rosto) na fábrica das peles de bateria Evans, na cidade de Farmingdale, perto de Nova York, utilizando materiais fabricados nos Estados Unidos.

“Chamamos esse projeto de Excelsior, de acordo com o lema do Estado de Nova York, que significa ‘mais elevado’, porque capturou a extraordinária determinação e espírito de poder de nossa pequena equipe de engenheiros e designers de produtos. Também tipifica o atual credo de nossa gravadora durante a crise do COVID-19 “, explicou John D’Addario III, CEO da empresa, ao site Longisland.com.

O objetivo é estar em produção até 27 de abril ou antes e aumentar o mais rápido possível a capacidade de 100.000 escudos faciais por semana. De várias maneiras, o Dynatomy Face Shield está transformando o D’Addario de uma empresa de acessórios de música em uma empresa de necessidades médicas.

“É nossa intenção fabricar esses escudos pelo tempo necessário em Nova York ou em qualquer lugar do mundo. Assistimos aos incríveis esforços de nossos profissionais de saúde e serviços essenciais em todo o planeta com grande admiração. Embora não possamos igualar os esforços incomensuráveis ​​desses heróis altruístas, sentimos uma imensa responsabilidade de fazer nossa parte para superar a crise do COVID-19”, reforça Jim D’Addario, diretor de inovação.

Este é um excelente exemplo de como as empresas brasileiras Luen, Contemporânea, RMV, Izzo, Gope entre outras poderiam colaborar contra a pandemia do coronavírus.

pele Evans

 

Com dados do Longisland.com