Martin Guitar mudará sua administração em 2021 por 29/07/2020

Em meados de julho, a C. F. Martin & Co. (Martin Guitar) anunciou que a empresa está passando por um processo de sucessão executiva. Quais serão as mudanças?

Christian Martin IV decidiu que, no final de sua presidência da associação NAMM em julho de 2021, assumirá o cargo de presidente executivo da C.F Martin & Co. Ele continuará sendo Presidente do Conselho e a propriedade familiar da empresa continuará.

“Passei mais de 40 anos nos negócios da minha família e foi muito emocionante”, disse Chris Martin, presidente e CEO da empresa. “Agora cheguei ao momento em que é hora de mudar para o cargo de presidente executivo. Confio na equipe de liderança atual porque sei que eles amam a empresa tanto quanto eu e trabalharei em estreita colaboração com eles durante essa transição”.

Jacqueline Renner, Presidente da C.F. Martin também anunciou seus planos de se aposentar em 1º de outubro de 2021, sentindo que, com a mudança de Chris, também era hora de fazer sua transição. “Gostei muito de trabalhar com Chris e todos os nossos parceiros nos últimos cinco anos para fortalecer a Martin Guitar. Espero continuar fazendo isso através do processo de transição executiva. Aprecio a abordagem planejada de Chris para uma transição suave para a empresa que beneficia nossos clientes, colegas de trabalho e também os músicos que a Martin Guitar procura inspirar.”

“Sou muito grato pelo apoio e liderança que a Jackie demonstrou como presidente nos últimos cinco anos”, disse Chris.

A Martin conduzirá uma busca por um CEO-Presidente que abrace e aprimore a cultura única da empresa e continue a melhorar a marca em todo o mundo. A empresa contratada para realizar essa busca é a Hudson Gain Corporation.

Chris Martin IV

Compartilhamos aqui uma pequena parte de uma entrevista que o site The Music and Sound Retailer realizou com Chris Martin IV em abril de 2019, onde ele conta como entrou no negócio da família, algo que até os 15 anos de idade ele não planejava fazer mas conhecemos o resultado!

O Martin contou: O divórcio da minha mãe e do meu pai foi ruim. Minha mãe fez todo o possível para me afastar do meu pai. Então, eu cresci com a família da minha mãe. O pai dela era físico. Ela nunca me disse que um dia eu poderia ingressar nos negócios da família. Mas eu sabia que tinha que fazer algo para viver e pensei no que gostava. Eu planejava frequentar a Universidade de Miami para estudar biologia marinha. Essa seria a minha carreira.

Mas, à medida que crescia, visitava Nazaré por algumas semanas, ficava com meu avô e entrava na fábrica. Uma vez Fred Walecki veio nos visitar. Fred tinha uma loja de música em Westwood, Los Angeles. Ele era amigo do meu pai e eles jogavam golfe juntos. De alguma forma, eu pude passar um tempo com Fred e ele me perguntou o que eu ia fazer depois do ensino médio. Eu disse que me candidataria à Universidade de Miami e estudaria biologia marinha. Ele disse: “Ok, você quer sair da cidade”. Eu disse a ele tinha morado em casa por muito tempo e que queria ir para algum lugar. Ele disse: “Você já pensou nos negócios da família?” Eu disse: “Estou curioso. Quando venho visitar, parece interessante.” Ele me perguntou se eu consideraria me expor um pouco. Perguntei-lhe como. Ele disse: “Se você vem para Los Angeles, provavelmente pode ir para a UCLA. E eu lhe darei um emprego na minha loja de música”. Eu disse a ele que parecia divertido. Meu avô, o Sr. Martin, me disse: “Uma boa base, se você for ingressar no negócio da família, é estudar economia”.

Então, fui para a UCLA como calouro para estudar economia. Fiquei impressionado. Eu era um garoto do leste que estava subitamente no caldeirão do sul da Califórnia, onde as pessoas eram mais bonitas que eu e pareciam ter mais dinheiro do que eu. Enquanto trabalhava na loja de música, Fred e eu rapidamente percebemos que não tinha ideia do que estava fazendo. Eu acho que Fred pensou que eu iria à loja de música sabendo do que estava falando. Então percebi que, se ingressasse no negócio da família, talvez descobrisse qual como funcionava tudo. A UCLA operava em um sistema trimestral. No meio do segundo trimestre, liguei para minha mãe e disse que não podia mais ir à escola. “Estou só. Não estou feliz. Vou abandonar a faculdade.” Houve um profundo silêncio no telefone. “Voltarei a Nazaré e vou trabalhar na fábrica.”

Ela disse: “Você vai fazer o que?” Eu disse: “Preciso descobrir do que se trata esse negócio”. Então voltei e comecei a trabalhar na fábrica. Pude trabalhar em um departamento por algumas semanas, depois me mudei para outro departamento por algumas semanas. E então meu avô e minha mãe disseram que eu precisava voltar para a faculdade. Então, eu fui para a faculdade comunitária local à noite. Finalmente fui para a Universidade de Boston e me formei em administração. Mas eu diria que, nos primeiros 14 ou 15 anos da minha vida, não pensei em fazer parte do negócio da família”.

 

A imagem usada neste artigo também pertence a The Music and Sound Retailer.