China proíbe acordos de direitos autorais mais exclusivos para plataformas de música digital

A autoridade de direitos autorais da China disse na quinta-feira que as plataformas de música digital não têm permissão para assinar acordos de direitos autorais exclusivos

A autoridade de direitos autorais da China disse na quinta-feira que as plataformas de música digital não têm permissão para assinar acordos de direitos autorais exclusivos, exceto em circunstâncias especiais, em meio a uma repressão regulamentar ao comportamento monopolista no setor privado do país.

A Administração Nacional de Direitos Autorais da China (NCAC) deu a ordem na quinta-feira (6 de janeiro, 2022) em uma reunião em Pequim com plataformas de música digital influentes, bem como empresas de direitos autorais de gravações e composições, de acordo com um comunicado publicado na conta oficial do WeChat do NCAC.

O pedido vem em meio a uma crescente repressão pelo Governo Chinês ao setor de tecnologia do país, que se concentrou em questões como comportamento monopolista, concorrência desleal e direitos do consumidor.

Em 2021, a Tencent Holdings anunciou que havia rescindido todos os acordos de direitos autorais exclusivos de música após ter sido ordenada pelo órgão regulador de mercado da China para fazê-lo.

A Tecent Music é o equivalente ao Spotify, na China. A empresa também é dona do aplicativo WeChat.

O regulador disse que a empresa detém mais de 80 por cento dos recursos exclusivos da biblioteca de música, o que aumentou sua influência sobre as partes de direitos autorais upstream e permitiu restringir novos participantes.

O NCAC não mencionou quais empresas foram chamadas na quinta-feira. Além da Tencent, a fabricante de smartphones Xiaomi, a provedora de telecomunicações China Mobile e a gigante da tecnologia da Internet Netease possuem serviços populares de streaming na China.

Serviços de streaming mundialmente populares como o Spotify são proibidos na China continental.

O NCAC disse que, embora as práticas de direitos autorais tenham melhorado desde 2015, quando a autoridade proibiu o streaming de música não licenciado e ordenou que as plataformas removessem milhões de músicas, a indústria ainda precisava ser padronizada.

“As conversas enfatizaram que as gravadoras, empresas de composição de direitos autorais e plataformas de música digital devem … liquidar o pagamento de acordo com uma quantia garantida mais uma parcela do uso real, e não devem assinar acordos de direitos autorais exclusivos, exceto em circunstâncias especiais”, disse o documento.

Fonte: © Thomson Reuters 2022

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Música & Mercado
Logo
Registrar Nova Conta
Comparar itens
  • Compare Guitarras (0)
Comparar