Songs Instrumentos Musicais: nova loja e foco nas redes sociais

Songs Instrumentos Musicais: nova loja e foco nas redes sociais

por 02/06/2020

A Songs começou sua história há quase 23 anos em Araguaína, Tocatins. A empresa foi crescendo e os negócios aumentando tanto no ponto de venda quanto no ambiente digital.

Márcio Parente, fundador e proprietário da Songs Instrumentos Musicais, inaugurou a loja em 1997, na cidade de Araguaína (TO). Ele era músico na época, tinha uma banda de rock e estava em busca de uma nova oportunidade. “Eu queria comprar meu primeiro instrumento e naquele tempo não tinha internet. Ir comprar pessoalmente também era difícil, então a gente comprava por meio das revistas”, relembra.

Ele entrou em contato com várias lojas e, enquanto verificava preços de produtos, achou uma loja Songs em Vitória (ES). “Eu liguei, me atenderam muito bem e entrei em contato com a parte do atacado da loja, que era suprido pela Louwan, uma importadora que atendia toda a rede Songs no Brasil. Eles me perguntaram se eu não queria pegar uma tabela de preços deles para vender na minha região e eu aceitei.”

 

songs Marcio Parente

Márcio Parente

 

A Louwan mandou a tabela para o Márcio e ele passou a vender por catálogo. Com as vendas crescendo, seis meses depois, a importadora perguntou se ele gostaria de ter alguns produtos na mão. “Eles me mandariam alguns produtos à minha escolha e à medida que fosse vendendo, eu iria pagando para eles. Eles enviaram uma quantidade razoável de produtos e, assim que chegou, mandei fazer um estande para poder mostrar os instrumentos. Com isso as vendas foram aumentando.”

Menos de seis meses depois de ter vendido tudo, a importadora enviou um caminhão cheio de produtos e chegou o momento para o Márcio de pensar em abrir uma loja física. ”Com essa quantidade maior de produtos, abri um ponto comercial pequeno, onde a loja funciona até hoje. Montei um showroom com muitos instrumentos, se comparado com o que havia começado, e não parei mais. Passei a trabalhar com todos os produtos de importação deles e com isso tive de abrir uma empresa. Além dos produtos que eles mandaram, passei a comprar também das empresas nacionais, como Tagima, Ciclotron e Selenium. Em menos de dois anos eu já tinha uma loja completamente montada”, disse.

Momentos de transição

Cada ano que passava a Songs enfrentava um desafio novo. Márcio conta: “Tive que contratar um funcionário para me ajudar e a cada mês que passava eu modificava alguma coisa na empresa: buscava um fornecedor novo, melhores preços, melhores produtos, e a cada ano minha relação com a Louva crescia mais”.

Depois de seis anos, a Louwan foi vendida e Márcio tentou se ajustar às diretrizes da nova empresa, mas não se adaptou: “Tive que reformular todo o negócio, mudar o logotipo, a maneira de buscar novos produtos, porque até então eu dependia 80% dos produtos deles e de uma hora para a outra me vi sem eles. Tive que correr muito para buscar novos fornecedores. Eu já estava com mais três funcionários, a empresa já tinha duplicado de tamanho, mas não tinha ainda aquele perfil de grande negócio”.

Esse ano foi de mudanças, com novo logotipo, nova fachada, nova razão social. “Foi um ano um pouco mais difícil, mas consegui passar por isso e depois dessa fase é que realmente aconteceu o crescimento da empresa.”

Outro momento de transição para a empresa foi a chegada da internet. “A princípio ajudou muito, porque permitia buscar fornecedores com mais agilidade, mostrar novos equipamentos para os clientes com mais facilidade, tinha acesso mais rápido e tudo isso ajudou a vivermos alguns anos de muito crescimento. Mas quando surgiram as lojas virtuais, começou a se desenhar um grande impasse para nós: com o crescimento das vendas on-line, os clientes passaram a comprar fora. Iam à loja, experimentavam os produtos, mas compravam fora. Aí começou um novo desafio: tivemos que investir nas mídias sociais.”

