GOLPE: Estelionatários se passam por lojas de instrumentos musicais

GOLPE: Estelionatários se passam por lojas de instrumentos musicais

por 05/10/2021

Cresce o número de falsos comerciantes de instrumentos musicais. 

O número crescente de falsas lojas online de instrumentos musicais e áudio tem se tornado um problema para o mercado da música. De acordo com a ANAFIMA – Associação Nacional da Indústria da Música – nos últimos dois anos ao menos vinte falsos comerciantes online apareceram no mercado, oferecendo preços extremamente atrativos e aplicando golpes em consumidores que buscam ofertas.

Dois modelos de golpes tem se tornado comum: Lojas de marketplace com fotos e descrições roubadas de tradicionais lojas e sites de e-commerce completos, inclusive com um expressivo número de seguidores nas redes sociais. 

Megasom – Loja do Matogrosso tem identidade roubada

A loja Megasom, do Grupo Gentil e Alves, localizada na cidade de Cuiabá, Mato Grosso, vem sofrendo reclamações por clientes que, ao comprar na loja homônima Mega Som Instrumentos, localizada em São Paulo tem sido lesadas. A loja de São Paulo não é reconhecida pelos fornecedores como uma loja autêntica. 

Loja verdadeira: https://megasom.com.br

A loja homônima, de São Paulo, tem praticado preços até 50% menores que a original, mas com um simples detalhe: a loja falsa não entrega o produto comprado. 

O grau de sofisticação da loja Mega Som Instrumentos tida como fraudulenta pelos fornecedores é alto: selos certificados (sem comprovação real) e todos os contatos disponíveis, de WhatsApp até CNPJ. 

Entretanto, basta uma consulta no Google para verificar o CNPJ e endereço e percebe-se que há algo estranho no local tido como comercial.

Bateras Clube – Fotos e dados roubados

Para quem pensa que os marketplaces como Mercado Livre, Magazine Luiza, Americanas entre outros estão livre de fraudes, engana-se. O uso de fotos e descrições oficiais estão induzindo centenas de consumidores a perderem seu dinheiro com compras erradas.

O chamativo é simples: fotos com logo de lojas de confiança e preços fora dos praticado. Os golpistas se passam por lojas verdadeiras e, após receberem o pagamento, desaparecem sem deixar rastro. 

No Mercado Livre, o primeiro anuncio é falso e utilizada a mesma foto e texto do anuncio verdadeiro, da tradicional loja Batera Clube.

Um exemplo clássico de fraude por preço: uma bateria Nagano Garage Fusion com preço médio em R$4.000 (cotação de outubro de 2021) sendo vendida por R$1.303 no Mercado Livre.

Como identificar lojas online falsas

Fornecedores

Este é o meio mais seguro para averiguar o lojista. Geralmente, os sites das marcas que você está comprando tem uma lista de lojas revendedoras. Se a loja em questão não está listada, desconfie. Caso a empresa não tenha a listagem de lojas em seu site, ligue para a empresa da marca e pergunte se a loja realmente existe e se está autorizada a vender.

Selos

Muitas lojas falsas tem selos de autenticidade, portanto, para saber se a loja é real ou não, clique no selo. Se for carregada uma página da certificadora com o site escrito, é um indicativo de veracidade. Veja o exemplo:

Selos de autenticidade em lojas virtuais
O site da loja megasominstrumentos.com.br possui selos, mas nenhum deles são válidos.

Avalie o CNPJ

Em geral as lojas online colocam o CNPJ em seus sites. Através de sites como https://www.informecadastral.com.br/ digite o CNPJ da empresa, pegue o endereço e coloque no Google Maps, para verificar a localização e imagem da rua, casa ou prédio etc. 

Selo Música & Mercado 

Busque o selo de loja verificada na Música & Mercado.

Atenção: Não existe milagre nos preços

A busca de preços impossíveis de serem praticados é terreno fértil para o crescimento de estelionatários. É fato que o Brasil é um país com alta carga tributária, mas lojistas sérios não fazem milagre. Se o valor do produto for menos que 15% da média ofertada por lojas concorrentes desconfie.

Verifique e denuncie

Além de desconfiar de preços muito baixos e conferir o endereço eletrônico do site, consultar a lista “evite estes sites” no site do Procon-SP é outra recomendação para evitar cair em golpes. A lista divulga sites que devem ser evitados, pois tiveram reclamações de consumidores, foram notificados, não responderam ou não foram encontrados. Confira aqui https://sistemas.procon.sp.gov.br/evitesite/list/evitesites.php

Desconfie de curtidas e até de qualificações

O grau de sofisticação é tamanho que algumas lojas já criaram suas avaliações falsas e curtidas em redes sociais.

Leia também:

Você já soube de um caso de fraude? Conte para nós nos comentários abaixo.