Opinião: Você está preparado para o pós-pandemia?

Opinião: Você está preparado para o pós-pandemia?

por 18/05/2021

Perante o cenário que estamos vivendo, deixo aqui algumas reflexões sobre o que pode acontecer no nosso mercado quando a pandemia acabar.

Quer coisa mais desagradável do que trabalhar ao lado de alguém que está com gripe, tossindo, espirrando, assoando o nariz o tempo todo? Pronto! Está aí a conscientização de que precisávamos.

Muita gente passou de forma despercebida em relação a esses problemas que envolvem saúde, principalmente quando se tratava de uma simples gripe.

Hoje, sabemos que gripe mata e que as medidas que estão sendo usadas para a contenção da pandemia deveriam ter sido adotadas há muito tempo.

Portanto, temos uma vitória: a conscientização sobre a nossa saúde e os cuidados que devemos ter nos ambientes de trabalho, familiar e social.

Assim, gostaria de sugerir uma boa reflexão em relação ao que podemos esperar, em termos de mercado, do pós-pandemia.

1. Prevenção

Depois dessa experiência, sabemos quão importante é a prevenção. Portanto, mesmo no ambiente empresarial, na loja ou em reuniões de negócios, mantenha o distanciamento, adote o uso de máscaras, evite aglomeração, reforce atitudes que valorizem a higiene pessoal e, por que não dizer, do próprio ambiente de trabalho.

Seria interessante todo bom negócio ter, assim como acontece com a Cipa – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, uma equipe voltada para a avaliação de risco.

2. Home office

Teve de acontecer uma pandemia para que as empresas percebessem como é importante valorizar o trabalho remoto, o home office.

Trânsito, espaço empresarial amplo, agitado e caro, reuniões e mais reuniões, eventos em cima de eventos, tudo isso sempre proporcionou um desgaste muito grande, principalmente emocional e financeiro.

Em casa, com disciplina, com a digitalização, tudo é possível. E o melhor: com desempenho e eficácia bem mais favoráveis para os bons resultados. Aliás, só para reforçar: a empresa que quiser vencer terá que se adaptar ao ambiente digital e às vendas on-line. Simples assim!

3. Melhor desempenho e adaptação da cadeia de suprimentos e logística

Com fronteiras fechadas, todo bom empresário teve de pensar nas soluções locais. Se elas não existem, certamente são a alavanca para novos empreendimentos e oportunidades. 

A dependência do Oriente ficou evidente. Crises como esta somente reforçam a necessidade de criar novos caminhos para conseguir suprimentos. 

O transporte, igualmente, sofreu um grande impacto no início da pandemia. Rapidamente, soluções foram pululando aqui e ali e, com a grande capacidade de adaptação que temos, conseguimos vencer a barreira das entregas em tempo recorde. Somos ou não somos um país de empreendedores resilientes?

4. Otimização de processos

Não houve outra solução senão a de cortar gastos desnecessários e otimizar processos.

Um novo fluxograma teve de ser engendrado, dando vazão a um conjunto de ações para mapear, monitorar e compreender melhor a execução de tarefas.

O empreendedor que, de cara, alterou o fluxograma, deixando de lado ego e status, ganhou, agilizou o seu empreendimento e abriu espaço para melhorar o desempenho do seu negócio no mercado.

Lembra-se daquelas reuniões que, na maioria das vezes, resolvia nada ou coisa alguma? É! Elas acabaram e estão fadadas a não mais existir.

5. Marketing digital

Reparou como as plataformas, as boas plataformas, estão mais limpas, ágeis, com acesso aos produtos de forma clara e ordenada? A pandemia forçou tudo isso.

Temos, hoje, maior agilidade na aquisição de produtos, no controle de estoque, na capacidade logística e no processo de venda on-line.

6. Industrialização renovada e revigorada

Consequência do item 3 (suprimento e logística). Naturalmente estão surgindo novos gargalos para a produção de insumos que irão beneficiar o seu negócio. Aliás, não somente insumos, mas, igualmente, de produtos e equipamentos que eram fabricados do outro lado do planeta.

Na verdade, há uma certa “desglobalização”, permitindo que as empresas optem por produtos regionais, aqueles que estão próximos da gente e que às vezes negamos e desvalorizamos.

7. Entretenimento

Certamente, o setor mais afetado pela pandemia. Tudo parou. Praticamente 7,5 milhões de colaboradores diretos, indiretos e terceirizados perderam a capacidade de sustentar suas famílias e o seu negócio. O que fazer no pós-pandemia? Não é necessário esperar esse momento, basta observar as ações que já estão sendo feitas e que estão gerando bons resultados: lives, home studio, stand-up, a volta do drive-in, do show drive-in, das alternativas digitais que o setor de entretenimento pode, e deve, abraçar.

Plus. Qualidade de vida

Lar, doce lar! Família em primeiro lugar. Talvez este seja o melhor projeto para o pós-pandemia. 

Estamos tão preocupados com os afazeres, principalmente as cobranças profissionais, que esquecemos da família, das pessoas que amamos. Certamente este será o ponto alto do pós-pandemia. Voltamos para casa, trabalhamos em casa e passamos a conhecer melhor as pessoas que estão ao nosso redor.

O melhor de tudo isso: você pode estar na praia, no motor-home, na sala, no quarto, em outro país, “em outra dimensão”, que todo mundo estará conectado a você. Não é fantástico?

Ainda mais

Não vou me delongar sobre o que esperar do pós-pandemia. Mas não posso de deixar de citar pontos importantes para futuras reflexões:

  • Fortalecimento de parcerias.
  • Fortalecimento do governo, que começou a ter mais controle sobre a movimentação da população.
  • Os consumidores começaram (meio que na marra) a dar prioridade aos produtos locais.
  • A atenção à terceira idade, que passou a consumir muito mais aquilo que amamos: instrumentos musicais.
  • As formas e a facilidade de pagamentos, sobretudo os pagamentos digitais, sem contato físico.
  • Prioridade é o ser humano.
  • Estudar em casa.
  • Maior consciência do consumidor no que tange a ajudar o planeta.
  • Valorização do que realmente importa.

Reparou como pandemia não é sinal, somente, de desastre, morte e destruição?

Precisamos urgentemente modificar o nosso modo de pensar sobre a vida, as pessoas, a sociedade, a empresa, os negócios e tudo o que diz respeito ao nosso dia a dia.