Os 25 anos da Dylan no mercado de áudio

Os 25 anos da Dylan no mercado de áudio

por 14/07/2021

Dylan comemora aniversário especial relembrando a história da empresa e com cupom de desconto para impulsionar vendas nas lojas físicas 

A reputação da Dylan cresceu constantemente no mercado e ganhou posicionamento graças ao trabalho dos seus diretores e da equipe comercial, somado aos produtos que chegam ao País para satisfazer as necessidades dos usuários locais.

“Eu amo o nome Dylan, soa como música aos meus ouvidos”, disse Nicácio Oliveira, diretor comercial da empresa. “A marca Dylan foi iniciada pela Importadora Court em 1996. A empresa trouxe os primeiros microfones DLS-8, produto com qualidade compatível com as grandes marcas da época, mas encerraram o negócio em 1999. Em 2012, quando iniciamos a importação, adquirimos e ressuscitamos a marca no mercado com microfones e acessórios. Foi como iniciar tudo do zero, mas conseguimos construir a nossa própria identidade.”

Com um novo modelo de negócio para importação desenhado por Nicácio, nesse mesmo ano ele convidou seu irmão Naaman para fazer parte da empresa, com participação nas ações e se encarregando da administração. “Desde então, eu cuido da parte comercial, marketing e desenvolvimento e Naaman cuida da parte burocrática e do financeiro.”

Nicácio conta mais sobre a empresa nesta entrevista.

M&M: Fale um pouco sobre sua carreira neste mercado.

Iniciei no comércio de áudio profissional e instrumentos musicais no varejo, na região da Santa Ifigênia, em São Paulo, em 1995. Fui gerente de vendas e compras até o ano de 2004. Isso agregou muito ao meu conhecimento comercial. Em 2005 fui trabalhar com representação comercial no interior de SP. Em 2008 fiz a minha primeira viagem para a China, onde surgiu o sonho de montar o negócio.

M&M: Os produtos da Dylan são importados justamente da China, certo? Como foi o processo de escolher com qual fábrica trabalhar? 

Sim, nossos produtos são importados da China. Escolher a fábrica e onde fabricar é como garimpar: trabalhoso, demorado e pesado. Temos um processo delicado para a escolha do local de produção que segue nosso padrão e critérios de qualidade, e posso garantir que não é uma tarefa fácil.

M&M: Foi difícil convencer os clientes brasileiros de que os produtos feitos na China são bons? 

Não. As marcas mais desejadas do mundo produzem na China, ou melhor, a maior empresa do mundo produz iPhone na China. Toda essa retórica cai quando você produz um bom produto e entrega com qualidade além do esperado, e é isso que nós fazemos com excelencia — entregamos um produto honesto naquilo que ofertamos.

M&M: Por que escolheram focar os microfones?

Aprendemos duramente que não poderíamos ter uma grande marca vendendo produtos que não geravam valor, e isso foi o xis da questão. Vejo a Red Bull como um exemplo de negócio de sucesso. Apenas com um item, é uma inspiração. Precisávamos fazer muito com pouco dinheiro, então decidimos que a Dylan voltaria à sua origem de 1996, somente com microfones.

M&M: Com a parada do mercado e das importações desde o começo da pandemia, como foi o trabalho para vocês?

Fomos criativos no momento mais crítico da pandemia, trabalhando duro para obter os resultados necessários, com pequenas ações: enxugamos nosso mix de produtos, focamos somente a curva A e outras. Quanto à falta de mercadoria, tivemos de ir de acordo com o ritmo do momento, mas agora já está tranquilo. O mercado do áudio profissional vive um momento difícil. Isso se reflete nos negócios diretos em todo o setor, mas estamos atendendo bem e dentro do ponto de equilíbrio.

M&M: E o lado dos clientes?

Estamos a todo momento entregando ferramentas que potencializam a venda nos pontos de venda, como vídeos, fotos, cupons de descontos. O mercado de áudio profissional tem duas frentes de vendas: para PAs pequenos e para grandes espetáculos. Com a pandemia e a restrição de público, infelizmente as grandes operações estão paralisadas, mas os pequenos eventos, como cerimônias, aniversários, churrascos e cultos religiosos, principalmente, estão mantendo os negócios do nosso setor. 

M&M: O que você acha que as empresas deveriam fazer para se reinventar neste momento difícil? 

O exemplo é a Uber, o iFood… Os lojistas precisam explorar mais os meios de comunicação com sua região por meio das redes sociais e aproveitar isso como um canal de negócios para fortalecer suas vendas. Essa é uma estratégia que a Dylan tem aplicado. Temos utilizado muito as redes sociais para apresentar os nossos produtos.

M&M: Que tecnologias podem ser encontradas nos produtos da Dylan? 

Todos os microfones mantêm um padrão de comercialização e apelo internacional. Os sistemas sem fio são certificados pelo Instituto de Tecnologia e o controle de qualidade possui homologação da Anatel. Produzimos em fábricas de alto padrão de qualidade, desde o mínimo detalhe da embalagem, do manual ilustrado em português ao microfone com uma fantástica captação de som. Uma soma proveitosa que nos leva a triunfar em todos os quesitos nessa categoria, sobretudo na satisfação dos usuários.

M&M: Para finalizar, o que significa este ano de aniversário para a empresa?

Com o nosso 25º aniversário estamos comemorando uma vitória. A vitória de ver o nome Dylan e os nossos produtos em todos os estados do Brasil. Como parte da comemoração criamos um cupom de desconto de R$ 25, exclusivo para impulsionar as vendas nas lojas físicas.