STJ: Políticos poderão usar músicas famosas como paródia sem pagar direitos autorais

STJ: Políticos poderão usar músicas famosas como paródia sem pagar direitos autorais

por 29/12/2019

STJ endossa que composições são livres para paródias e paráfrases, de acordo com o art. 47 da lei dos Direitos Autorais. E agora?

Tudo começou quando o  Deputado Tiririca usou a composição ‘O Portão’, de autoria de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, com alterações e sem autorização na campanha política para sua reeleição.

A EMI, gravadora e editora, propôs ação reparatória de danos materiais e o impedimento para não permitir a utilização da mesma, na qual sustentou ser titular dos direitos patrimoniais da composição.

Segundo o colegiado, a paródia é uma das limitações do direito de autor, com previsão no art. 47 da lei dos Direitos Autorais, que prevê serem livres as paráfrases e paródias que não forem verdadeiras reproduções da obra originária nem lhe implicarem descrédito. O problema aqui é quem julga o que é ‘descrédito’.

A Corte lembrou que, respeitadas essas condições, é desnecessária a autorização do titular da obra parodiada.

Veja o Processo

 

O problema

Se é permitida pela lei e o STJ endossou o que foi escrito, qual o problema? O problema maior é que a decisão abre precedente para o uso da harmonia, melodia para todos os fins e, de acordo com o texto do Relator Marco Aurélio Bellize explica: “A finalidade da paródia, se comercial, eleitoral, educativa, puramente artística ou qualquer outra, é indiferente para a caracterização de sua licitude e liberdade assegurada pela Lei n. 9.610/1998.

Para o Deputado Roberto Pessoa, Presidente da FREMÚSICA – Frente Parlamentar Suprapartidária em Defesa da Indústria da Música – “O STJ cometeu um erro ao não acompanhar a decisão do  20ª Câmara Extraordinária de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo. A paródia não comercial ou eleitoral é aceitável, entretanto, qualquer outro uso deve ser avaliado para que compositores não sejam prejudicados.”, explica o Presidente.

Leia também:

Propaganda política e as paródias

O Relator Marco Aurélio Bellizze explicou ainda que o recurso apresentado pela EMI busca definir a finalidade eleitoral dos versos apresentados pelo candidato Tiririca e juridicamente relevante para se comprovar o equivocado uso da paródia.

O relator publica: “Convém observar que, no mundo moderno, as propagandas são verdadeiras obras de arte, não se podendo ignorar a atividade criativa e inventiva que encerram, ainda que muitas vezes destinadas à promoção de produtos ou, no caso da eleitoral, de candidatos políticos.”

Segundo Bellizze, não há como afastar a incidência da regra do artigo 47 da Lei dos Direitos Autorais, já que a paródia não teve conteúdo ofensivo em relação a outros candidatos ou ao titular da música original.

Tiririca não terá de indenizar gravadora por paródia de música de Roberto Carlos (21.11.19)

Assim, o artigo 47 da Lei dos Direitos Autorais acabou sendo publicado de forma inocente e que agora se volta contra os próprios compositores e autores. A decisão do STJ amplia a visibilidade que a paródia pode ser utilizada sem pagamento para os compositores mesmo que para fins eleitorais ou comerciais. É uma palhaçada.

Você gostaria que sua música fosse utilizada por paródia por um político ou comercial? Comente.