Reverb 101: Como obter sons do tamanho de uma catedral em pequenos espaços

Vamos contar um pequeno segredo: as gravações são ilusões, truques de áudio, capturando momentos únicos no tempo, recriando-os e reformulando-os para que possam ser usados inúmeras vezes.

Hoje em dia, artistas e engenheiros em Home Studio têm infinitas ferramentas para realizar gravações com efeitos naturais e criados.  O Reverb é um ótimo exemplo, usado para criar uma sensação de espaço, adicionar efeitos musicalmente sutis e criar largura, profundidade e coesão em uma mixagem. A reverberação pode ser incorporada naturalmente, capturando artistas em um espaço reverberante (como uma orquestra em uma sala de concertos, um coral em uma igreja – ou, como o Led Zeppelin ficou famoso em “When the Levee Breaks”, com um baterista tocando em uma escada); ou artificialmente, aplicando processadores de reverb durante a gravação e mixagem.

Com tantos plug-ins e efeitos de reverb à sua disposição, é fácil entrar em um labirinto, caçando e experimentando presets a procura do som ideal. Você pode eliminar algumas dessas suposições aprendendo como os reverbs funcionam e o que acontece quando você ajusta seus parâmetros.

O que é reverb, afinal?

O reverb é a reflexão do som em um ambiente acústico. O caráter do reverb é definido pelo número, densidade, tom e duração das reflexões sônicas (ecos), que são influenciadas pelo tamanho, forma e superfícies de um espaço que refletem e absorvem o som.

Por centenas de anos, as salas de concerto foram valorizadas por suas características reverberantes que complementavam as apresentações musicais, e os lendários estúdios de gravação eram procurados por sua acústica única.

Os processadores de reverb aprimoram as gravações desde a década de 1940. Os primeiros reverbs eletromecânicos abrigavam enormes placas de metal ou molas que eram excitadas por vibrações sonoras; outros estilos contavam com ecos de fita magnética.

Os reverbs digitais existem desde a década de 1970; quando a Lexicon lançou o lendário modelo 224 em 1978, por US$ 7.500 por dois programas, era a unidade mais acessível do mercado e mudou o jogo do estúdio. O 480L, lançado em 1986, rapidamente se tornou o padrão ouro em reverb, definindo o som dos discos pop nas próximas décadas. 

Percorremos um longo caminho desde então. Hoje, um Home Studio pode oferecer a mesma lendária tecnologia de reverb em forma de software, da mesma forma que uma ampla gama de modelos de mixer da Soundcraft e caixas portáteis da JBL estão equipados com efeitos Lexicon.

Os blocos de construção do reverb

Um efeito de reverb aprimora o som introduzindo uma série de complexas reflexões, replicando a maneira como o som se comportaria em um ambiente acústico. O número, intensidade, conteúdo de frequência, densidade e duração dessas reflexões dão a cada reverb seu caráter único.

Um perfil de reverb começa com um predelay, o tempo entre o início do som direto e o refletido. (Quanto maior a sala, maior o predelay.) Early reflections são as primeiras reflexões que chegam de volta ao ouvinte (ou microfone) depois de ricochetear nas paredes, tetos, pisos e outras superfícies. No corpo do reverb, às vezes chamado de campo reverberante, os reflexos se multiplicam e exibem padrões mais difusos e complexos, à medida que saltam em um espaço. O decay de um reverb, ou cauda, é sua atenuação para silenciá-lo. O tempo de reverberação é definido como RT60, o tempo que leva para o som inicial reduzir 60 decibéis (dB) em volume. Tempos de RT mais curtos parecem mais firmes e próximos (pense em folk ou jazz), enquanto tempos de RT mais longos soam maiores e mais teatrais (pense em Power ballads). Todos esses elementos estão disponíveis como parâmetros de efeito de reverb padrão e ajustáveis com valores que variam de milissegundos a muitos segundos.

Escolhendo o efeito certo

Os reverbs variam de efeitos de som natural projetados para evocar espaços acústicos reais a efeitos especiais que imitam processadores clássicos ou criam sons de outro mundo que nunca existiriam no mundo real. Vamos explorar as opções mais comuns.

Chamber:  Historicamente, para controlar a reverberação natural, os estúdios de gravação costumavam construir câmaras altamente reverberantes onde podiam amplificar sons e capturar os efeitos de reverberação na sala com um microfone. Essas câmaras foram usadas extensivamente em discos clássicos de soul e rock: as câmaras abaixo do Abbey Road foram usadas na maioria das gravações dos Beatles, e as oito câmaras subterrâneas do Capitol Studios podem ser ouvidas em álbuns de artistas que vão de Frank Sinatra aos Beach Boys. Os efeitos de câmara emulam as propriedades dessas salas altamente refletivas e são caracterizados por um rápido acúmulo de densidade de reverberação com caudas de decaimento aleatórias. Os efeitos de câmara soam exuberantes como Hall Reverbs, mas tendem a fornecer mais clareza; eles são frequentemente usados em vocais, cordas ou violão, ou para criar sons de bateria “grandes”.

