Impacto da música no desenvolvimento cerebral das crianças

Impacto da música no desenvolvimento cerebral das crianças

por 29/08/2020

Pesquisa do Brain and Creativity Institute, da Universidade da California, reforça a importância do aprendizado musical

Ser um adolescente de origem carente deve ser especialmente difícil durante a pandemia. Mas um desses grupos de jovens teve uma vantagem. Eles são membros da YOLA( Youth Orchestra of Los Angeles), a orquestra jovem dirigida pela Filarmônica de Los Angeles, e, em meio ao estresse e ao isolamento do bloqueio, eles têm usado seu conhecimento musical para curtir jams improvisadas no Zoom.

“A música está dando a eles um espaço para se distrair das notícias”, diz Assal Habibi. “Eles contam com as amizades para tocar música juntos.”

Habibi não é uma entusiasta das artes. Você normalmente a encontrará no Instituto de Cérebro e Criatividade da University of Southern California. Em seu papel como Professora Assistente de Psicologia, ela estuda como as experiências na vida afetam a estrutura do cérebro e, com isso, nossas habilidades cognitivas e desenvolvimento social.

Pesquisa cética sobre os efeitos da música

Quando, sete anos atrás, a LA Phil, Filarmônica de Los Angeles, a convidou para observar sua classe de crianças de seis anos de idade da YOLA, ela aceitou a tarefa com todo ceticismo profissional. “É raro uma orquestra colaborar com um instituto científico”, diz Assal Habibi. “Não dissemos que iríamos encontrar os benefícios da música, dissemos que iríamos publicar tudo o que encontrarmos”.

A Filarmônica de Los Angeles estava correndo um risco e as evidências poderiam ter sido de qualquer maneira. “No início era um caos”, diz ela. “Eles tinham seis anos de idade com violinos batendo uns nos outros”.

Como o Big Noise da Escócia, o esquema é baseado no El Sistema da Venezuela, um programa pioneiro que oferece treinamento musical intensivo para crianças de comunidades vulneráveis. Seu graduado mais conhecido é o maestro e violinista Gustavo Dudamel, que também é diretor musical da LA Phil.

:: Leia também:

Os defensores da música acreditam que, ao aprender um instrumento e tocar juntos, os jovens músicos desenvolvem a disciplina, a auto-estima e as habilidades sociais que os ajudarão mais tarde na vida. Essa é a teoria. Habibi passou os anos intermediários estudando o cérebro em desenvolvimento das crianças para ver se eles se desenvolveram de fato.

Para ter um comparativo de como os cérebros das crianças que estudavam música estavam se desenvolvendo, ela recrutou mais dois grupos de 25. Um fazia parte de um programa de esportes da comunidade e o outro, o grupo de controle, não estava inscrito em nenhuma atividade fora da escola organizada.

Desenvolvimento cerebral das crianças que estudam música

Ela rastreou habilidades acadêmicas, como leitura, memória e matemática, bem como habilidades sociais, como empatia e compaixão. Mesmo ajustando para fatores ambientais, as evidências a convenceram dos benefícios. No equilíbrio, os jovens músicos superaram os outros grupos. O fato de os esportistas ficarem em segundo lugar apenas reforça o valor da atividade compartilhada.

As primeiras mudanças que ela observou foram nos sistemas de processamento auditivo do cérebro. Nos músicos, o córtex temporal, que tem a função de enviar informações do ouvido ao cérebro, amadureceu mais rapidamente. Isso é o que você esperaria, mas depois de dois ou três anos, ela também começou a observar mudanças no comportamento social.

“Crianças que estão mais sincronizadas ritmicamente com outra pessoa, são mais sociáveis e dispostas a compartilhar seus pertences com os demais”, diz ela. “É uma tarefa simples, mas mostra que a sincronicidade faz parte da evolução e provavelmente tem algo a ver com o papel da música na criação de coesão social.”

criancas-tocando

Em média, as crianças do YOLA pontuaram mais alto nos testes de empatia e foram melhores em julgar os estados emocionais dos outros. “Há um momento mágico e emocional quando músicos tocam juntos”, diz ela. “Eles olham um para o outro e você presume que eles são hábeis em ler o conteúdo emocional do rosto e do movimento. Isso também se aplica às crianças em nosso estudo. ”

Ela aprofundou os resultados do laboratório com observações dos pais, que relataram menos agressão, menos hiperatividade e mais cooperação em casa entre os músicos. Isso se traduz em um histórico mais realizado na escola e, você pode supor, melhores chances de sucesso na vida adulta. Com a ajuda da neuroimagem, Habibi observou um envolvimento correspondente nas áreas do cérebro associadas à tomada de decisões e ao planejamento. “Parece que há mudanças neuroplásticas no cérebro em uma idade precoce que correspondem às suas melhores habilidades”, diz ela.

Ela falará sobre suas descobertas na vertente Cultura e Educação do Culture Summit, com a participação de Elsje Kibler-Vermaas, do departamento de educação de LA Phil, e de um músico de 13 anos cuja vida foi transformada pelo programa, e em um webinar.

A música deveria ser um prazer em si, Habibi argumenta, mas seus resultados sugerem que também é uma “ferramenta a ser usada para processar emoções”. Ela acredita que toda criança merece acesso a tal ferramenta (a música). “Nossos resultados mostram que isso lhes confere competências importantes para o sucesso na vida, acadêmica e socialmente. A educação artística e musical não deve ser um bônus para algumas crianças que podem pagar. Deve fazer parte de um currículo que oferecemos para o desenvolvimento da criança inteira. ”

Assal Habibi, Brain & Creativity Institute, University of Southern California

Com informações do YOLA | fotos da Los Angeles Philharmonic Association