Produtos e assistência técnica na Sputnik Magazine

Produtos e assistência técnica na Sputnik Magazine

por 30/07/2018

A Sputnik conta com duas lojas no interior de São Paulo mais a venda on-line, que lhe permite vender para todo o Brasil. Paixão e comprometimento com o cliente descrevem o trabalho diário.

Pedro Ormelezi, proprietário da Sputnik Magazine, começou sua carreira há 12 anos, trabalhando com revenda de instrumentos Captura de pantalla a lasmusicais usados. Conforme foi aumentando a procura, percebeu que a loja precisava ter instrumentos musicais novos. Então logo viu que precisaria contatar empresas distribuidoras de marcas mundiais para ampliar sua oferta de produtos. A primeira empresa a estender-lhe a mão foi a Sonotec, com a qual fez uma excelente parceria.

A loja Sputnik Magazine fica em Jaú, no interior do Estado de São Paulo. Pedro dirige o negócio há 12 anos, mas antes era do seu pai. “A loja completaria 40 anos. A escolha do nome — Sputnik — foi em homenagem ao primeiro satélite artificial criado pelos russos. Meu pai se encantou com o acontecimento e resolveu colocar o nome do satélite na loja. Por outro lado, a escolha do local foi bem acertada, por ficar bem no centro da cidade, na principal rua de Jaú”, contou.

Mas a Sputnik Magazine tem ainda outra loja, que foi inaugurada há seis anos, em Pederneiras, também no interior paulista.

Crescimento

Em todos esses anos, a empresa certamente tem evoluído muito bem, em especial graças à paixão do Pedro: “Invisto cada vez mais no meu trabalho e procuro sempre estar por dentro das novidades e do que há de melhor no mercado. Além de trabalhar com instrumentos musicais e acessórios de várias marcas, trabalho também com celulares e variados acessórios eletrônicos”.

Ampliando o alcance das suas vendas, a Sputnik conta com uma loja on-line há aproximadamente quatro anos. “Mas foi somente há uns dois anos que comecei a colher resultados positivos. Foi desenvolvida com muita dedicação e esforço, e valeu a pena, pois hoje a loja tem o merecido respeito dos clientes que utilizam o mercado virtual”, disse.

Devido a isso, não só conseguem atender a clientela local e aos clientes que moram em cidades vizinhas, como realizam vendas para todo o Brasil.

Marcas disponíveis

A fim de atender o público em todos os gostos e demandas, a loja trabalha com multimarcas. “Temos uma variedade de pronta entrega de muitas marcas e também trabalhamos sob encomenda”, contou Pedro. “Na Sputnik Magazine, dificilmente um cliente não acha o que ele quer. Pode ser que seja devido à quantidade de opções — de produtos e de marcas — que oferecemos. Mas os produtos que mais temos vendido na loja são os violões.”

Nessa variedade, a loja trabalha com as principais marcas nacionais. “Comparar as marcas nacionais com as importadas é um pouco difícil. Tem marcas nacionais muito boas, que oferecem produtos melhores que as importadas; e tem marcas internacionais que superam em qualidade as nacionais. É uma disputa constante. Cada marca e cada produto tem o seu ‘quê’ que o faz ser mais comercial.”

Captura de pantalla a lasExperiência técnica

Com assistência técnica própria, na Sputnik Magazine dificilmente um cliente sai sem ver o seu problema resolvido. Pedro lembra: “Fui criado dentro da loja. Cresci obtendo muitas informações de áudio, informações técnicas sobre os instrumentos. Sou um luthier que é dono da loja. A experiência vem desde a minha infância. Além de fazer isso como trabalho, é uma das coisas de que mais gosto na vida pessoal. Para mim, é mais do que um simples trabalho. Então é, sobretudo, o amor pela loja. Acho que os nossos diferenciais são a qualidade, o atendimento, a honestidade e a solução de problemas. Todos na loja trabalham com muito amor e carinho, porque compreendemos que essa é base do nosso negócio”.

Seguindo com essa herança, Pedro pensa em continuar trabalhando honestamente e sempre se atualizando em favor do cliente. “Quero mostrar ao cliente, cada vez mais, que o lugar certo para ele vir comprar um produto, e onde ele encontrará informações técnicas seguras — além de um bom atendimento — é na nossa loja.”

“O comércio musical no Brasil, infelizmente, segue a passos lentos. Está faltando incentivo cultural em nosso país. Só existe uma boa fatia de venda de instrumentos musicais por conta das igrejas. Elas são hoje os nossos maiores clientes, embora a música sertaneja também faça sua contribuição no comércio musical. E tem a questão dos impostos sobre os instrumentos musicais. Os impostos são muito altos, o que acaba dificultando a compra de um instrumento”, concluiu.