Assim, a Songs começou a vender pelo Mercado Livre e a trabalhar mais com o Facebook e o WhatsApp. Conseguiram abrir a primeira loja virtual há aproximadamente três anos, com resultados muitos bons. “A loja virtual facilita a compra do cliente, mas a nossa maior publicidade nas redes sociais é por meio de Instagram, Facebook e WhatsApp. Isso tem dado bem mais retorno para nós. Nossos esforços são 80% nessas redes sociais. O site serve de apoio e o local para onde eles direcionam as compras.”

songs loja nova

Nova Loja, Galeria Center

Parcerias e nova loja

Hoje a Songs trabalha com as maiores marcas que há no Brasil, tanto de instrumentos musicais quanto de iluminação e som ambiente, com nomes como Harman, Tagima, Pride, Royal, Hayamax, Santo Angelo e outros.

A loja comercializa poucas marcas nacionais, mas a mascote é a Tagima. “Ela está sendo realmente um diferencial, e não só no Brasil, assim como a Borne, com a qual comecei a trabalhar no final do ano passado. Fizemos uma boa parceria e tem dado certo, tem crescido, é um produto muito bom e com preço acessível”, enfatiza.

Graças às parcerias corretas e ao crescimento em vendas, a Songs conseguiu abrir uma nova loja no começo deste ano, bem no centro da cidade, porém de porte menor. “É uma loja de giro rápido e também para poder direcionar os clientes para a outra loja. A ideia é estar em local de fácil acesso ao cliente, bem próximo à passagem de pedestres. A loja maior está em uma área onde existe uma facilidade muito grande de estacionamento, mas estava perdendo algumas vendas pela passagem rápida.”

Sobre as marcas, em 2019 a Songs iniciou uma parceria com endorsees da cidade e, junto com a Tagima e a Borne, formaram uma equipe com os melhores músicos da região, o que está ajudando a levar mais fluxo para dentro da loja. O nome da empresa também está sendo bem mais divulgado, com custo até menor do que o de uma mídia tradicional (TV ou rádio). “Isso tem feito com que a Songs esteja sendo bem mais vista hoje. Acredito que a valorização dos músicos os deixe mais próximos da empresa e faz com que o negócio prospere mais”, comentou.

Com objetivos claros, a loja comemorou seu 22º aniversário no ano passado, promovendo um evento especial com os músicos parceiros e todos os clientes da região.

Neste ano, percorrendo seus 23 anos, a Songs continua o trabalho e, apesar da pandemia e do isolamento social, seu pessoal não ficou de braços cruzados. “Estamos vendendo por meio das redes sociais, dentro e fora da cidade. Se o cliente estiver na cidade, pode retirar o objeto na loja e entregamos sem despesas, mas se estiver fora do município, o produto é despachado com cobrança. Também estamos usando muito o site e o e-commerce”, adicionou.

Conquistas em outros mercados

Mais recentemente, em 2016-2017, Márcio obteve mais um logro em sua carreira. Ele foi nomeado presidente da Associação Comercial e Industrial de Araguaína (Aciara), a mais forte do estado do Tocantins. “No meu tempo na Aciara, discutimos muitas questões de impostos, de diferença de alíquotas entre os estados. Fui muito a lugares como São Paulo, Goiás, Brasília, Pará e Maranhão, para falar diretamente com os governadores e ver a possibilidade de criar um acordo para diminuir a carga tributária e poder vender e comprar fora do estado. Foi uma das minhas lutas e consegui várias vitórias em alguns estados”, conta Parente.

Além disso e do trabalho na Songs, o empresário incursionou em outros mercados. Hoje conta com uma empresa no ramo de motocicletas, com três lojas Yamaha no estado do Tocantins (em Araguaína, Colinas e Araguatins) e ainda uma loja náutica onde vende jet skis e embarcações também da marca Yamaha. “É a única náutica fora da capital. Os negócios foram andando no caminho certo, tanto que fizeram eu me abrir para ramos diferentes. Foram outras conquistas importantes”, finalizou.

Mais informações no site da Songs ou no Facebook.