Entrevista: Luthier Roberto Reali por 15/04/2020

Conheça o trabalho do luthier Roberto Reali e suas guitarras e lap steels de produção artesanal.

Fundada pelo luthier Roberto Reali, egresso da conceituada B&H Escola de Luthieria e com formação em design de produtos, a Reali Guitars é uma empresa paulista que atua no segmento custom shop de fabricação de guitarras e lap steels. Todos os instrumentos são fabricados de maneira artesanal, apresentam design exclusivo, utilizam madeiras selecionadas e certificadas.

Para conhecer melhor a empresa e os produtos por ela oferecidos, conversamos com o Roberto, que nos contou detalhes sobre seu início na profissão de luthier, os diferenciais das guitarras Reali, a importância em desenvolver modelos com desenho original, dentre outros assuntos.

Roberto Reali durante sua participação na Music Show 2019

Como começou sua trajetória na luthieria?

Roberto Reali: Acredito que como a maioria dos luthieres, começou pela paixão pela música, e não foi diferente comigo. Por volta dos 11 anos, ganhei minha primeira guitarra, e por ter tido contato com ferramentas desde criança por causa de meu pai, em pouco tempo já estava desmontando e montando, vendo como funcionava. Aprendi a regular minha própria guitarra, e como maioria de meus amigos também tocavam algum instrumento, comecei a regular os deles também, e logo de amigos dos amigos. Além disso, queria possuir mais guitarras, mas com o alto preço e as poucas opções para canhotos como eu, decidi construir minhas próprias guitarras. Resolvi então fazer o curso da B&H Escola de Luthieria e não parei mais. Inicialmente como hobby modificando minhas guitarras e construindo pra mim mesmo. Mas a paixão acabou falando mais alto e resolvi me dedicar totalmente a luthieria montando minha oficina.

Quais são os diferenciais das guitarras Reali?

Roberto Reali: Minhas guitarras são 100% artesanais, sem o uso de CNC, são todas feitas unicamente por mim, utilizando basicamente as mesmas técnicas de luthieria de antigamente quando as coisas eram feitas à mão. São guitarras com um design próprio, o modelo atual, a RR1, é inspirado na Les Paul, porém com um toque mais moderno e contemporâneo. Também busquei criar um instrumento com personalidade própria, tanto no visual quanto no som. Uso o comprimento de escala um pouquinho mais longo que o da Les Paul para dar um brilho/agudo extra, o que confere um timbre mais único/exclusivo. Além disso, utilizo apenas madeiras nacionais selecionadas e certificadas, os braços são feitos de uma única peça com corte radial para melhor estabilidade, o ângulo do headstock e das cordas no nut em relação às tarraxas são menores para manter melhor a afinação. É importante mencionar que o cliente tem total liberdade de escolha em relação aos captadores e as peças que queira usar na guitarra, sendo possível também personalizá-las.

Falando um pouco sobre design de guitarras, qual é a importância de desenvolver modelos próprios e não ficar preso apenas ao formato da réplica?  

Roberto Reali: Sendo formado em design de produto, sempre quis criar novos modelos. Sou fã de todos os modelos clássicos e são neles que me inspiro, mas já existem muitos e com qualidade sendo feitos por aqui. Como designer, valorizo novas ideias, novos desenhos, algo mais exclusivo. Não acredito no certo ou errado, e sim no diferente, feito sob medida. Quanto mais opções e modelos existirem mais escolha teremos.

Você participou da última edição da Music Show (feira de instrumentos musicais e áudio), certo? Conte-nos como foi sua experiência.

Roberto Reali: Foi uma experiência ótima, a primeira exposição de que participei. É muito importante o contato direto do público com os expositores, podendo ver de perto seus produtos, com liberdade para testar e tirar qualquer dúvida diretamente com o fabricante ou construtor. Boa parte do público não conhecia meu trabalho e foi gratificante essa oportunidade de mostrar um pouco do que faço e ter tido uma ótima aceitação. Outro ponto muito legal foi conhecer pessoalmente outros expositores, não apenas os luthieres, mas também os fabricantes de captadores, pedais, pedalboard, amplificadores, hardware etc. Foi uma oportunidade que abriu portas para futuras parcerias.

Existem dificuldades em todas as profissões. Em sua opinião, quais são os maiores problemas enfrentados pelo luthier que atua no mercado brasileiro? 

Roberto Reali: A maior dificuldade que tive foi montar minha oficina, ainda que pequena. Levei um tempo adquirindo todo equipamento e hoje faço toda a construção em meu local, que nunca ficará pronta, pois sempre estarei em busca de melhorias como: maquinário, ferramentas, pinturas, espaço…

Quais conselhos você daria para quem está cogitando trabalhar com luthieria? 

Roberto Reali: Ah, cara… Pra ser sincero, acho que não escolhemos trabalhar com luthieria, ela que nos escolhe. Fazemos isso porque amamos música e instrumentos. O que aconselho é fazer um trabalho bem feito, com dedicação. Buscar sempre saber mais, estudar, ter persistência e paciência, aprender com seus erros e acertos, e principalmente acreditar no que faz.

Quais são os seus planos para 2020? 

Roberto Reali: Pretendo apenas continuar construindo guitarras e lap steel, cada vez mais e melhores. De novidade, quero construir uma versão semiacústica de meu modelo. Quem sabe uma versão 12 cordas também, que é algo que já tenho em mente há um tempo.

Mais informações no Facebook e no Instagram da Reali Guitars.

 

*Autor: Álvaro Silva, apaixonado por música, guitarra e luteria. Criador do blog Guitarras Made In BraSil, espaço dedicado à divulgação dos trabalhos de profissionais brasileiros que produzem guitarras, contrabaixos e violões custom shop.