Mercado internacional

Mercado internacional

por 23/09/2016

Veja aqui cinco dicas para ser bem-sucedido no processo de expandir seu negócio

Muita gente acha que atuar fora do País é apenas para grandes empresas. Poucos sabem que a exportação é acessível a toda e qualquer empresa, independentemente do tamanho. Claro que é necessária uma preparação, mas o processo de se preparar para atuar no mercado internacional acaba aprimorando o nosso negócio no mercado doméstico, tornando-o cada vez mais competitivo na briga com concorrentes internacionais. Quer saber como? Lá vai!

International-markets-900x-400 1. Escolha um mercado-alvo​

A tarefa de expandir a atuação de sua empresa, seja varejo ou indústria, para o mercado internacional pode parecer simples em determinado momento, mas não é. A pesar de a internet ser um ambiente sem fronteiras, a atuação comercial em termos internacionais é muito mais complexa que apenas inserir os seus produtos em um site. Escolher um ou dois países para atuar/atender é a melhor maneira de começar fazendo a coisa certa, pois, como veremos, cada país possui desafios distintos e é importante levar tudo isso em consideração. Durante o processo de escolha, é importante fazer as perguntas:

-Meu produto/serviço serve para aquele mercado?

-Tenho condições de suprir as necessidades dos clientes daquele país?

-Tenho um preço adequado?

-Tenho recursos financeiros e humanos para atuar/atender o referido país?

-Meu produto/serviço tem diferenciais?

A partir das respostas para essas questões, podemos fazer o dever de casa do segundo passo.

2. Conheça a cultura do país-alvo

Um dos erros mais comuns que encontramos em tentativas de atuar no exterior é a empresa, seja fabricante ou varejista, ignorar os traços culturais locais. Se você deseja vender, deixe-se envolver pelas necessidades de seus clientes e, principalmente, pela sua cultura. Não basta apenas traduzir as peças publicitárias e a comunicação que você desenvolve em seu mercado doméstico. Buscar conhecer os hábitos das pessoas do país em que deseja atuar e utilizar em suas peças publicitárias e comunicação pode ajudar a evitar gafes e, consequentemente, a realizar negócios. Por exemplo, se você utiliza azul-cobalto em seu logotipo ou gosta de usar apenas peças de roupas brancas e deseja atuar no mercado chinês, melhor rever as suas escolhas, pois as cores azul-cobalto e o branco estão relacionadas ao luto e aos cemitérios, devendo ser evitadas, inclusive na cor de embalagens e, especialmente, em embrulhos de presente.

Ritos como entregar o cartão de visita segurando com as duas mãos e virado de modo a que o seu interlocutor possa ler o seu nome são hábitos que podem abrir portas e facilitar a negociação.

3. Profissionalismo acima de tudo!

Já vimos que não basta traduzir as peças promocionais. É importante lembrar que material promocional não é apenas o folder ou um site bilingue. Correspondência, catálogos, cartão de visita, apresentação pessoal, padrão de atendimento telefônico, ações de responsabilidade social e ambiental, entre outras coisas, também são peças fundamentais para construir uma imagem positiva e, acima de tudo, profissional para clientes de outros países.

news_8110955Os importadores têm grande resistência em comprar de empresas de países não tradicionais no mercado internacional (que é o caso do Brasil). Isso exige que reforcemos sempre nosso profissionalismo e o respeito a acordos e prazos.

4. Saiba cobrar

Um dos grandes desafios na exportação é a dificuldade em confiar. Se você é comprador, fica sempre a dúvida se receberá os produtos solicitados. Se é o vendedor, se irá receber o pagamento caso venda a prazo ou em condições especiais. Além disso, precificar um produto da maneira errada pode gerar prejuízos. Afinal, US$ 50 preço FOB (Free on Board, em que o vendedor garante os custos da exportação até o embarque) é bem diferente de US$ 50 preço CIF (Cost, Insurance and Freight), em que o vendedor é responsável por bancar todos os custos de documentação, seguro e o frete até a porta do comprador.

Outro ponto que se deve levar em consideração é a forma de pagamento. As mais comuns são Pagamento Antecipado (Advance Payment), Cobrança Bancária (Collection), Documentária ou Limpa, Carta de Crédito (L/C, Letter of Credit) e Simples Remessa ou Pagamento Postecipado (Remmitance)

Existem modalidades mais complexas que vinculam a remessa dos documentos da operação ao pagamento, além de novas modalidades que surgiram graças à internet, como cartão de crédito internacional, cartão de débito, intermediadores de pagamento (ex.: PayPal, Google Wallet etc.) e vale-postal internacional (Correios).

5. Exporta Fácil

Se você é um pequeno comerciante e deseja, de forma prática, começar a atuar em outros países enviando pequenas encomendas, os Correios possuem uma boa opção para começar a atuar no exterior. O Exporta Fácil tem preço bastante competitivo, elimina a parte burocrática do Radar e a necessidade de lançar no Siscomex, bastando apenas preencher um formulário para enviar sua remessa ao exterior, além de atender mais de 200 países. Veja mais no site http://www2.correios.com.br/exportafacil/

Enfim, exportar pode não ser uma atividade simples. Atuar em outros mercados pode ter seus desafios, mas se o empreendedor se preparar e, especialmente, desejar expandir os seus negócios, conseguirá crescer de maneira consistente e evitará ficar refém da saúde do mercado doméstico. E aí? Quer começar a se preparar? Procure associações do seu segmento e a Apex-Brasil (http://www.apexbrasil.com.br/). Desejamos muito sucesso em sua jornada mercadológica!

Comentários