Nohpe é a nova marca do Grupo Luen por 28/11/2019

Seguindo com a estratégia de criar linhas de produtos distintivas, o Grupo Luen apresentou a marca Nohpe, dedicada exclusivamente aos bateristas.

A Luen, agora conhecida como Grupo Luen, continua implementando sua estratégia de diferenciação de produtos por meio de diversas marcas que facilitarão a identificação dentro do portfólio da empresa.

A novidade é a Nohpe, marca dedicada a produtos para bateristas. Tiago Daniel, gerente dos departamentos de marketing, comercial e produtos, explica mais nesta entrevista.

Beeboo Preta

Beeboo Preta

M&M: Conte sobre a nova marca e a estratégia de divisão de produtos do Grupo Luen.

Tiago: Criamos uma estratégia modelo comumente conhecida como guarda-chuva, na qual subdividimos nossos produtos em algumas marcas e/ou unidades de negócio. Dessa forma, podemos criar comunicações e estratégias diferentes para cada segmento. A Nohpe nasceu para ser a solução que atende às necessidades dos bateristas. Dito isso, criamos então o Grupo Luen, detentor de algumas marcas, como Nohpe, Luen Handcraft Percussion, Dudu Portes Drumheads, Batuka e mais duas marcas voltadas apenas para o mercado internacional.

M&M: O que significa o nome? 

Tiago: Queríamos algo que não tivesse o significado relacionado a um gênero ou nicho específico. A solução então foi criar um nome próprio, que transmitisse a força e identidade da linha de produtos. Assim, temos um nome abrangente que atende diferentes áreas, sem uma rotulação específica.

M&M: Que tipos de produtos estão disponíveis pela Nohpe?

Tiago: Tiago: Hoje temos baterias compactas, infantis, peles mute e pads para estudo, mas existe um planejamento voltado para essa linha de aumento de mix de maneira estratégica e gradativa.

M&M: Eles são feitos na fábrica da Luen no Brasil?

Tiago: Sim. A produção é 100% nacional, como o restante das nossas linhas e produtos.

M&M: O que destaca essa marca entre as outras disponíveis no mercado?

Tiago: Existem diversas opções de estudo, mas sempre dentro da mesma categoria, variando apenas o design ou o estilo. Já nós, seguindo o conceito da marca, fomos além. Estudamos a fundo a necessidade do mercado e como inovar em um segmento que estava um tanto quanto saturado. Com isso podemos dizer que nos diferenciamos por oferecer um novo conceito, transformando o fato de tocar ou estudar em uma experiência única e prazerosa.

M&M: Não vai concorrer com os produtos já existentes da Luen?

Tiago: Os produtos convivem, já que todos possuem um posicionamento claro e objetivo. São itens que complementam a linha e/ou oferecem alguma solução para um produto já existente, não o substituindo, e sim oferecendo a opção de escolha ao lojista e consumidor. Nesse caso, cito a bateria Beeboo. Somos um dos pioneiros e líderes de mercado no segmento de bateria infantil, entretanto ninguém nunca ofereceu uma opção com volume atenuado. Dessa forma, quem quiser algo tradicional, continuará sendo extremamente bem atendido com os modelos que temos em linha; já aquelas pessoas que deixavam de adquirir porque não tinham estrutura para comportar uma bateria convencional poderão realizar a compra sem nenhuma preocupação.

M&M: Foram feitos tests drive com músicos? 

Tiago: Fizemos testes exaustivos. Em nosso novo modelo de desenvolvimento de produtos, que colocamos em prática nos últimos cinco anos, trabalhamos fortemente com testes técnicos e práticos, realizados por diversos profissionais. Esses testes podem levar anos para chegar ao ponto certo de lançamento. Assim aumentamos a assertividade e conseguimos ter um posicionamento claro dos produtos. O desenvolvimento dessa linha foi extremamente satisfatório — conseguimos atingir o nosso objetivo nas diferentes áreas (estudo, educacional, ao vivo e outros).

Pad de estudo

Pad de estudo

M&M: Os produtos já estão disponíveis no mercado?

Tiago: Já estão disponíveis, sim. O lançamento oficial da marca e dos produtos foi no TDT 2019 organizado pela Tagima e o resultado foi muito acima das nossas expectativas.

M&M: Como funciona a estratégia de preços para a nova marca?

Tiago: Esses produtos seguem a nossa filosofia de precificação. Não temos como objetivo a guerra de preços, e sim a construção do preço fundamentado em atributos técnicos, para que o real valor percebido seja claro para qualquer um que pegar o produto na mão. Podemos citar um termo meio deturpado no mercado, que é a verdadeira relação custo-benefício, pois nossos produtos oferecem mais benefícios (claramente percebidos) do que custo, dando o sentido literal ao termo, que hoje é utilizado de maneira equivocada para produtos baratos, que só oferecem preço e não uma melhor relação de entrega do que de custo.

M&M: O que vocês farão para posicionar esses produtos no mercado?

