12 previsões para o futuro da música

Se você ganha a vida com música, algumas dessas mudanças podem ser um choque.

Deixe-me espiar minha bola de cristal e prever a próxima década na música. Sou corajoso (ou imprudente) o suficiente para dizer o que vejo, mas você pode querer se sentar primeiro. Se você ganha a vida com música, algumas dessas mudanças podem ser um choque.

Mas não me culpe, sou apenas o mensageiro. É a maldita bola de cristal que está irritada.

Significado de Previsão – Dicionário Michaelis

  1. Ato ou efeito de prever; antevisão, presciência.
  2. Suposição; antecipação de algo que ainda não aconteceu; conjectura.
  3. Cálculo de tudo o que é necessário para a execução de um programa ou de um projeto; estimativa, orçamento.
  4. V prevenção, acepção 5.
  5. ETIMOLOGIA: lat prævisĭo-onis.
  6. Veja também: Conceito da palavra previsão.

Autor: Ted Gioya

1 – As gravadoras perderão gradualmente a capacidade e o desejo de desenvolver novos artistas – simplesmente não haverá lucro suficiente em jovens talentos para justificar os grandes investimentos necessários. Mas os rótulos não vão desaparecer. Em vez disso, eles se concentrarão cada vez mais em seu antigo catálogo e materiais de arquivo.
2 – Mais artistas novos terão sua grande chance de plataformas da web (TikTok, YouTube, Peloton, Bandcamp, etc.) do que de gravadoras. Dito isso, mesmo essas plataformas não são maneiras ideais de apresentar novos artistas a ouvintes curiosos. Portanto, não ficaria surpreso se uma plataforma totalmente nova surgisse durante a próxima década – uma interface que torna divertido e emocionante para os fãs de música ouvir novas músicas. O processo online deve ser quase tão agradável quanto sair para clubes, mas atualmente não chega nem perto. Estranho dizer, videogames como Fortnite podem acabar fazendo um trabalho melhor do que plataformas de música.
3 – Um fenômeno peculiar surgirá – os ouvintes terão novas músicas favoritas, mas não saberão (ou se preocuparão) com o nome do artista. “Você precisa ouvir essa ótima música na minha playlist de treino. . . .” De uma maneira estranha, nosso processo de descoberta da música retornará ao modelo medieval (por volta de 1000 dC), quando as composições podiam alcançar enorme popularidade, mesmo que as pessoas que criaram essa música permanecessem em grande parte anônimas.
4 – Os rendimentos dos músicos continuarão a diminuir, mas alguns jovens músicos ainda ganharão grandes somas de dinheiro – no entanto, seus grandes dias de pagamento virão mais de branding, licenciamento e acordos auxiliares do que de gravações. Os acordos paralelos serão cada vez mais vistos como mais desejáveis do que os contratos de gravação. Em outras palavras, você se torna um músico para ganhar dinheiro como influenciador. (Esse é um termo que eu abomino, mas, deixe-me repetir: eu sou apenas o mensageiro – é minha bola de cristal que é superficial e tacanha.)
Show em holograma da Whitney Houston no hotel cassino Harrah’s, de Las Vegas, nos Estados Unidos
5 – Com os hologramas,artistas já mortos‘ começarão fazendo turnês em salas de concerto, mas à medida que o custo da tecnologia cair, eles começarão a se apresentar em todos os lugares.
6 – Os hologramas de Elvis podem fazer sua estreia em um caro cassino de Las Vegas, mas logo aparecerão no bar do seu bairro. James Brown vai cantar no Apollo mais uma vez, mas eventualmente terá recepção de casamento e shows de bar mitzvah.
7 – Novas tendências musicais empolgantes continuarão a surgir, mas cada vez mais elas chegarão de fora dos grandes centros urbanos anglo-americanos que anteriormente determinavam quais músicas as pessoas ouviam. Já vimos os primeiros sinais disso com a disseminação global do K-Pop e a vitalidade da competição Eurovisão, mas estes são apenas um começo na mudança de poder de Los Angeles, Nova York e Londres.