Hall: Os efeitos Hall recriam as características de grandes espaços acústicos. Alguns Halls são espaços genéricos, como arenas; os efeitos do Concert Hall recriam espaços projetados especificamente para apresentações musicais. Os reverbs Hall são caracterizados por um lento acúmulo de reflexão inicial e tempos de reverberação, muitas vezes atingindo vários segundos. Alguns efeitos do Concert Hall são projetados para soar com tom uniforme, enquanto outros aprimoram as baixas frequências, o que caracteriza um espaço grandioso e vivo. Os efeitos Concert Hall são perfeitos para aprimorar gravações orquestrais e dar corpo a instrumentos de cordas e sintetizadores de pad (popular cama) – mas o uso excessivo pode fazer sua mixagem perder a definição e soar abafada e sem brilho, portanto, certifique-se de ouvir os efeitos Hall no contexto de sua mixagem completa, em vez de isoladamente.

Room: Os efeitos room variam muito, mas geralmente simulam espaços acústicos menores do que os hall, espaços que foram projetados para praticidade versus performance musical. Suas características são um rápido acúmulo de reflexões iniciais, tempos de decaimento curtos com pouca ou nenhuma cauda e ressonâncias e outras colorações encontradas nesses espaços. Os efeitos room tendem a ser mais sutis do que outros efeitos e podem dar à sua gravação uma sensação natural e pessoal – algo que você pode estar buscando com um cantor/compositor, instrumentos acústicos ou gêneros como folk e jazz. Os algoritmos da Lexicon para room simulam espaços que variam de cubículos a salas de formato irregular, que também são ótimos para design de som de filmes e efeitos especiais.

Plate: Os efeitos de plate imitam o comportamento dos primeiros reverbs de placa. Eles soam compactos e suaves, com uma qualidade brilhante e levemente metálica. Um perfil de placa metálica não tem reflexões iniciais, possui uma difusão inicial alta e rápida seguida por um decaimento brilhante. Os efeitos plate recriam os amortecedores usados para silenciar as vibrações dos modelos originais, amortecendo as altas frequências com tempo de decaimento mais curtos, o que aumenta seu efeito característico de volume. O plate é uma estrela na bateria, piano e violão (tente trazer os agudos aplicando um filtro passa-altas) e brilham nos vocais sem sugerir um espaço acústico específico ou fazer um cantor soar muito distante na mixagem. O algoritmo Vintage Plate da Lexicon possui atrasos esquerdo e direito que podem ser usados para criar efeitos de eco e podem sincronizar o tempo de atraso com o andamento.

Reverb na mixagem

O reverb é usado tanto para aprimoramento natural quanto para efeitos especiais. Antes de adicionar reverb, pense um pouco em como você quer que sua mixagem soe. O gênero em que você está trabalhando provavelmente sinalizará escolhas baseadas em estilos. Música clássica, jazz e outras músicas acústicas tendem a exigir um tratamento mais natural, enquanto o reverb presente e teatral está na casa do pop e rock.

Você está indo para o realismo ou grande drama? Emular uma sala de pequeno a médio porte adicionará vivacidade sem confundir a mix. (Pode ajudar imaginar o espaço onde você irá experimentar o desempenho.) Você quer enfatizar ou não os elementos da mixagem? Sons menos reverberantes (“secos”) parecem mais próximos, enquanto sons mais reverberantes (“molhados”) parecem mais distantes.

Considere o andamento da sua música: geralmente, quanto mais rápida ou ritmicamente complexa for a música, menor será o tempo de reverberação, para maior clareza. Tempos mais lentos e sustains longos tendem a resistir melhor a reverbs maiores e mais longos

O reverb pode superar algumas das limitações da gravação em casa criando o “som” de ambientes acústicos melhores. (Aproxime o microfone de suas fontes de som para não enfatizar o som da sala em espaços imperfeitos.) Gravando uma colaboração musical remota? O reverb pode tornar sua mixagem coesa, como se todos os músicos estivessem tocando no mesmo espaço.

Lembre-se de que um efeito de áudio soa muito diferente quando você o ouve aplicado a uma faixa individual em vez de ouvir essa faixa na mixagem. Um efeito de reverberação teatral pode soar lindo em vocais solos, por exemplo, mas esses vocais podem soar obscuros ou confusos quando são sobrepostos a outros elementos de mixagem. Sempre tome decisões de reverb no contexto geral de sua mixagem.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe seu Comentário

Música & Mercado
Logo
Registrar Nova Conta
[arm_social_login]
Redefinir Senha
Comparar itens
  • Compare Guitarras (0)
Comparar