Retrospectiva do 75º aniversário da AKG: Microfones Série C, a evolução de um ícone de estúdio

Desde que a AKG foi fundada, há 75 anos, desenvolveu milhares de produtos de áudio para profissionais e consumidores – de alto-falantes a fones de ouvido, cartuchos de fonógrafo, buzinas de carro, interfones, cápsulas de telefone e “alto-falantes almofadados”. (Sim, alto-falantes que ficavam dentro de travesseiros eram moda, antigamente.) Mas a empresa é mais famosos por seus microfones.

Os microfones AKG capturaram algumas das vozes mais icônicas da música, de Frank Sinatra a David Bowie e Kanye West. Os lendários produtores George Martin e Quincy Jones tinham adoração pelos seus microfones AKG. Os microfones AKG foram usados no palco do show Shea Stadium dos Beatles em 1965, e as tecnologias AKG entraram em órbita a bordo da estação espacial MIR. Em 2010, a AKG recebeu um Grammy Award por “contribuições para a arte e ciência da gravação e performance musical através da inovação e excelência no design de produtos”.

AKG produziu centenas de microfones ao longo das décadas, incluindo microfones dinâmicos, microfones condensadores, microfones USB e microfones sem fio. Fez até microfones subaquáticos e um microfone com reverb de mola embutido. Mas seus microfones da Série C realmente mudaram o cenário do estúdio. E tudo começou com o AKG C12.

C12: Abrindo novos caminhos

A história do C12 realmente começa com o C1, o primeiro microfone condensador com válvula da AKG. Apenas seis microfones C1 foram construídos, mas seu design levou ao desenvolvimento da lendária cápsula CK12, um marco na tecnologia de transdutores, e o primeiro a oferecer resposta de frequência constante e sensibilidade para todos os padrões polares.

Em 1953, lançaram o lendário C12, o primeiro microfone condensador de diafragma grande com padrão polar selecionável. O coração do som do C12 é sua cápsula CK12, que utiliza um design de placa traseira dupla que oferece sensibilidade consistente no eixo quando o padrão polar é alternado. A cápsula combinou a abordagem de placa traseira dupla com dois diafragmas de 10 mícrons. (Mais tarde, a cápsula CK-12 foi atualizada para cápsulas Mylar de 6 mícrons.)

O C12 foi projetado em parceria com a RAVAG, a rede nacional de rádio austríaca. “Eles estavam procurando um microfone ‘tão fino quanto uma caneta'”, disse o designer Konrad Wolf na época. “Ninguém foi capaz de fazer isso… mas de qualquer forma, criamos uma forma cilíndrica e esbelta para o C12.”

O microfone tornou-se um best-seller internacional, reverenciado por sua resposta suave e natural, aliada á sua capacidade de alterar os padrões polares – sem ruído – de sua fonte de alimentação. O C12 oferecia nove padrões polares: padrões cardioide básico, omnidirecional e figura 8 e seis padrões intermediários, incluindo hipercardioide.

Notoriamente, versões do C12 foram criadas para Siemens e Telefunken, incluindo o Telefunken Ela M 250 e M 251. Uma versão estéreo do C12, o C24, foi criado em 1959 combinando duas cápsulas idênticas que podiam ser giradas para variar a perspectiva estéreo.

O C12 rapidamente se tornou uma referência nos principais estúdios do mundo

O C12 foi um microfone maravilhoso”, disse o produtor dos Beatles, George Martin. “Era muito sensível e podia captar coisas com grande clareza a uma certa distância… era um microfone muito ‘quente’, como diriam os Americanos.”

O C12 capturou com excelência a interpretação do tenor Vince Gill em seu tributo ao bluegrass, vencedora do Grammy, “High Lonesome Sound”. “Ele tem um registro alto”, disse o engenheiro Chuck Ainlay à revista Mix, “mas ele tem uma voz calorosa, que é o que o torna especial, eu acho. O C12 era o microfone ideal, porque tiraria o ar da voz dele.”

Mas o uso mais famoso do C12 pode ser a gravação de 1985 de “We Are the World” no A&M Studios: o produtor Quincy Jones organizou 21 C12 em uma configuração em forma de U para capturar as mais de quatro dúzias de cantores celebridades na sessão, incluindo Bob Dylan, Stevie Wonder, Michael Jackson, Tina Turner e Bruce Springsteen. Jones havia planejado gravar os solos dos artistas um de cada vez, mas quando o tempo acabou, ele mudou para seu plano de backup. “Agarrar esse tipo de risco é como correr pelo inferno com gavetas de gasolina”, disse ele à Rolling Stone. “Qualquer conversa ou ruídos externos, risadas, risadinhas, até mesmo um rangido no chão, pode arruinar tudo.” Colocando os 21 microfones em formação, Jones fez os artistas se apresentarem lado a lado, cada um avançando para cantar solos.

O C12 deu origem ao microfone estéreo C24, ao C412, ao C414 e a mais de uma dúzia de variações do 414, juntamente com versões para Siemens e Telefunken, incluindo o Telefunken Ela M 250 e M 251.