Então prepare-se para A-Pop da África, I-Pop da Índia ou Indonésia, e toda uma série de sons e estilos concorrentes da América Latina, China, Europa Oriental, etc. mostrando algum gosto e mente aberta – isso promete ser uma tendência positiva, expandindo o escopo criativo de nossas vidas musicais.)
8 – Enquanto isso, nos Estados Unidos e no resto do mundo de língua inglesa, os maiores negócios na música serão aquisições de músicas antigas, especialmente direitos de publicação. Os fluxos de caixa legados desfrutados pelos editores farão deste o último refúgio seguro no negócio da música.

Os “números oficiais da indústria” mostrarão que o negócio da música está crescendo, mas esses números serão altamente enganosos

9 – Uma grande parte dos “lucros da música” na verdade irá para empresas de tecnologia (Apple, Google, etc.), que não têm interesse em reinvestir esse dinheiro no ecossistema musical.

Por exemplo, o Spotify pegará o fluxo de caixa gerado pela música e o usará para adquirir direitos de podcasts etc. – e, em geral, a cultura musical ficará sem fundos porque agora precisa pagar as contas de outros negócios. (A bola de cristal me diz que o maior sonho do Spotify é entrar no vídeo e competir com Netflix e YouTube, usando músicas para pagar o custo de conseguir isso – mas isso não pode ser verdade, pode? Eles teriam que gastar bilhões de dólares para tocar nessas grandes ligas, e não há dinheiro suficiente na música para cobrir essas despesas.

Apenas o ego, e não a lógica, os empurraria nessa direção, não?) De qualquer forma, os mesmos números que serão divulgados como sinais da saúde da indústria da música realmente indicarão o escopo crescente dos drenos de dinheiro e talento no setor criativo/ lado artístico do negócio.
10 – Todas as inovações na tecnologia da música virão de fora da indústria da música herdada. Assim, as principais decisões sobre distribuição, publicidade, curadoria, apresentação etc. serão determinadas pelo Vale do Silício e suas ramificações. Essas grandes corporações globais – literalmente as maiores empresas da história do mundo – dificilmente serão motivadas por aspirações artísticas ou filantrópicas em suas iniciativas.
No entanto, eles poderiam ter um grande impacto positivo na cultura se quisessem, dados os enormes recursos à sua disposição. Assim, os gostos musicais dos CEOs da Apple, Google, etc. podem acabar tendo um impacto surpreendentemente grande em como as coisas acontecem.
11 – As gravadoras buscarão cada vez mais uma abordagem básica e de baixo investimento. Alguns executivos poderão manter estilos de vida luxuosos mesmo em um setor em declínio, mas não haverá muito dinheiro para aqueles em níveis mais baixos da organização.

A maioria das pessoas que trabalham na indústria da música será mal paga, com poucas oportunidades de avanço. Novas vagas no topo normalmente vão para familiares e amigos íntimos dos chefes da velha escola – tornando o nepotismo a única tradição do negócio de discos que sobreviverá, não importa o quê.
12 – Mas o maior sonho dos executivos da música será. . . para sair do negócio da música. Eles tentarão vender NFTs ou promover audiolivros ou financiar biografias ou vender roupas com temas musicais ou abrir cassinos com temas musicais, etc., etc.

E quem pode culpá-los? Depois de desmoronar a economia do negócio fonográfico, eles claramente precisam de um novo campo para destruir.

Ai! Isso foi doloroso. Quero quebrar esta bola de cristal e comprar uma nova ou talvez eu precise consultar meu horóscopo, ou estudar as entranhas dos pássaros. Tem que haver uma maneira melhor de prever o futuro. Porque, embora todos gostemos de estar certos, este é um caso em que prefiro estar errado.

O Ted Gioya é fundador do The Honest Broker, um guia de música, livros e cultura contemporânea com suporte do leitor. Estão disponíveis assinaturas gratuitas e pagas. A melhor maneira de apoiar o trabalho dele é fazendo uma assinatura paga.
Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe seu Comentário

Música & Mercado
Logo
Registrar Nova Conta
[arm_social_login]
Redefinir Senha
Comparar itens
  • Compare Guitarras (0)
Comparar