Mackie conta como é fabricar na China por 18/02/2021

Muito tem se falado sobre a fabricação de produtos na Ásia, mas nem tudo é verdade. A Mackie conta aqui sua experiência e o resultado dos equipamentos de alta qualidade que a empresa disponibiliza no mercado.

Na verdade, a Mackie foi uma das empresas que demorou a adotar essa metodologia de fabricação, em comparação com tantas outras marcas e empresas de todos os setores. Outras indústrias, baseadas nos Estados Unidos e em outros países, começaram a mover parte ou toda a manufatura para a China e outros países asiáticos logo após a Segunda Guerra Mundial e até o final da década de 1970. A China, em particular, começou a ganhar terreno como centro de manufatura global durante os anos 1980 e, em 2010, ultrapassou os Estados Unidos como a economia manufatureira número 1 do mundo. Enquanto isso, em nosso canto mundial de música e áudio, a Mackie não foi a primeira nem a última empresa de áudio profissional a mudar a fabricação para outro país, o que aconteceu por volta de 2003.

A empresa fabrica seus produtos principalmente na China, com produção limitada em outros mercados de trabalho internacionais.

Benefícios para a empresa

Com outras marcas de áudio concorrentes já transferindo 100% de sua fabricação para a China no final dos anos 1990 e início dos anos 2000, o mercado global e o grupo de clientes-alvo de áudio já estavam conversando com seu próprio dólar, com clientes e fabricantes aceitando e direcionando para preços mais baixos em várias categorias de áudio, como mixers, alto-falantes e outros. No final da década de 1990, por exemplo, US$ 1.000 era na verdade um preço bastante aceito para um mixer analógico de 16 canais… Avançando até hoje, existem agora mixers digitais bem estabelecidos no mercado por menos de US$ 400 e mixers analógicos por menos de US$ 300. 

O lado positivo da realocação de manufatura da Mackie levou a empresa a uma economia de escala que lhe permitiu competir nas faixas de preços mais amigáveis ​​ao cliente, sem se sentir forçada a competir com os preços mais baixos do mercado.

A desvantagem, que não deve ser subestimada, é que os empregos na linha de montagem da indústria precisam ser transferidos de um país para outro para conseguir esse tipo de realocação. No entanto, se a Mackie não tivesse mudado a fabricação para a China na época, os principais produtos da empresa, especialmente mixers e alto-falantes de alta qualidade e alto valor, que carregam a característica “Built Like A Tank”, que lançou e levou a empresa ao sucesso durante seus primeiros 15 anos, provavelmente custariam aos clientes finais aproximadamente o dobro do que custam hoje para uma empresa como a Mackie manter suas despesas operacionais. 

Matt Redmon, diretor de Marketing de Produto da Mackie

Fabricação com direção americana

Embora todas as linhas sejam fabricadas no exterior, a Mackie tem equipes de gerenciamento de produto, marketing, engenharia, serviços, vendas, finanças e quase todos os outros funcionários globais baseados em sua sede em Bothell, Washington, com escritórios satélite na Europa, Oriente Médio, África e Ásia-Pacífico. A empresa afirmou que se as políticas e/ou melhores práticas nos Estados Unidos e outros mercados internacionais em torno da fabricação e/ou comércio global mudarem, a fabricação pode até ser transferida para outros países no futuro, seja de volta aos Estados Unidos, seja para outros países asiáticos ou mesmo potencialmente para a América Latina. “Em última análise, vamos gerenciar esse equilíbrio entre qualidade e custo, contanto que forneçamos a melhor qualidade de construção possível para nossos produtos, independentemente do país em que são feitos”, explicou Matt Redmon, diretor de Marketing de Produto da Mackie.

A seguir, uma entrevista que fizemos com Matt para descobrir mais sobre a fabricação da Mackie e sua situação atual. 

M&M: Por favor, conte sobre o foco no “cliente primeiro” que a Mackie segue.

Começando com o próprio Greg Mackie há mais de 30 anos, o DNA da Mackie sempre foi o de fornecer uma solução para os problemas e pontos fracos dos clientes, seja fornecendo maneiras novas e inovadoras, seja trazendo tecnologia que antes era “apenas para profissionais” a preços mais acessíveis para outros usuários. Em ambos os casos, isso cria novos mercados, traz novos clientes e resolve problemas novos e antigos, mas de maneiras novas e interessantes.

Essa noção, é claro, é um pouco separada da manufatura, pois tem a ver com para quem os gerentes de produto, marketing e vendas desejam resolver os problemas e como o desenvolvimento de produtos e a engenharia o farão. Mas a manufatura de qualidade começa com a “solução de problemas do cliente” — isto é, o gerenciamento de produtos — e a engenharia de qualidade. 

M&M: Vamos falar sobre a fábrica na China. Como funciona? Vocês têm uma equipe especial trabalhando lá?

