Review do Leitor

Colabore com a comunidade musical.

Search
Maximize seus lucros com criptomoedas usando as ferramentas avançadas do Neoprofit AI.

Nota de repúdio contra venda direta ganha atenção de lojistas

Lojistas em Grupos de WhatsApp do setor manifestam-se contra fornecedores que praticam a venda direta

Neste domingo, dia 4 de julho, centenas de lojistas começaram a compartilhar uma nota de repúdio (datada do dia 5 de julho) contra venda direta de fornecedores.

A nota diz “Os lojistas brasileiros de instrumentos musicais, áudio profissional, iluminação e acessórios, manifestam TOTAL REPÚDIO aos fornecedores/fabricantes que realizam vendas diretas para clientes finais através de site próprio e/ou marketplace causando prejuízos consideráveis aos lojistas em geral” (SIC).

Em conversa com varejistas, a Música & Mercado apurou que a falta de política comercial de preços mínimos anunciados, além da prática da venda direta ao consumidor estão entrando em linha de choque com o varejo físico. Com a melhora logística e Estados ‘paraísos fiscais’, como Santa Catarina e Espirito Santo, por exemplo, a preocupação está no crescimento vertiginoso de poucos varejos e os demais, espalhados pelo interior do Brasil, servindo apenas como showroom para vendas virtuais alheias.

“Empresas tradicionais estão matando o comércio fisico com a venda direta. O lojista honesto está espremido. Nós servimos de vitrine para que eles (fornecedores ou suas lojas escondidas) vendam direto”, reclama o proprietário de uma loja em São Paulo que pediu para não ser identificado. 

Já um lojista do Rio de Janeiro disse: “Há fornecedores com produtos exclusivos no site deles, mas não fornecem para as lojas”.

Dentro da nota de repúdio, o texto reforça: “Reiteramos a importância das lojas físicas, que através das vitrines e equipes de vendas, prestam milhares de atendimentos todos os dias, apresentando novidades, demonstrando o funcionamento dos produtos, esclarecendo dúvidas, enfim, promovendo ao cliente a experiência musical, imprescindível ao nosso mercado” (SIC). 

Para o presidente da ANAFIMA –  Associação Nacional da Indústria da Música, Daniel Neves, “A política comercial entre fornecedor e varejista necessita ser a mais transparente possível para evitar frustrações e desempenho de capital em produtos que não terão condição de giro”, explica.

Lojistas debatem boicote

Dentro dos grupos de WhatsApp a palavra mais citada tem sido ’boicote’ aos produtos e marcas que estão causando dano ao varejo. Uma lista com os fornecedores começou a circular. 

“O modelo B2B2C é uma realidade em todo o planeta, mas cuidar das lojas é tarefa de todos nós. É no varejo físico que a emoção com o instrumento se conclui. Não podemos desidratar o comerciante, a hora é de reestabelecer a confiança”, finaliza Neves.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe um Comentário

Música & Mercado
Logo
Shopping cart