SPL e Watts, o que são e como podem ajudar no seu trabalho

SPL e Watts: Avaliando a potência das caixas acústicas para prever o desempenho com mais precisão.

Escolher uma caixa acústica para uma aplicação pode ser um desafio. Há muitos fatores que podem contribuir e alterar o desempenho previsto. Como os alto-falantes se comportarão ao longo do tempo? Como o desempenho deles se traduz nos níveis de volume? Quão bem eles lidam com os altos picos sonoros? Até onde você pode realmente empurrá-los?

Seria ótimo poder ouvir as caixas acústicas em uma situação do mundo real, mas isso nem sempre é prático. Portanto, ficamos contando com as especificações para fornecer informações sobre o potencial de desempenho de um sistema. Enquanto uma folha de especificações é um ótimo ponto de partida, para realmente entender o desempenho de uma caixa acústica, muitas vezes temos que cavar um pouco mais fundo.

Os fabricantes de caixas acústicas sabem que os clientes estão baseando as decisões de compra nesta especificação, por isso é comum que eles exagerem nas classificações de potência. Uma especificação de potência é um bom indicador de como o sistema funcionará; ele lhe dirá o quão alto o sistema irá tocar, o que, por sua vez, pode lhe dar uma ideia do tamanho de um espaço que ele pode cobrir e para quantas pessoas você pode sonorizar. Mas se os componentes dessa caixa acústica não operarem com eficiência, ele não fornecerá SPLs altos. E no final das contas, esse é o ponto que vai fazer toda a diferença.

Assim como você não julgaria o desempenho de um carro de Fórmula 1 por quantos quilômetros ele faz com um litro de combustível, você nunca deve julgar uma caixa acústica apenas em watts. Vamos olhar além das classificações de potência para entender o que realmente está acontecendo.

Entendendo os SPLs

A relação entre watts e decibéis é interessante para discutir. Vamos começar com a medição básica do som. Usamos o termo “decibel” o tempo todo quando falamos sobre som. Mas afinal, o que é um decibel? Você pode se surpreender ao saber que um decibel não é uma medida absoluta de nada; na verdade é uma medida relativa, uma proporção – tecnicamente, é um décimo de Bel (o que é outra história).

Os decibéis são comumente medidos em nível de pressão sonora (SPL), que é a pressão efetiva de um som em relação ao limiar da audição humana, referenciado como 0 dB. Assim, por exemplo, 80 dB SPL significa 80 decibéis acima de 0 dB. Como a audição humana não é linear, os decibéis são medidos em uma escala logarítmica, que, em termos muito simples, aumenta em ordens de magnitude, versus os incrementos iguais de uma escala linear. Isso significa que quanto maior o aumento em decibéis, mais dramático o aumento no “volume”: é geralmente aceito “na média” que um ouvinte intérprete um aumento em 3 dB como a menor mudança perceptível – mas um aumento em 10 dB é psicoacústicamente percebido como sendo o dobro da intensidade.

Agora vamos ver como a potência influencia o volume. Watts medem a potência elétrica e a saída de um amplificador é medida em watts. As classificações em watts dos alto-falantes são apresentadas de duas maneiras: RMS – a quantidade de potência que um amplificador de potência pode produzir continuamente por longos períodos, também chamada de potência contínua; e potência de pico, que mede a capacidade de potência em rajadas (picos). Você pode ver por que uma forte medição de potência de pico pode fazer que um alto-falante pareça mais robusto, mas, na realidade, uma classificação RMS é um reflexo melhor do verdadeiro desempenho de um alto-falante ao longo do tempo.

Você também deve estar ciente de que dobrar a potência do amplificador não duplica o volume; na verdade só aumenta o som em 3 dB. Para dobrar o volume percebido, você precisará de um aumento de dez vezes na potência. Então, por que não apenas carregar em potência? É mais inteligente se concentrar na sensibilidade, que mede a eficiência com que seu alto-falante transforma essa potência em som, para obter uma imagem real do potencial de volume do seu sistema.

A Importância da Sensibilidade

A sensibilidade mede a eficiência de um alto-falante na conversão de energia elétrica em energia acústica; quanto maior o número, mais eficiente o alto-falante. Um alto-falante com uma classificação de sensibilidade de 90 dB @ 1W/1m, por exemplo, produzirá 90 dB com um watt de potência, medido a 1 metro. Pronto para essa matemática?

Digamos que o alto-falante acima tenha 100 watts. Dado o que sabemos sobre a relação entre watts e SPLs, isso significa:

1 watt produzirá 90 dB

2 watts (o dobro da potência) produzirá 93 dB (aumento de volume perceptível)

10 watts (10X a potência) produzirá 100 dB (Percepção de dobro do volume).

Continuando esse padrão, maximizar este alto-falante em 100 watts produziria 110 dB SPL.

Agora, e se esse alto-falante tivesse a mesma classificação de 100W, mas aumentamos a classificação de sensibilidade para 100 dB @ 1W/1m? Vamos ver como os números mudam:

1 watt produzirá 100 dB

2 watts (duas vezes a potência) produzirá 103 dB (aumento de volume perceptível)

10 watts (10x a potência) produzirá 110 dB (Percepção de dobro do volume)

Maximizar este alto-falante em 100 watts produziria 120 dB SPL – que é o dobro do volume percebido do primeiro exemplo, com a mesma potência. Então, você pode ver por que os watts não são tudo.

Muitos fatores de design influenciam a eficiência de um alto-falante. Na JBL, por exemplo, desenvolvemos transdutores extremamente eficientes que podem fornecer SPLs mais altos com menos watts.

Nossa tecnologia de alto-falantes e drivers, são pensando em como trabalhar com maior eficiência e a forma mais eficaz de remover o calor com mais eficiência, o que reduz a compressão de potência, que acontece quando a bobina aquece e sua resistência aumenta. E incluímos limitadores avançados que permitem que você force nossos sistemas com mais força sem distorção ou danos.

Mantendo as coisas em perspectiva

Quando se trata de entender as especificações das caixas acústicas, há muito o que absorver. Mas o importante é sempre interpretar as especificações de olho no quadro geral e lembrar que números impressionantes nem sempre se traduzem em números utilizáveis no contexto de outras especificações. Por exemplo, você terá uma experiência melhor com uma caixa acústica com classificação de SPL máxima de 130 dB que atinge até 40 Hz na saída de pico do que uma caixa acústica com classificação de 135 dB que só pode reproduzir até 60 Hz na saída de pico.

No final das contas, a qualidade do som é sua referência final, e seus ouvidos são o melhor juiz. Concentre-se na escuta crítica, com avaliação cuidadosa de todas as especificações, e você poderá tomar uma decisão confiante e selecionar um sistema adequado para você ou para seu cliente.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe seu Comentário

Música & Mercado
Logo
Registrar Nova Conta
[arm_social_login]
Redefinir Senha
Comparar itens
  • Compare Guitarras (0)
Comparar