Em primeiro lugar, temos uma rede de fabricantes, alguns com os quais trabalhamos há quase duas décadas e outros com quem iniciamos mais recentemente. Por ter a liberdade de executar uma manufatura de qualidade com base em contratos, somos capazes de dimensionar nossas operações segundo nossos negócios em anos positivos e negativos, que é o tipo de flexibilidade que dá longevidade às marcas, particularmente em face da volatilidade frequente no mercado.

Com essa abordagem estratégica, construímos efetivamente um “modelo onboarding” e procedimentos operacionais de padrão de fabricação/qualidade para garantir que todos os nossos fabricantes montem e verifiquem o trabalho de acordo com nossos padrões. Nesse sentido, garantimos não apenas prescrevendo os processos exatos pelos quais gostaríamos de fabricar nossos produtos, mas também os procedimentos de teste e controle de qualidade que garantem que cada unidade fabricada tenha o mesmo nível de desempenho da “unidade de referência de ouro” (que geralmente é a primeira/melhor unidade do produto original executada após a verificação do projeto e as fases de produção-piloto serem concluídas). 

Deixe-me acrescentar algo mais: em relação à sua pergunta sobre uma equipe especial na China, uma parte realmente crítica da fabricação bem-sucedida no exterior é ter uma equipe de operações contratada em primeira mão, com equipe de controle de qualidade, suporte de engenharia e mais pessoas presentes em nossos países de fabricação. Da mesma forma que um pequeno empresário gostaria de monitorar pessoalmente os processos de fabricação e a qualidade se estivessem em sua garagem, porão ou no mesmo prédio que o restante de seus departamentos (vendas, marketing etc.), é igualmente crítico para empresas maiores terem “olhos no chão” representando engenharia integrada, gerenciamento de produto, vendas e marketing e/ou trabalhando em estreita colaboração com todos os aspectos de cada linha de fabricação, teste e embalagem. 

No nosso caso, temos vários funcionários que frequentemente visitam e/ou “residem” nos centros de produção, principalmente durante os primeiros meses de atividade. Essas pessoas prescrevem o processo, conduzem auditorias 100% e ajudam a garantir o lançamento bem-sucedido e a experiência do cliente de cada produto Mackie. 

M&M: Vocês projetam os produtos nos Estados Unidos e depois eles enviam um protótipo para aprovação? Como é esse processo?

Conforme mencionado acima, todos os nossos produtos são projetados/desenvolvidos total ou amplamente nos Estados Unidos. Ocasionalmente, empregamos engenharia por contrato com nossos fabricantes, que também possuem recursos de engenharia integrados. Trabalhando dessa forma, nosso grupo de engenharia dos Estados Unidos trabalha em estreita colaboração com os recursos contratados para alcançar o mesmo resultado: um produto Mackie de alta qualidade, conforme especificado pela equipe de produto dos EUA. 

A partir daí, temos um pacote de design aprovado por vários departamentos que pode ser fabricado em qualquer lugar do mundo. Na verdade, introduzimos linhas em mercados internacionais no passado (por exemplo, no México) apenas para serem posteriormente transferidas para a China, Taiwan ou outro lugar. A chave, em todos os casos, é que o mesmo nível de cuidado seja aplicado na fabricação e controle de qualidade desses produtos como no design. Até esse ponto, eu diria que a Mackie, tendo mudado a manufatura para a China há quase 20 anos, teve muito tempo para resolver qualquer um dos problemas que possam ter surgido com essa realocação, ou o surgimento de um novo fabricante ou rede de manufatura. 

Uma vez que o fabricante obtém o negócio para um produto ou série determinados, várias fases começam imediatamente à medida que trabalhamos para a validação do projeto, aquisição de componentes-piloto e de produção. Em última análise, não apenas um protótipo, mas também a validação do design e as unidades-piloto (iterações entre protótipos e produção) são produzidas pelo centro de fabricação antes que a produção receba luz verde. Ou seja, são muitos os checkpoints e controles de processos em torno da criação de novas linhas para que, na hora em que entrar em produção, todos os erros, problemas e dificuldades tenham sido resolvidos. 

Série SRM V-Class

M&M: Uma dessas linhas é a V-Class. Qual é o destaque dessa série?

Embora a SRM V-Class atenda aos padrões de fabricação e qualidade de todos os nossos outros produtos, essa linha realmente se destaca por sua filosofia de design. Com a V-Class, nos propusemos o desafio de projetar o que acreditamos ser o alto-falante com o melhor som, o mais alto e o mais avançado tecnologicamente que já produzimos em toda a nossa história.

Com isso dito, a V-Class aproveita mais de duas décadas de design de alto-falantes de uma líder da indústria em acústica (essa é a Mackie!), culminando na caixa mais completa, poderosa e agradável de ouvir disponível em qualquer setor perto do nosso preço no mercado hoje.