Tiago: Trabalharemos na linha de soluções para necessidades até então não atendidas. Estamos entrevistando diversos profissionais do meio para entender seus anseios, a fim de transformar nossos itens em produtos inovadores. Estamos focados em deixar esse posicionamento claro. Um ponto forte de contato com esse público são as escolas de música e educadores, com quem fechamos diversas parcerias importantes, não só para divulgação da linha, como para a melhoria contínua dos produtos. Um exemplo é a School of Rock, maior rede de escolas de música do mundo.

M&M: Esses produtos também estão sendo vendidos no exterior?

Tiago: Sim, já estão sendo comercializados no exterior também. Já tivemos alguns pedidos desses itens e estamos bem otimistas com a aceitação dos produtos nesses outros mercados, visto que em alguns países o governo interviu nas escolas de música, obrigando-as a utilizar recursos para reduzir o som das baterias, pois identificaram que isso estava sendo prejudicial ao longo do tempo (esse foi um dos motivos que contribuiu para a criação da marca). E como o mercado não oferece essa solução, diversas barreiras foram quebradas e muitos mercados estão se abrindo.

Peles Mute

Peles Mute

M&M: Qual é a situação da Luen no exterior?

Tiago: Estamos em um projeto de expansão. Evoluímos em situações não necessariamente visíveis ao consumidor, sendo elas o registro da marca em diferentes países, a criação de marca direcionada à cultura internacional, o posicionamento de produtos e preços para atender esse novo mercado, e o investimento na estrutura interna comercial, gerencial e de expedição, nos adequando aos padrões internacionais estabelecidos. Portanto, podemos dizer que de fato estamos preparados. Não queremos ser vistos com aquele olhar preconceituoso que o mercado internacional tem do Brasil. Hoje temos uma estrutura dedicada, como poucos fabricantes de instrumentos do nosso país dispõem, pois muito mais do que produtos, queremos oferecer serviços.

Em 2019 atingimos o nosso recorde em exportação e ainda estamos em negociação com diferentes distribuidores e artistas internacionais. Inclusive trouxemos alguns deles para conhecer nossa fábrica e estreitar relacionamento.

Aos poucos estamos conseguindo mostrar quanto é interessante trabalhar com as nossas marcas, pois de produtos o mercado está cheio, mas serviço, história, credibilidade e compromisso não, isso acaba se tornando um grande diferencial competitivo.

Como é composta a Nohpe

Baterias Spider e Viper: São baterias compactas e reduzidas. A Spider é um modelo para estudo e seu grande diferencial é o fato de ela possuir som, ou seja, não é uma bateria com pads de borracha. Tem 20% do volume de uma bateria tradicional e o rebote realístico. Já a Viper é uma versão da mesma bateria, mas com peles tradicionais. Ambas possuem regulagem e posicionamento de baterias de verdade e são ótimas opções para estudo, ao vivo e principalmente para escolas de música.

Bateria Beeboo: “É uma grande inovação na linha de baterias infantis”, disse Tiago. Ela possui a mesma estrutura das baterias da Luen, entretanto é equipada com as peles Mute e pratos silenciosos. Com essa bateria a criança consegue estudar e brincar sem incomodar os pais e vizinhos, visto que ela possui apenas 20% do volume de uma bateria convencional.

Peles Mute20 e Mute40: Essas peles deram origem à marca Nohpe. “Identificamos no mercado uma grande necessidade por controle de volume, e não apenas peles silenciosas. Atualmente temos um modelo em linha que é sucesso de vendas da marca Dudu Portes chamada Silent Head. Essa é a tradicional pele ‘muda’, mas ao tocar ao lado dos pratos silenciosos (que estão a todo vapor no mercado), o som da bateria acabava sumindo. Então desenvolvemos esses dois modelos”, explicou. A Mute20 é uma opção com rebote muito realístico e apenas 20% do volume e a Mute40 é uma opção com rebote atenuado para aprimoramento de técnica e 40% do volume. “Essa segunda opção é uma excelente pedida não apenas para estudo, mas também para apresentações que necessitem de um volume controlado, como igrejas (abolindo a necessidade do aquário) e bares pequenos. Ambas são produzidas com material sintético inovador e exclusivo. Portanto, temos hoje  três opções para quem procura peles dessa linha, Mute40, Mute20 e Silent (menos de 5% do volume). Trabalhamos na solução de uma necessidade do baterista e do mercado educacional e a aceitação está sendo extremamente grande”, detalhou.

Pads de estudo: Há três modelos em linha produzidos com as peles Mute. Tiago descreve: “Possuem estrutura extremamente reforçada, sendo construídos com aros de bateria e corpo de alumínio. Ou seja, oferecem rebote realístico, possibilidade de afinação e toda a dinâmica que um músico precisa ter ao estudar. Outro diferencial é que eles possuem o nosso exclusivo sistema wire, que oferece um leve som de esteira, transformando o estudo em algo mais interativo. Podem ser encaixados em estantes de pratos ou utilizados sob alguma estrutura”. Disponível em três tamanhos: 8”, 10” e 12”.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Comentários