Mixagem ao vivo vs mixagem de estúdio: Quais são as diferenças?

Mixagem ao vivo vs mixagem de estúdio: Quais são as diferenças?

por 27/01/2020

Até agora, a maioria de nossas discussões girava em torno da mixagem no estúdio de gravação. Mas e se mixar em um ambiente ao vivo?

Enquanto alguns engenheiros de áudio preferem se aconchegar em um estúdio, outros também gostam de sair de vez em quando. Todo local de boa música, grande ou pequeno, precisa de alguém com conhecimento, capacidade de resposta e paixão por trás da mesa de mixagem. Muitas das habilidades que se aprende ao mixar um estúdio são transferíveis para mixagem ao vivo ( existem cursos de qualificação profissional para essa área ). Mesmo assim, a mixagem ao vivo apresenta desafios únicos não enfrentados em um ambiente de estúdio. Então, quais são essas diferenças entre mixagem ao vivo e mixagem em estúdio? O que se deve saber antes de encarar o som ao vivo?

Tempo e pressão

A primeira e mais óbvia diferença entre mixagem ao vivo e mixagem em estúdio é o tempo . Os estúdios podem cobrar por hora, com certeza, mas muito do trabalho de preparação pode ser feito antes que o relógio comece a contar. Não há pressão real em um estúdio para verificar cabos, conectar equipamentos, aquecer amplificadores, verificar níveis, etc. Todas essas coisas podem ser testadas e resolvidas sem um horário de exibição iminente.

Ao se preparar para um show, o relógio está sempre correndo. Felizmente, a maioria dos eventos oferece tempo suficiente para checagem de som, pelo menos para os shows e bandas de turnê . Para atos menores, a verificação do som pode ser limitada a cinco minutos antes da hora de ir. Embora não seja ideal, a maioria das coisas já deve estar em ordem e requer apenas pequenos ajustes nesses casos. Mas, é claro, as coisas também podem dar errado durante um ato. É aqui que o engenheiro precisa agir rapidamente. Para eventos maiores, os membros da equipe com o local e / ou a banda geralmente ajudam se um cabo se rompe ou se solta. Às vezes, o problema está na mesa de mixagem, no som da casa ou em algo mais difícil de localizar. Este é o verdadeiro teste para o cara do som. O problema pode ser resolvido e em tempo hábil ?

Equipamento e estação de trabalho

O tempo pode funcionar contra o engenheiro de som ao vivo, mas o equipamento não precisa. Comparado às grandes configurações de estúdio, as mixagens ao vivo são tipicamente mais simplificadas . Principalmente, você quer que a banda ou o artista pareçam ótimos ao vivo. Você não está necessariamente preocupado com a gravação (a menos que seja para um álbum / single ao vivo etc.). Isso significa menos faders por canal e menos poder de processamento.

 

 

Os engenheiros de áudio ao vivo também podem escolher entre mesas de mixagem digital e analógica. As mesas digitais geralmente custam mais, pois podem instantaneamente armazenar e recuperar configurações, conectar-se à Internet para atualizações e complementos, etc, mas os profissionais de som geralmente combinam com o que sabem. As mesas digitais podem levar algum tempo para você se acostumar, especialmente para as pessoas que aprenderam em consoles estritamente analógicos, mas as escolhas são abundantes; por exemplo, um engenheiro de som ao vivo pode usar uma mesa digital Midas M32 ou uma mesa digital Soundcraft Si Impact , ou uma mesa analógica Mackie ProFX12v2 mais simples para apresentações menores.

Acústica e sala

 

 

Os locais de concerto precisam de muito espaço para reunir o maior número possível de corpos suados. Locais ainda menores liberam espaço para os fãs se posicionarem e esse espaço se presta a desafios e possibilidades acústicas únicas. As vibrações ricocheteiam nas paredes e no teto, abrindo o som de maneiras que não podem ser capturadas em um estúdio com isolamento acústico adequado, além disso, uma sala tocará de uma forma antes que o local esteja cheio de pessoas e outra forma quando estiver lotada.

A mixagem ao vivo precisa ser responsável por essa correção, ampliando o que é bom, diminuindo o que é ruim e fazendo os ajustes necessários com base em todas as variáveis. Isso significa que os níveis de ganho e EQ precisam de ajustes sérios, o bumbo precisa ser ouvido e sentido, o baixo não pode ser ofuscado pelas guitarras elétricas tocando, os vocais precisam de clareza, mas não devem perfurar o ouvido, os pratos (especialmente os crashs) tocam alto, então todo o resto você precisa combiná-los e mixar bem. Dependendo de onde você está, as coisas podem parecer totalmente diferentes. O envio de uma combinação adequada através dos monitores visa resolver isso, mas nem sempre é responsável por tudo. E, é claro, todas as salas diferem em tamanho, forma, material e capacidade. Se você trabalha principalmente em um só local, pode aprender as idiossincrasias (característica comportamental ou estrutural peculiar) da sala, mas aqueles mixers ao vivo que viajam precisam se adaptar a cada local onde são colocados.

