Dra. Liane Hentschke é indicada como membro honorário vitalício da ISME

Dra. Liane Hentschke é indicada como membro honorário vitalício da ISME

por 24/08/2020

Dra. Liane Hentschke é indicada como membro honorário vitalício da International Society for Music Education (ISME)

Consagrando-se entre as mais representativas personalidades na educação musical no mundo, a Dra. Liane Hentschke teve uma carreira pautada por realizações como defensora de políticas, professora, professora, supervisora ​​e gerente na área de educação musical e relações internacionais.

Sua contribuição para o ISME inclui cargos como membro do Conselho e do Comitê Executivo, como membro do Comitê Editorial e como Co-editora do IJME e foi a primeira brasileira a se tornar Presidente da entidade global. Ela serviu como Presidente Eleita, Presidente e Ex-Presidente de 2004 a 2010.

Reconhecida por “Seu trabalho notável e incansável de apoio à ISME garantiu sua nomeação para se tornar um membro honorário vitalício da ISME”, conforme publicado no site da entidade.

1ª Conferência Mundial da ISME em Porto Alegre, Brasil

Foi através da sua gestão que a primeira conferência ISME foi realizada na região da América Latina. A Dra. Liane Hentschke foi a Presidente do Comitê Organizador da Conferência para a 31ª Conferência Mundial da ISME em Porto Alegre. O evento reuniu mais de 1.200 profissionais de 50 países no evento e até hoje é considerado o maior evento da classe na região.

Visão

Dra. Liane Hentschke possui um olhar diferenciado e dirigido a união para a consolidação de propostas governamentais. Em entrevista para esta publicação, a Dra. Hentschke diz: “Sempre recomendaria uma ação proativa por parte das instituições e associações da área de música junto ao poder público. Isso inclui associações de cunho acadêmico, representantes da indústria e associações representativas da classe de música. Assim, formaremos um grupo sólido com propostas representativas de milhares de pessoas.” 

“O que temos no Brasil são pleitos isolados representando a falta de diálogo entre as instituições. Isso facilmente é percebido pelo poder público, que acaba desmerecendo a área.”, explica.

Quem é a Dra. Liane Hentschke

Dra. Hentschke completou seu mestrado e doutorado na University of London, Institute of Education, seguido por uma impressionante carreira de 26 anos como professora de Educação Musical na Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS – Porto Alegre, Brasil.

Além de professora, foi vice-presidente do Conselho Internacional de Música (2009-2013), tendo sido indicada para outros cargos institucionais como Vice-Reitora de Assuntos Internacionais da UFRGS de 2008 a 2013, seguida pelo Cargo nacional diferenciado como Diretor de Cooperação Institucional e Internacional do CNPq (Conselho Nacional de Pesquisa) de 2013 a 2014.

O professor Hentschke leciona na graduação e na pós-graduação desde 1994 e ainda orienta teses de doutorado no Programa de Pós-Graduação em Música da UFRGS. Como Pesquisadora Nível 1 do CNPq, ela se concentrou em novas abordagens para melhorar a formação de professores, educação musical formal e não formal e, nos últimos 12 anos, tem se dedicado a pesquisar a motivação para ensinar e aprender música e a utilização de tecnologia digital para educação musical

Ela fez parte do Comitê Consultivo da UNESCO que propôs os 10 Objetivos do Milênio para a Educação Artística (Seul, 2010) e tornou-se membro do INRAE ​​(Comitê Diretor de Pesquisa Internacional em Educação Artística). O Professor Hentschke atuou como Conselheiro do Observatório da UNESCO RLCCE de 2011-2013 (Hong Kong) e foi membro do grupo de trabalho “Mundus Musicalis” que foi coordenado pela AEC (European Association of Music Conservatories) como parte do Erasmus Mundus Programa da União Europeia. Ela também fez parte de um projeto internacional denominado “Significados da Música para Estudantes em Atividades Musicais Escolares e Não-Escolares”, uma pesquisa envolvendo oito países, presidida pelo Professor Gary McPherson.

No Brasil, por muitos anos, atuou como consultora no desenvolvimento de currículos em escolas de música e universidades, no desenvolvimento de dois programas educacionais de orquestra, voltados para crianças socialmente desfavorecidas e nas relações internacionais para a educação básica.

No nível político, o Dr. Hentschke atuou como membro do Comitê Consultivo para Música no Ensino Superior (CEEARTES), no Ministério da Educação do Brasil (1995-2000). Ela fez parte da equipe para liderar educadores musicais com o objetivo de reintroduzir a música como área especializada em todos os níveis de ensino. O Comitê do CEEARTES organizou o “I Seminário de Ensino Superior em Artes e Design no Brasil” (em Salvador, Bahia), com a publicação dos anais, que representou o início de uma jornada de advocacy pela educação musical no país. Este movimento lançou as bases para as mudanças nas normas e leis para documentos curriculares de música nas escolas.

:: Leia também:

Em 2017, foi convidada pelo Conselho Nacional de Educação (Conselho Superior de Educação do Brasil) para ser Orientadora do documento final das Diretrizes Curriculares Nacionais de Música (BNCC).

Na área editorial, atuou por dois anos como Co-editora do International Journal of Music Education – IJME: Practice, bem como como Presidente do Conselho Editorial da ABEM (Sociedade Brasileira de Educação Musical). Ela também foi membro do Conselho Consultivo Internacional do British Journal of Music Education (Reino Unido) e membro do comitê editorial da revista Research Studies in Music Education (Reino Unido).

Suas publicações incluem livros, capítulos de livros, prefácios e artigos de periódicos arbitrados publicados no Brasil, Inglaterra, Austrália, Argentina, Hong Kong, Alemanha e Espanha. Ela foi convidada para seminários e palestras especiais em universidades no Brasil, Inglaterra, Estados Unidos, Espanha, Alemanha, Hong Kong, Coréia do Sul, Noruega, Taiwan, China continental, Tailândia, Argentina, Chile e Venezuela.

Dra. Liane Hentschke é consultora internacional na área e faz parte da diretoria executiva da ANAFIMA (Associação Nacional da Indústria da Música) e do Conselho Consultivo da Frente Parlamentar em Defesa da Música.