Fuhrmann faz lançamento de produto totalmente on-line por 01/07/2020

A reconhecida Fuhrmann apresentou em maio seu novo pedal Tube Drive por meio de uma estratégia de marketing totalmente virtual.

Em épocas difíceis, é importante não ficar parados. Se você tiver os recursos para continuar trabalhando durante a pandemia, então terá as ferramentas certas para criar e inovar. Sabemos que as vendas não serão as mesmas, mas é importante manter a presença no mercado e apresentar novas opções para o público. Prova disso é o trabalho da Fuhrmann. Com metade da equipe trabalhando na empresa e a outra metade em home office, a Fuhrmann não ficou de braços cruzados. O resultado foi o lançamento on-line do novo pedal Tube Drive. E vem mais por aí. 

Relembrar faz bem

Todos conhecemos a marca e seus produtos, mas sempre é bom lembrar sobre o começo.

A Fuhrmann iniciou atividades em 2006. Começou de um sonho de Jorge Fuhrmann e seu filho Daniel, que são não apenas os idealizadores da marca, mas também dos produtos. Daniel atualmente é a pessoa que pensa e desenvolve os pedais, e seu Jorge — como a equipe o chama — administra a empresa e a marca, mas também colabora nos projetos de criação dos produtos.

Quem conhece a companhia sabe que ela passou por várias transformações e mudanças ao longo dos anos, mas a maior talvez tenha sido em termos de produtos. Em 2016 foi lançado o Reverb, que foi um divisor de águas para a Fuhrmann — não só foi um produto marcante para satisfazer as necessidades do mercado na época, mas também trouxe uma série de transformações visuais, estéticas, sonoras e mais.

A partir daí, a empresa começou a trabalhar em relançamentos e releituras de pedais antigos no padrão do Reverb, produto que trouxe essa nova geração de pedais dentro da Fuhrmann. Na live que fizemos com Alexandre Ferreira, coordenador de marketing da empresa, ele contou diversos detalhes sobre a empresa e os mais recentes produtos. 

Alexandre e o novo Tube Drive

Alexandre e o novo Tube Drive

M&M: A Fuhrmann é uma empresa 100% brasileira. Com essa série de transformações, mudou também a linha de produção ou pensaram em fazer pedais fora?

Alexandre: Claro que quando você insere inovações tanto estéticas como sonoras e nos componentes, isso muda também um pouco a produção, mas posso dizer que a Fuhrmann é 90% igual ao que era no início. A empresa só foi inserindo mais mão de obra porque ainda é tudo bastante manual — até para dobrar a chapa tem uma pessoa lá rodando a manivela para descer o peso e fazer a dobra. A Fuhrmann é uma empresa muito artesanal em alguns aspectos, mas também muito moderna em termos, por exemplo, de componentes e tecnologia. 

A fabricação é totalmente brasileira, tanto que no começo do ano lançamos uma campanha nas redes sociais mostrando um pouco do processo, fizemos um vídeo mostrando a fabricação, construção, como é feito um projeto dentro da Fuhrmann. A única coisa que a empresa importa — na verdade, é o que todas as empresas do Brasil importam — são os componentes, porque aqui não tem ninguém que faça, mas a empresa não pensa em produzir fora.

M&M: O aspecto dos pedais da Fuhrmann anteriormente era bem diferente da nova linha e das reedições. O que mudou nesses pedais?

Alexandre: A primeira coisa diferente é justamente a estética, mas tem mais. Posso destacar quatro características básicas que você percebe logo: o primeiro é o layout do pedal, que está mais clean. Tanto os pedais novos como os de releitura vêm com um logo especial que a gente desenha, considerando a história do efeito ou até o efeito em si. Por exemplo, temos o Compressor — ele tem um gráfico de compressão que quem trabalha em estúdio identifica logo, ou seja, estamos tentando reproduzir visualmente o efeito. Também têm os knobs, que antes tinham aquele dente branquinho e agora têm uns robustos, mais fáceis de manusear. Outro aspecto é o tamanho do pedal. Na linha antiga alguns já vinham com o tamanho padrão, mas agora todos seguem o mesmo tamanho. E a questão da pintura, que mudou radicalmente. Antes seguia a linha de pinturas lisas e brilhantes, hoje usamos uma pintura fosca, metalizada com acabamento acetinado, bem mais moderno e bonito. Isso em termos visuais. Já em termos sonoros, eu diria que são projetos totalmente novos. Para dar um exemplo, no ano passado lançamos o Chorus, que foi uma união dos anteriores Cool Chorus e Vintage Chorus. Pegamos o melhor que cada um tinha e trouxemos uma roupagem nova de sonoridade para ele. Em algumas releituras mantivemos basicamente o efeito, só que buscamos colocar alguns recursos a mais, como é o caso do Punch Box. Então, além de toda a mudança na estética, colocamos um controle de baixo, um controle de agudos e uma chave de médios de três posições que fizeram toda a diferença. Só que o timbre do Punch Box, para quem curtia antes, é o mesmo, mas agora tem mais recursos e está moderno, atualizado.