O C12 original é considerado por renomados produtores e engenheiros como o Santo Graal dos condensadores valvulados. C12s vintage são muito valorizados até hoje, embora os modelos originais sejam extremamente raros e possam custar mais de US $ 15.000 – isso se você conseguir colocar as mãos em um deles.

C414: Indo para o estado sólido

O AKG C414 original foi lançado em 1971. Ele apresentava a cápsula CK12 e o design elétrico do C412, uma versão inicial transistorizada do microfone valvulado AKG C12A; com acréscimo de um padrão de captação hipercardióide. Ao longo de sua vida útil de 50 anos, o 414 passou a ser amplamente apreciado como um microfone versátil para uma ampla gama de aplicações, de vocais a bateria, instrumentos de sopro e violão.

O lendário engenheiro Al Schmitt era um fã do C414, utilizava nos tons em sua configuração de microfone de bateria (Outros favoritos da AKG incluíam C452, D12 e D112 colocados em todo o kit, com um par combinado de C12 como overheads)

Billy Idol diz que sempre cantou em um AKG 414: “Nós experimentamos com outros, mas sempre voltamos ao 414. Você pode se movimentar muito enquanto o usa, e acho que com meu alcance vocal posso obter muitos sons dele. Às vezes minha voz soa turva no estúdio, e a única coisa que pode clarear é o 414.”

Cantora e compositora Bianca com o AKG C414 XLII

O C414 já viu mais de uma dúzia de versões, distinguidas principalmente por suas cápsulas. As primeiras versões apresentavam o CK12 original; a variante C414 EB foi talvez a mais universal, tornando-se um item básico nos principais estúdios do mundo.

Bruce Swedien, o famoso engenheiro por trás de Thriller de Michael Jackson, disse à revista Sound on Sound que o C414 EB estava entre seus “bens preciosos”: “Minha primeira aplicação seria para primeiro e segundo violinos. É realmente um ótimo microfone para a abordagem clássica para uma seção de cordas. Ouça isso no primeiro e segundo violinos em ‘Billie Jean’ de Michael Jackson.”

Em 1986, o produtor do Queen, Reinhold Mack, usou 414 EB para capturar a voz de Freddie Mercury para as harmonias vocais em camadas de “One Vision”.

C414 XLS e C414XLII: Clássicos modernos

Hoje, a empresa se orgulha de oferecer o AKG C414 XLS e C414 XLII, que carregam o legado da Série C adiante em seus modelos mais versáteis até agora.

Esses microfones condensadores multipadrão são verdadeiros multitarefas de estúdio, oferecendo uma variedade de padrões polares, highpass filters e pads que permitem capturar qualquer fonte de som, desde as cordas mais suaves até os monstruosos gabinetes dos amplificadores de guitarra com clareza brilhante. A diferença está em suas cápsulas:

O microfone condensador de referência multipadrão C414 XLII oferece um boost de presença e uma reprodução espacial impressionante, semelhante ao original AKG C12 , oferecendo capturas impressionantes de vocais e instrumentos solo. O C414 XLII possui nove padrões polares e oferece três filtros de corte de graves e três níveis de atenuação para captar qualquer coisa, desde próximo ao instrumento com fontes de até 158 dB SPLs. Um LED de retenção de pico exibe até os picos de sobrecarga mais curtos. Para aplicações de som ao vivo e instalações permanentes, todos os controles podem ser desativados facilmente.

O microfone condensador de referência multipadrões C414 XLS mantém o caráter sonoro do lendário C414 B-ULS e apresenta a mesma cápsula do icônico C414 B-ULS, para uma resposta transparente. Projetado para a mais alta neutralidade e linearidade, o C414 XLS captura gravações primorosamente detalhadas de vocais e instrumentos acústicos. O C414 XLS oferece uma escolha de nove padrões polares, com três filtros de corte de graves selecionáveis e três configurações de atenuação, além de LED de retenção de pico e controles desativáveis para uso ao vivo.

C214: Som icônico, simplificado

Para aqueles que procuram uma entrada acessível na Série C, o microfone condensador de diafragma grande C214 é uma alternativa econômica ao C414. O C214 captura o som combinando uma cápsula do lendário sistema de cápsula dupla C414 e a tecnologia patenteada AKG Back-Plate, além de oferecer um filtro de corte de graves e um pad selecionável de 20 dB, que permite a gravação de fontes de até 156 dB SPL.

C12VR: O Santo Graal moderno

O C12VR é a versão contemporânea do C12, utiliza a válvula original 6072A e o design de diafragma duplo, incorpora uma cápsula atualizada CK12 e componentes de última geração para menor ruído e distorção e operação confiável. E, claro, aquele som icônico do C12 que certamente fará alguma mágica de estúdio.

Pronto para elevar sua próxima gravação com o som icônico dos microfones AKG? Explore o extenso portfólio de produtos da marca em www.akg.com 

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Música & Mercado
Logo
Registrar Nova Conta
Comparar itens
  • Compare Guitarras (0)
Comparar