Para acrescentar algo sobre a manufatura da V-Class, esta não é uma linha de produtos que fosse tecnologicamente possível projetar ou fabricar em qualquer lugar do mundo há 20 anos. Mas hoje? É uma linha de produtos que estaríamos igualmente confiantes de fabricar nos Estados Unidos, na Europa, na China ou em qualquer outro lugar do mundo, pois provamos que podemos construir e manter uma rede de fabricação que é a melhor na indústria de áudio; que também rivaliza, do ponto de vista da qualidade, com as muito maiores empresas de eletrônicos de consumo e prosumers na China e em outros países fabricantes. 

M&M: Algumas pessoas não se sentem confortáveis ​​com produtos fabricados na China. O que você diria ou mostraria para fazê-las mudar de ideia?

Acho que há um estigma de longa data que segue a China em todos os lugares e que vem de alguns lados diferentes que não são tão bons. Um desses fatores certamente tem a ver com a perda/transferência de empregos para outro país, que, como eu disse antes, nunca é ideal. Enquanto isso, o outro estigma — possivelmente relacionado à transferência de emprego — parece enraizado na crença de que a manufatura de um país pode ser patentemente e/ou objetivamente melhor do que a de outro.

Em relação a este último, acredito que a “verdade por trás do mito” de que “o país X é pior na manufatura do que o país Y” pode ocorrer para as empresas (1) se a gestão do contrato não for levantada por meio de um processo de integração e SOP (procedimento operacional padrão) que atenda aos objetivos da matriz e (2) se os controles de qualidade da primeira parte não estiverem em vigor e/ou estiverem fortemente integrados com uma rede de gerenciamento de contratos durante todo o ciclo de vida de produção de um produto. 

M&M: Uma das questões que muitas pessoas temem ao falar sobre produtos fabricados na China é a qualidade. Embora você já tenha falado sobre isso, como funciona o controle de qualidade na Mackie?

Sim, eu poderia acrescentar ao que disse anteriormente que, de nossa parte, a Mackie está “chegando ao ponto” agora com a fabricação, já que trabalhamos muito durante anos para atravessar todos os obstáculos operacionais que as empresas podem encontrar ao trasladar sua fabricação.

Até hoje, mantivemos uma taxa de falha de menos de 1% em todo o nosso portfólio de produtos por mais de três anos, com anos anteriores não excedendo uma taxa de falha de 2% — considerado por muito tempo um ponto de referência intersetorial para manufatura “impecável”. 

M&M: Os clientes/consumidores podem encontrar os mesmos produtos Mackie, mas com outra marca, em um mercado paralelo?

Sim, é possível. Alguns centros de manufatura na China fazem projetos de engenharia reversa e os vendem com suas próprias marcas, vendem para outras marcas etc. Frequentemente emitimos cortes e desistimos na tentativa de monitorar esse comportamento para proteger a propriedade intelectual e a sustentabilidade de nossa marca. Mas também descobrimos que a grande maioria dos clientes pode dizer a diferença entre um produto Mackie e uma cópia de um produto Mackie. 

M&M: A fabricação na China deu à Mackie a oportunidade de usar ou implementar qualquer nova tecnologia em seus produtos?

Em alguns casos, os centros de manufatura com engenharia integrada têm experiência em tecnologias emergentes, simplificando o trabalho de design para a manufatura, pois o gerenciamento de contratos já entende a tecnologia que está sendo lançada no mercado.

Em geral, porém, a maioria, senão todas, de nossa propriedade intelectual de alto valor vem da concepção e inovação impulsionada por equipes de produtos e engenharia dos Estados Unidos. 

M&M: Bem, certamente parece que a Mackie tem uma rede de manufatura de alta qualidade. Alguma coisa que você gostaria de adicionar?

Além de agradecer a oportunidade de falar sobre isso, sim, gostaria de acrescentar uma coisa!

Acho que resumiria dizendo que a Mackie tem mais de 30 anos de história repleta de produtos que nossos clientes conhecem e esperam em nossa construção “Built Like A Tank”. A realocação de fabricação não deveria mudar uma estratégia ou reputação que temos desenvolvido e mantido por anos, nos Estados Unidos, na China e em outros países ao redor do mundo.

No final do dia, tanto engenheiros de áudio quanto músicos querem comprar produtos de qualidade que durem, de marcas em que possam confiar, e nos esforçamos todos os dias para estar no topo dessa lista de músicos, engenheiros, criadores de conteúdo, audiófilos e até fãs de música e pessoas casuais que trabalham ou aprendem remotamente.

A missão da Mackie é estar em qualquer lugar onde o som seja importante. Nossa visão é buscar incessantemente experiências inspiradas no cliente e um dos nossos muitos valores essenciais é o foco no cliente, um pilar que ajuda a garantir a qualidade de nossa fabricação, tanto quanto impulsiona nosso motor de inovação. 

 

SRM | V-Class Overview