M&M: Estão trabalhando em mais alguma reedição?

Alexandre: Acabamos de relançar o Tube Drive, um produto que os usuários estavam pedindo desde o ano passado. A campanha e o lançamento foram feitos por redes sociais e o feedback do público foi muito grande e rápido. Era um produto que a galera estava esperando. Estamos muito felizes porque o público tem correspondido. Ainda que estejamos em quarentena, o pessoal tem abraçado, tem comprado, estamos bem felizes com a primeira semana de resultados.

Depois desse lançamento, nos sentamos e conversamos, porque ideias não faltam! Sem dar muitos detalhes, posso dizer que com certeza este ano teremos ainda mais novidades, não só em termos de produtos, mas também dentro da própria Fuhrmann, pois estamos preparando para 2020 um crescimento grande da empresa. Apesar dos desafios atuais, estamos trabalhando para poder atingir a visão que tínhamos antes da pandemia.

 

 

M&M: Falando sobre a pandemia, como está sendo este momento para a Fuhrmann?

Alexandre: A pandemia trouxe um impacto no mundo inteiro e nós também estamos passando por isso. Sabemos que é um momento delicado, mas não podemos parar. Temos contas para pagar e um mercado para cuidar, então estamos trabalhando do melhor jeito possível. A equipe de produção está atuando com o máximo cuidado. Infelizmente, tivemos de fazer alguns afastamentos temporários, embora precisássemos de todas as mãos operando. Mas não teve outro jeito. Há alguns membros da equipe, do financeiro, por exemplo, que precisam estar na empresa, mas tem outros que fazem seu trabalho em home office, como o seu Jorge — que está no grupo de risco —; eu, que sempre trabalho em casa porque moro no Sul; e o Daniel, que é o projetista, e que também está trabalhando de casa. Estamos conseguindo conciliar bem.

Sabemos que estamos passando por uma pandemia e o pessoal não está podendo comprar como antes, mas a resposta que tivemos com o Tube nos mostra o contrário, que apesar dos problemas atuais, o mercado está aí esperando que a gente ofereça nosso melhor. Qual é a melhor resposta da Fuhrmann perante uma situação como esta? Continuar fazendo o que ela sabe fazer: dar o melhor e fazer produtos que agradem ao público.

M&M: Quem está no exterior também encontra pedais da Fuhrmann?

Alexandre: Estamos começando a mirar o mercado externo, porque quando falamos em vender para fora, existem regras e leis para isso. É preciso analisar tudo e criar uma estrutura, mas sempre esteve no sonho da Fuhrmann. Temos conversado sobre isso e quem sabe no futuro atuemos no exterior.

Tube Drive: o que tem de novo?

Visualmente destacam-se os knobs novos e robustos, e a pintura fosca metalizada com acabamento acetinado, mas tem mais.

Em sua versão anterior, o pedal contava com os controles Level, Drive e Tone. Na nova versão, foi adicionada a chave Bright, que dá mais versatilidade ao efeito, podendo se adaptar a uma grande gama de guitarras e amplificadores ou buscar uma característica diferente para a resposta das frequências agudas, permitindo novas possibilidades ao já consagrado Tube Drive.

Outro novo recurso é o controle de Bass, que atua antes do estágio de saturação. De acordo com seu uso, esse recurso oferece maior ou menor definição, podendo chegar a timbres fuzzy. Nesse caso, ao controlar o corte das baixas frequências, o estilo do efeito é completamente alterado (em função da guitarra, amplificador ou forma de uso), podendo se adaptar a amplificadores limpos ou distorcidos.

Características — Chaveamento: True Bypass. Controles: Level (nível de saída), Drive (nível de ganho da saturação), Tone (controle de frequências agudas), Base (controle de frequências graves – pré-saturação) e Bright (chave de brilho com três níveis). Alimentação: 9V (pino central negativo). Consumo: 6 MA (mín.) – 15 MA (máx.). Dimensões: 6 cm (A) x 7 cm (L) x 11 cm (P). Peso: 350 g.

 

fuhrmann tube drive

 

Mais informações:

fuhrmann.com.br 

facebook.com/FuhrmannPedais

instagram.com/fuhrmannbr/