Turnê da Dua Lipa apresenta mesas DiGiCo Quantum

A artista inglesa Dua Lipa está apresentando sua turnê mundial “Future Nostalgia” com consoles DiGiCo Quantum fornecidos pela Britannia Row Productions.

Future Nostalgia começou sua turnê mundial em fevereiro de 2022 e terminará em Perth, Austrália, em novembro, depois de ter visitado a América do Norte, Europa, Oceania e América Latina, onde se apresentou recentemente.

Tanto o som de FOH quanto as mixagens no palco são criadas nos sistemas de mixagem digital DiGiCo Quantum, por Will Nicholson e Alex Cerutti, respectivamente. Nicholson está em seu sétimo ano com Dua Lipa e especificou um console Quantum 7 para esta turnê.

“O Q7 oferece muito. É a única mesa atualmente no mercado com um cérebro duplo, o que elimina a necessidade de levar uma placa adicinoal, mas nos dá redundância. Isso é muito reconfortante”, diz.

“É também o console principal de uma marca popular, e estamos em uma turnê mundial, então ter suporte global é muito importante. Embora possamos pensar em potência em termos de E/S ou mecanismos de efeitos ou similares, para mim um dos maiores pontos fortes do Q7 é sua infinita capacidade de configuração e potencial. Isso nos dá a oportunidade de abordar shows e mixagens de forma exclusiva para cada show e artista, e adaptar nossa abordagem ao conteúdo do show. Basicamente, o Q7 não adicionará nada ao seu mix, a menos que você peça: cor, calor, brilho, o que você quiser chamar. Mas, se você quer algo, o Q7 pode ter exatamente o que você precisa, então o poder está no potencial de fazer sua mixagem refletir a ambição do artista.”

Nicholson atualmente administra cerca de 60 entradas de música/banda no FOH, então com os microfones de retorno e audiência, a contagem total de entradas é próxima de 100. As saídas são apenas L/R, mas, ele revela, é um usuário pesado de bus: “Tenho alguns plugins e equipamentos externos, distribuídos através de um SD Rack, um DD2FR e algumas E/S locais”, diz ele. “Eu uso os efeitos internos para uma variedade de coisas e adoro Spice Rack e Mustard Processing. Também gravo das divisões MADI, pois os recursos de verificação de som virtual são essenciais para o meu fluxo de trabalho.”

Enquanto isso, no outro extremo do multicore, Alex Cerutti também pilota um Q7 de uma maneira muito diferente, mas com o mesmo prazer: “Trabalho com Dua desde 2016 e para esta turnê pedi um Q5 ou um Q7. Quando o Q338 saiu, eu queria experimentá-lo, mas depois de contar as entradas e saídas, etc., eu precisava de mais alguns buses do que o Q338 poderia fornecer.”

O Q7 da Cerutti lida com 130 canais de entrada, 59 canais auxiliares, 20 grupos e 10 saídas de matriz e, em seguida, usa a configuração da superfície de controle para fornecer acesso a tudo exatamente como ele gosta. “Meus canais de entrada estão nos bancos à esquerda, meus auxiliares, matriz e grupos à direita com uma camada ‘mix’ em cima, apresentando os vocais e reverberação de Dua, além de retornos de reverberação de instrumentos”, explica. “Nos dois bancos de fader centrais, tenho grupos Dua e DCA na parte inferior e mixagens auxiliares no banco superior.”

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Música & Mercado
Logo
Registrar Nova Conta
Comparar itens
  • Compare Guitarras (0)
Comparar