MGA Pro Audio atende o mercado de antenas para microfone sem fio por 18/11/2019

A MGA Pro Audio é uma indústria de antenas para microfone sem fio e equipamentos de áudio profissional. Abaixo, conversamos com Marcelo Gratão, proprietário.

A MGA Pro Audio nasceu em 2012 como uma ideia de Marcelo Gratão, diretor da empresa. Ele já havia trabalhado muitos anos com áudio, inclusive em uma empresa que fabricava transmissores de FM. Com o correr do tempo, percebeu a necessidade do mercado de antenas para microfone sem fio voltado para atender o segmento de RF nacional. “Não existiam antenas nem distribuidores nacionais, e aí começou tudo. Somos o único fabricante desse tipo de equipamento no Brasil e focamos fazer produtos de qualidade a um preço justo”, disse. Veja a entrevista a seguir para saber mais sobre a empresa e os produtos que fabrica em São Paulo.

Marcelo MGA

Marcelo Gratão, diretor da MGA

M&M: Falando sobre o preconceito contra os produtos estrangeiros em determinados nichos do mercado, o que credencia você a dizer que seu produto é bom?

Marcelo: Buscamos fazer hoje é uma seleção de componentes bem específica. São componentes de nível automotivo que suportem altos níveis de impacto sem danificar. Todos os nossos gabinetes  são zincados, recebem um tratamento químico antes da pintura, então, se bater e descascar a tinta, ele não vai enferrujar. Temos uma preocupação muito grande em relação à qualidade. Fazemos um produto com a ideia de que ele não vai dar problema lá na frente.

A questão do preconceito existe porque, se um aparelho para, as pessoas costumam falar: “Ah, o aparelho parou porque é nacional”. Então temos que ter um cuidado maior com a qualidade do produto, por isso fazemos uma seleção muito específica dos componentes.

M&M: Conte sobre a história de que, em uma instalação, o sistema parou de funcionar e o operador de áudio ligou para você diretamente pensando que o problema tinha sido o seu produto.

Marcelo: O cliente comprou microfones e um distribuidor MGA e ligou de maneira errada. Aí ligou para mim dizendo que o aparelho não funcionava. Eu peguei um aparelho importado e mandei para ele. Ele fez a ligação errada do mesmo modo e aí ele percebeu que não estava funcionando mesmo assim. Então esse é “o problema” de ter um produto nacional: o cliente, antes de verificar as conexões que tinha feito, simplesmente pegou o telefone e reclamou comigo por ser nacional.

M&M: Como se sente em relação à evolução da marca MGA e à confiabilidade?

Marcelo: Graças a Deus temos muitos usuários que nos apoiam. As pessoas estão confiando muito mais na marca, estamos com uma credibilidade boa. Parte disso se deve ao apoio de colegas e, lógicamente, a que o produto realmente funciona, não dá problemas. Se tiver algum problema, nosso pós-venda é muito ágil. Recebe o equipamento, conserta e devolve no mesmo dia, se possível.

EK Rcak opção copia

EK 6042 Rack

M&M: Como foi o processo para ter um produto homologado pela Sennheiser?

Marcelo: A Sennheiser tem um aparelho da Série 6000 que é portátil e eles queriam um aparelho de rack para encaixar esse receptor. Fizemos um protótipo de um aparelho cuja ideia era vender para as empresas de locação ou para as bandas que viajam com o EK 6042. No dia em que entreguei esse aparelho para a Sennheiser, praticamente toda a equipe da empresa da América Latina estava no escritório deles no Brasil. Um dos representantes da Sennheiser do México olhou para o nosso aparelho e falou: “Puxa, tem que fazer um aparelho desse aí, mas para três receptores”. Aí fizemos os distribuidores para três aparelhos a pedido da Sennheiser do México, para colocar na Televisa, onde atualmente estão instalados e funcionando. Nesse meio-tempo, o Daniel Reis, da CMV.SeBr, sócio da Sennheiser no Brasil, levou-o para a Alemanha, onde deram o aval para o aparelho, o homologaram e hoje estamos comercializando-o.

M&M: Quem são seus principais clientes no Brasil?