Efeitos da temperatura, umidade e vento no som ao vivo

A velocidade do som é afetada pela temperatura, umidade e vento. Por ser menos denso, o som passa pelo ar quente mais rapidamente do que pelo ar frio, por esse motivo, os gradientes de temperatura causam efeitos de refração, por exemplo, a manhã é um momento em que o solo ainda está frio da noite anterior, mas o ar superior já está esquentando devido ao sol, sob essas condições, o som pode ricochetear entre o gradiente e o solo, formando regiões com maior e menor intensidade sonora. Além disso, à medida que o som se propaga pelo ar, ele absorve energia da onda sonora, atenuando-a (enfraquecendo-a), esse efeito é significativo apenas em frequências acima de 2 k Hz e aumenta com a frequência. Esta é a razão pela qual quando ouvimos um trovão à distância, é apenas um estrondo baixo. o “crack” de alta frequência foi atenuado mais rapidamente do que a porção de baixa frequência do ruído. A atenuação do som no ar é afetada pela umidade relativa e o ar seco absorve muito mais energia acústica do que o ar úmido. Isso ocorre porque o ar úmido é menos denso que o ar seco (o vapor de água pesa menos que o ar).

O vento também afeta a transmissão do som em shows ao ar livre. A refração do som é a mudança na direção de uma onda. O vento mais próximo do solo se move mais devagar que o vento em grandes altitudes, devido a todos os obstáculos na superfície, como árvores, colinas e prédios. A diferença de velocidade cria um gradiente de vento, fazendo com que um sinal sonoro viajando na direção do vento se incline para baixo, enquanto o som viajando na direção do vento se inclina para cima em relação à fonte sonora, portanto, uma pessoa que está na direção do vento de uma fonte sonora ouve níveis mais altos de som, enquanto uma pessoa do lado oposto ouve níveis mais baixos de som. A escala desse efeito pode aumentar a distâncias maiores e velocidades do vento mais altas mudando levemente as frequências sonoras.

Energia e mixagem ao vivo

Ao gravar uma banda no estúdio , a maior parte da energia geralmente ocorre durante o processo de mixagem, muito tempo após o término da gravação. Adicionar compressão paralela , distorção vocal, reverb, delay etc. pode realmente energizar uma música. Para música ao vivo, grande parte da energia vem da própria performance, isso significa pular, dançar, girar o microfone, surfar em público e muito mais. Você pode pensar que a mixagem ao vivo tem pouco a ver com esses aspectos da música ao vivo, mas muito pelo contrário, tem muito a ver sim. Por um lado, quanto mais louco o ato, maior o potencial de cabos se desconectarem, microfones cairem e coisas quebrarem e isso pode tornar a mixagem ao vivo um pesadelo, porém a quantidade certa de energia pode torná-lo uma explosão. Combinar a energia da banda ajustando a mistura rapidamente é uma arte, que tendem produzir ótimos resultados quando bem feita, dessa maneira, o engenheiro de áudio ao vivo é como um membro honorário da banda, reagindo à apresentação em tempo real , amplificando a energia pura e bruta.

Habilidades das pessoas

Em qualquer ambiente público, você precisa lidar com muitas pessoas. Ao contrário da solidão do estúdio, os locais estão cheios de pessoas de todas as idades, origens e tipos de personalidade, além disso, o mixador ao vivo interage principalmente com as bandas, que podem variar de totalmente inexperientes e imaturas, até temperadas e se afogando em sua própria importância. Você terá que aprender a lidar com todos os tipos de pessoas e esperar críticas, condescendência, ignorância e pura estupidez. Leve tudo isso a sério e simplesmente faça o melhor trabalho possível.

Conclusão

Quando se trata de mixagem ao vivo versus mixagem em estúdio, o princípio principal permanece constante: fazer a música  e a performance musical parecerem boas. As grandes diferenças têm a ver com o contexto; O ambiente, o equipamento, as restrições de tempo e o erro humano estão em jogo durante uma apresentação ao vivo, e alguns não conseguem lidar com essa pressão, outros adoram. Independentemente disso, não há nada melhor do que assistir uma boa banda ao vivo com uma mixagem maravilhosa.

Por: Ethan Keeley e Mike Stephen 

Outras fontes de pesquisa.

Tradução e revisão feita por: Marlon Porto (técnico de mixagens e masterizações da Promaster studios). Acesse o site para serviços ou cursos: www.promasterstudios.com