O retorno da Gibson Guitars: empresa surge da quase falência como uma ‘Startup de 125 anos’

O retorno da Gibson Guitars: empresa surge da quase falência como uma ‘Startup de 125 anos’
março 05 09:45 2019

A Gibson Guitar, icônica fabricante de guitarras, tem um novo CEO, uma nova linha de instrumentos e uma estratégia para colocar a empresa de volta nos trilhos.

Logo após James “JC” Curleigh ter entrado a bordo como novo presidente/CEO da Gibson em novembro passado, ele foi jantar com um dos embaixadores mais icônicos da fabricante de guitarras, Billy Gibbons, da ZZ Top. Durante a refeição, lembra Curleigh, Gibbons disse: “‘JC, você deu um passo corajoso para enfrentar os desafios da Gibson e você tem que saber que eu e todos os artistas estão com você a cada passo do caminho.'”

Curleigh sorriu. “Eu disse a ele: ‘Billy, vou usar essa citação!’ ”

Força no mundo da guitarra por mais de meio século, com modelos como Les Paul e SG vistos nas mãos de artistas como Jeff Beck e Jimmy Page, Eric Clapton e Slash, diferente do que foi anunciando erroneamente por grande parte da imprensa no Brasil, a Gibson pediu proteção contra falência em maio de 2018.

Vários fatores levaram à queda do gigante da guitarra, incluindo erros no desenvolvimento de produtos, como a aposta em inovações mal recebidas, como o sistema de afinação automática G Force, para modelos clássicos de guitarra. Mas o principal culpado foram os esforços do ex-CEO Henry Juszkiewicz para trazer a Gibson como uma marca de “estilo de vida musical”, que exigiu US $ 300 milhões para adquirir a Royal Philips em 2014 – um movimento que fracassou. “Nós assumimos muito fora do nosso núcleo”, diz Curleigh.

Agora Curleigh, de 52 anos, tem que endireitar a empresa, como fez em seis anos como presidente de marcas globais na Levi Strauss. De certa forma, os desafios que ele enfrenta na Gibson são semelhantes aos que ele enfrentou com sucesso, na Levi’s: “Como você celebra sua herança e produto ao mesmo tempo em que avança nas coisas de uma maneira moderna?”

A solução que a empresa espera alcançar começa com uma nova equipe executiva e investidores, além de uma nova linha de instrumentos lançada em 2019 que equilibra o icônico (Les Pauls e SGs construídos com especificações dos anos 50 e 60) e o inovador (a “Contemporânea” série ostentando compromissos modernos).

“Somos uma empresa de 125 anos que está adotando a abordagem de ser uma startup de 125 anos”, diz Curleigh, um proprietário de instrumentos Gibson durante a maior parte de sua vida. “Nós limpamos os ‘decks’ e saímos prontos para o futuro”.

Parte disso significa encontrar maneiras de os jovens fãs de música se conectarem ou se reconectarem a guitarra. As vendas despencaram na última década com os gostos voltados para o hip-hop e o EDM. Então, Curleigh quer “energizar o futuro da guitarra” com a nova série “Generation” de acústica acessível. “Perguntamos: ‘Como podemos aproveitar a próxima geração que cobiça uma Gibson?’ ” ele diz. “Tornando-o mais acessível, mas ainda oferecendo um produto premium”.

Leia também:  PHX lanza linha de pandeiros renovada

Há também um foco renovado em músicos – como Gibbons – que Curleigh planeja tratar “mais como parceiros”. “Eu acho que no passado recente houve frustração de pessoas que amam a Gibson, mas não gostaram muito das relações e da dinâmica de fazer negócios com a Gibson”, continua Curleigh. “Mas agora estamos acolhendo artistas e músicos em todos os níveis de volta ao nosso mundo e fazendo parcerias com eles para o futuro”.

Fale com a Gibson no Brasil

WhatsApp: Acesse

Clique para enviar mensagem para a Gibson no Brasil

 

 

 

 

Retrospectiva

 

Este artigo foi publicado originalmente na edição de 9 de fevereiro da Billboard.

Comentários
view more articles

About Article Author

MM
MM

Música & Mercado é uma revista empenhada em promover e divulgar o mercado e negócios para a indústria de áudio profissional, iluminação e instrumentos musicais. Nós amamos o que fazemos.

View More Articles