Cordas Solez – review da .011 para guitarra

Cordas Solez – review da .011 para guitarra
dezembro 14 13:28 2017

Cordas Solez são boas? Analisamos a cordas Solez .011 com DLP em uma Fender Strato, minha velha companheira de estrada. De cara já pude perceber o ótimo equilíbrio delas

Quando o assunto são as cordas para instrumentos musicais, as dezenas de marcas no mercado, de diferentes composições (liga), estilos, cores e preços podem criar dificuldade na maioria dos músicos para a escolha correta. O objetivo deste teste é passar a minha experiência com as cordas Solez, produto brasileiro, que vem quebrando paradigmas.

Conhecendo a marca

A Solez Strings é uma empresa nacional que já está no mercado há bastante tempo, desde dos anos 2000, para ser exato. Possui um extenso mix de produtos: de cordas para viola caipira às cordas de pedais steel, passando por violões, guitarras e contrabaixos. Recentemente a Solez ampliou sua linha lançando produtos para limpeza de cordas e polimentos de instrumentos.

Primeiras impressões das cordas Solez

A empresa introduziu uma tecnologia chamada de DLP – Dual Layer Protection -, que são  duas camadas de proteção aplicadas nas cordas primas que impedem a oxidação causada pelo suor e a gordura das mãos ao entrarem, em contato direto com o aço. Na prática, isto faz com que a corda mantenha o brilho e o timbre por mais tempo que as cordas convencionais/sem a proteção.




Atualmente no mercado há três marcas com tecnologias similares, a Elixir, D’Addario EXP, Ernie Ball NeverRust e a nacional Solez. Cada uma pleiteia um ganho tecnológico e patente própria.

As cordas Solez vem em uma atrativa embalagem e estão separadas por saquinhos individuais. Na minha opinião isto ajuda na hora de colocá-las.

Mas será que as cordas Solez duram mesmo?

Bom, isso é o que todo mundo se pergunta. Pois, no caso da Elixir, D’Addario EXP e Ernie Ball NeverRust paga-se um valor mais alto em relação as cordas sem proteção anti-ferrugem e tem o seu porquê (além de altos impostos, diferença cambial etc). As cordas duram mais, sustentam a afinação e uma vez que se toca em cordas premium é difícil aceitar outras. Ouvido de músico é coisa preciosa!

Receba a Música & Mercado grátis!

 

limpador de cordas solez

No caso das cordas Solez, seu valor é bem atrativo (em torno de R$40 – ref. dez/2017) e dependendo do uso, pode durar três meses tranquilamente. No meu caso (sou guitarrista), venho utilizando a Solez continuamente a pouco mais de um ano, até o momento, três meses tem sido a média de duração. Considere ainda que uso bastante, tocando quase todo dia e fazendo show aos finais de semana.

Isto, ao meu ver, torna a Solez o melhor custo x benefício do mercado. Faço uma observação:  uma excelente maneira de prolongar ainda mais a vida útil de suas cordas é a utilização do limpador de cordas (Solez ou outras marcas), pois devido a ação do suor e da gordura, suas cordas podem perder o timbre dos bordões. Para isso a Solez desenvolveu seu próprio limpador de cordas que melhora o desempenho e durabilidade de suas cordas.

O teste das cordas Solez .011 com tecnologia DLP

cordas solezNesse teste utilizei cordas Solez 0.11 colocadas em uma Fender Strato, velha companheira de estrada. De cara pude perceber o ótimo equilíbrio delas. Logo após colocadas  elas já estavam segurando afinação, diferente das cordas que já testei e que por algum tempo continuam dilatando tornando-se mais difícil de afinar.

Na parte sonora, utilizando amplificador profissional com som limpo, as cordas responderam com timbre cristalino e encorpado, com boa ressonância e com certa facilidade para harmônicos naturais por toda extensão do braço.

Com o amplificador um pouco mais sujo, numa pegada hard rock, consegui boa entonação e firmeza ao dar bends, achei elas um pouco menos macias que a Elixir, porém com mais pegada, o que eu particularmente prefiro.

Cordas deste tipo facilitam o tocar, principalmente se você exige bastante das regiões mais agudas do braço.

Já com a guitarra distorcida, mantém-se o timbre encorpado e brilhante, porém com aquele punch que o drive proporciona. Entre Elixir e a Solez, notei que apesar de pouca coisa mais macia, para mim a Elixir perde em timbre e a Solez possui mais brilho, principalmente em som limpo.