Marcelo: Vendemos muito para lojas, e são eles que vendem para o consumidor, então, não posso dar muitos nomes. Mas sei, por exemplo, que Fabio Junior viaja com equipamento nosso, Alexandre Pires também, muitas duplas sertanejas, empresas de locação de backline, como a Backstage e laredo. Muitos artistas estão viajando com equipamento nosso hoje.

M&M: Quais são os principais equipamentos da MGA atualmente?

Marcelo: Nosso carro-chefe é a antena para microfone sem fio, direcional, com 6,5 dBi de ganho. Temos também os distribuidores de microfone de quatro canais, com os quais posso entrar com duas antenas A e B, envio sinais para os quatro microfones e tenho uma cascata para ligar um outro distribuidor. Se não tiver outro distribuidor ou rack para ligar, posso ligar um quinto microfone e, além da distribuição de RF, ele distribui energia com dois cabos que podem alimentar até quatro receptores, ou seja, com um único ponto de energia você alimenta o distribuidor mais  quatro receptores. Um dos  pontos mais interessante dos nossos produtos é que podem ser utilizado com microfones de qualquer marca e modelo, inclusive ter diversos modelos diferentes no mesmo distribuidor.

M&M: Qual é a política de venda da empresa para ter preços equilibrados?

Marcelo: A primeira coisa a destacar é que o equipamento tem um custo X e o importado tem um custo Y que é muito maior. Tivemos casos de lojas que se aproveitaram dessa diferença e venderam nossos produtos um pouco mais caro do que deveria custar. Então, para suprir esse problema, resolvemos colocar os valores dos produtos em nosso site . Não vendemos on-line no site, só colocamos os preços para que os consumidores possam ver os valores e para que os lojistas respeitem. Todo mundo pesquisa na internet antes de comprar, os consumidores sabem quanto custa o produto antes de ir à loja. O preço do produto é esse e tem de ser respeitado. Outro ponto que desequilibra o valor é a loucura da questão tributária no Brasil. Para vender para o Espírito Santo é um valor, para o Rio Grande do Sul é outro. Os importadores dão o preço do produto antes da ST, a loja compra o produto e tem de acrescer da substituição tributária, então cada estado paga um valor diferente quando compra. Nosso produto, não, porque eu já dou o preço com substituição. Então o Espírito Santo vai pagar o mesmo preço que Brasília e o Rio Grande do Sul, já com todos os tributos, e quem absorve essa diferença sou eu, na empresa. A intenção não é lucrar mais com um ou menos com outro, mas estabelecer o preço do produto. A nossa ideia é fazer que o nosso produto chegue com o mesmo preço para todo o País.

M&M: Teve algum lançamento este ano?

Marcelo: Lançamos um combinador para oito in-ears,  também fizemos a pedido da CMV.SeBR (Sennheiser no Brasil), para ser vendido com a serie 2000 de monitores sem fio que é a linha pro deles, a CMV.SeBR apostou neste produto pensando em beneficiar o consumidor final com um produto mais acessível e valorizar a indústria nacional.

M&M: A empresa começou a vender cabos também?

Marcelo: Sim, começamos a vender cabos porque lá no começo, em 2012, vendíamos antenas e o cliente ligava e falava que não estava funcionando — parte do preconceito de produto nacional, né? Eu ia pessoalmente e via que o problema estava no cabo, e resolvemos fazer cabos. No meio do percurso sentimos uma demanda grande, uma deficiência de cabos no Brasil; não tínhamos cabos de qualidade. Os cabos coaxiais são mais duros normalmente. Então decidimos criar um cabo com mais flexibilidade. Conseguimos desenvolver esse cabo para uso no mercado nacional. Além de ser muito flexível, é um cabo que suporta torção. Se eu torcer um cabo coaxial comum, vai danificar, mas o nosso suporta um número de torções maior.  Fizemos uma proteção no conector para evitar danos por impacto. Somos a única empresa hoje que dá garantia no conector do cabo. Mesma coisa com a antena: se quebrar um conector da antena, está coberto pela garantia. Tem garantia de um ano contra defeitos e acidentes tanto no cabo quanto nos conectores.