5 dicas para quem quer começar a empreender nos marketplaces

5 dicas para quem quer começar a empreender nos marketplaces

por 20/07/2020

Controle de estoque, emissão de nota fiscal e até gerenciamento de dados são dicas para cuidar da gestão no marketplace.

Já sabemos que os marketplaces são sites para compra e venda de produtos que funcionam muito bem para empreendedores e negócios que estão em fase inicial e com poucos recursos. Isso porque no geral as plataformas são grandes empresas que investem em marketing, em estrutura e tem mais visibilidade. Ao se tornar parceiro dessas empresas as chances de crescimento aumentam consideravelmente.

Estudo recente da PricewaterhouseCoopers mostra que 96% dos brasileiros – que têm acesso a internet – usaram marketplaces nos últimos três meses e 41% pretendem aumentar as compras nos próximos 12 meses. O crescimento é um do mais altos comparado a outros canais. Para o empreendedor é uma nova oportunidade, já para o comprador é uma nova modalidade. 

Veja 5 dicas para você vender mais neste novo canal

  • Controle informações em tempo real: uma das grandes dificuldades encontradas por quem vende em diversos canais, é o fato de ter que entrar em várias plataformas de gestão. Para quem está começando a vender no mundo virtual, uma dica para conseguir análises distintas, de diferentes plataformas, é apostar em ferramentas de gestão. Elas unificam todas as informações da loja, ajudando a organizar o fluxo de caixa, emissão de notas e até o gerenciamento da logística.
  • Automatize o controle de estoque: a principal premissa do comércio eletrônico é garantir que o que foi vendido será entregue de forma rápida e dentro do prazo. Ao controlar de forma unificada o estoque em múltiplos canais de venda, você evita que o mesmo produto seja vendido ao mesmo tempo em sua loja virtual e no marketplace, por exemplo, garantindo melhor atendimento ao cliente, sem furos de estoque nem demora na entrega dos pedidos aos consumidores.
  • Gerencie o financeiro: uma vez que a empresa esteja com o financeiro em dia, o empreendedor consegue identificar se está tendo o retorno esperado. Também garante que não haverá falta de recursos no caixa para reposição de produtos, por exemplo. E isso inclui contas a pagar e a receber, fluxo de caixa, demais faturas e boletos.
  • Busque a melhor solução em logística: segundo dados do Ebit|Nielsen, o comércio eletrônico cresceu 16,3% em 2019, e o número de pedidos cresceu de 122,7 milhões para 148,4 milhões de encomendas. Porém, a logística ainda é um fator preocupante para as empresas que vendem pela internet. De acordo com o estudo feito pela Abcomm, o frete responde por 58% dos gastos, seguidos pela armazenagem (21,5%) e manuseio (20,5%).

Em um momento no qual os consumidores têm pressa para a entrega de produtos, é cada vez mais importante escolher parceiros certos e usar a tecnologia a seu favor. Já existem no mercado diversas empresas – além dos Correios – que podem ajudar a melhorar a logística do seu e-commerce. Utilizando o sistema de gestão integrado, como o Bling, é possível ter controle do fluxo logístico do seu negócio, coordenando todas as tarefas de forma organizada e sincronizada, desde a cotação de frete até a distribuição para o consumidor final.

  • Utilize um ERP para gerenciamento de dados: gerenciar uma loja em diferentes marketplaces exige muita dedicação. Cadastrar preços, clientes e fornecedores, subir imagens dos produtos, organizar o estoque, além de emitir a nota fiscal das vendas e configurar todas as informações nas diferentes plataformas é uma das partes mais complexas da gestão.

“O empreendedor precisa entender que hoje em dia o tempo é muito mais valioso do que era a 10 anos atrás, ao realizar multi tarefas manuais ele deixa de ganhar tempo para realizar novas estratégias para o negócio. É por isso que gerenciar a loja virtual com o Bling se tornou tão importante para muitas pessoas, já são milhares de clientes que perceberam que o trabalho se tornou mais produtivo e assertivo, melhorando a performance desde o cadastro dos produtos até a parte logística e financeira,” finaliza o diretor de marketing do Bling, Sidney Zynger.