Normalmente não costumo passar flanela após tocar, minhas mãos tem aquela sudorese destruidora, mas já fazem aproximadamente dois meses que coloquei a Solez e venho utilizando o limpador de cordas, o resultado é perceptível. As cordas ainda estão como novas, principalmente nas cordas mais grossas Ré, Lá e Mi. Eu recomendo o uso deste produto tipo ‘limpa corda’, ele fará com que as elas durem mais.

Pontos positivos das cordas Solez

Um ponto, digamos, super-positivo é que os encordoamentos Solez para guitarra vem com duas cordas extras, sendo uma Mizinha e uma corda Si. Às vezes, dependendo do estado do saddle da ponte que pode cortar a corda ou até mesmo no caso de quem tem a mão pesada isso pode ser uma ‘mão na roda’. Outro ponto positivo é a maciez e o timbre que a corda possui e além de manter bem o equilíbrio da afinação, possui um brilho excelente. Facilitando assim os harmônicos naturais e também artificiais (pic harmonics).




Outro fator importante que as vezes passa desapercebido é o acabamento das cordas na parte da bolinha pois, se essa parte não está bem acabada, a corda acaba cedendo ou como já vi algumas vezes, se soltando da bolinha. O  bom acabamento nessa parte proporciona uma melhora na estabilidade da afinação.

Pontos negativos das cordas Solez

Cordas Solez

Bordão das cordas Solez e da Elixir

Existem dois pontos que podemos descrever como negativos. Um é o fato de que com o tempo os bordões possam perder o brilho, ficando com o som um pouco opaco, para isso recomendamos o uso limpador de cordas que mencionamos anteriormente.

O outro é na parte do acabamento das cordas, mas não pela qualidade do mesmo, mas por uma pequena diferença que notamos. As partes do acabamento acabam sendo um pouco maiores que a Elixir, por exemplo. Mas no que isso influencia? Bom, quando falamos em Pontes Tune-o-Matic, algumas pessoas costumam passar as cordas por cima, fazendo o chamado Top Wrapping. Quando fiz isto com a Solez, utilizando uma Gibson Les Paul, pude notar que esse acabamento sobra, ou seja, ele fica pra fora da ponte. Nesse caso quando você vai fazer o Top Wrapping essa sobra atrapalha, porque na hora de passar a corda ela acaba não fazendo o contorno da ponte como deveria. Ela dobra de uma forma abrupta que pode vir causar o rompimento da mesma mais facilmente.

Considerações finais do teste com as cordas Solez

A Solez se mostra o melhor custo x benefício do mercado brasileiro. O fato de ser nacional demonstra que nossos fabricantes estão cada vez mais oferecendo produtos com alto padrão de qualidade, aptos a concorrer com qualquer marca de fora e com a vantagem de custarem menos, no caso da Solez,  a tecnologia DLP eleva a marca – na minha opinião – ao mesmo nível de produtos como a Elixir, por exemplo.

Brilho, resistência, equilíbrio e extras são as principais qualidades destas cordas. Com toda certeza podemos afirmar que, ao adquirir, você estará realizando uma boa compra.

Site: www.solez.com.br

Compre online (clique aqui) ou de preferência em uma loja perto de você

 

Receba a Música & Mercado grátis!

 

Leia também: O grande salto na qualidade dos pedais analógicos no Brasil


Concorda ou discorda deste review das cordas Solez? Comente abaixo e participe da discussão. 

Comentários

Review Summary

5 out of 5
Timbre
5 out of 5
Volume
4.5 out of 5
Durabilidade
4.5 out of 5
Acabamento

A Solez se mostra o melhor custo x benefício do mercado brasileiro. O fato de ser nacional demonstra que nossos fabricantes estão cada vez mais oferecendo produtos com alto padrão de qualidade, aptos a concorrer com qualquer marca de fora e com a vantagem de custarem menos, no caso da Solez,  a tecnologia DLP eleva a marca - na minha opinião - ao mesmo nível de produtos como a Elixir, por exemplo.

4.75 Excellent 4.75 out of 5
view more articles

About Article Author

Thiago H. Ferreira
Thiago H. Ferreira

Comecei na música com 16 anos. Mais de 12 anos tocando na noite paulistana, com passagens por várias bandas covers e autorais, como a Verdecaffé, entre outras. Blues, Rock, Reggae, MPB e Pop são os principais estilos e junto com a banda Hangaragem faço shows pela noite. Minhas principais influências são: Steve Ray Vaughan, Hendrix, Jimi Page, Slash entre outros. Seja bem vindo!

View More Articles