Audio-Technica: a marca japonesa de microfones passa por mudanças e quer aumentar sua presença no mercado

Com nova administração no País, Audio-Technica faz novas incursões para alavancagem da marca.

Durante anos a Audio-Technica, marca japonesa de microfones, fones e acessórios para toca-discos, teve uma presença — considerando as possibilidades da marca global — tímida no Brasil. Há de se colocar na balança que, para uma empresa estrangeira, principalmente proveniente de locais estáveis como os Estados Unidos e o Japão, é difícil entender o sistema tributário no Brasil, a variação cambial e tantas outras faces do ambiente empresarial brasileiro. 

Sob nova direção

Sob o comando do executivo Alexandro de Azevedo, diretor-presidente da Audio-Technica Brasil, a empresa aposta numa linha de ação mais enfática. Azevedo é do tipo detalhista, cobra o trabalho, faz follow-ups constantes e movimenta o ritmo.

Karimex e Lecran: as distribuidoras

Parceira desde 2017 da Audio-Technica no segmento de Consumer (foco no mercado não especializado), a Karimex passou a comandar também as vendas para o mercado de áudio profissional e varejo. A Lecran, por outro lado, ficou responsável pelo mercado de instalação, conferência e broadcast. 

A seguir você lerá uma entrevista com Alexandro de Azevedo, diretor-presidente da Audio-Technica Brasil, e Levi Salera, gerente comercial da Karimex.

Alexandro de Azevedo

M&M: Como a Audio-Technica se estruturou junto aos distribuidores para a distribuição dos produtos pro audio no Brasil?

Alexandro de Azevedo: Foi preciso muita coragem para, no meio de uma pandemia mundial, nunca vivida pela nossa geração, iniciarmos um projeto como este. Não foi nada fácil, tivemos que trabalhar dobrado para preparar materiais em português, mudar website, preparar conteúdo para as redes sociais, materiais técnicos, pré e pós-venda, tudo isso focado no mercado brasileiro com recursos escassos e de forma remota.

Mas o mundo não parou de girar e ou nos adaptávamos — e efetivamente mudamos — ou continuaríamos na mesma pegada. Nossos distribuidores toparam o desafio e a Karimex, por exemplo, que já é uma parceira de anos que iniciou em 2017 com a venda de produtos da linha Consumer, entendeu as mudanças que fizemos em 2020 na gestão no Brasil e na América Latina e topou ampliarmos o portfólio atendido por eles. 

M&M: E em relação à linha de produtos da Audio-Technica? Pode falar um pouco sobre sobre as ações?

Alexandro de Azevedo: Na linha Consumer passamos a oferecer praticamente todo o portfólio de fones com fios, todos os modelos de toca-discos, bem como cápsulas e agulhas, além de certificar mais de 30 produtos sem fio com a Anatel. Começamos também a oferecer os nossos best-sellers da linha Pro, como toda a linha de microfones AT20, com o famoso AT2020, e a linha de fones Series M, com o queridinho do mercado ATH-M50x. 

Investiu-se em logística, planejamento, parcerias com o grande varejo e, principalmente, na forma como a marca se comunica com o cliente final, dando a atenção que ele espera. Em 2021 ampliamos ainda mais esse portfólio, trazendo os microfones da Série AT40, linha Pro e alguns de nossos microfones Pro Sem Fios (Família System 10 e AT-ONE). 

M&M: Levi, qual o resultado dessas ações recentes?

Levi Salera: Atingimos um crescimento acima de 600% nos últimos 20 meses com produtos Audio-Technica. Esse crescimento deu-se pelo foco da empresa no canal de vendas on-line durante o período em que o varejo tradicional sofria com as restrições impostas pela pandemia e a ampliação do mix de produtos. 

Também houve aumento do ticket médio, que praticamente triplicou. Isso nos mostrou que os consumidores brasileiros buscam produtos com maior valor agregado no segmento de áudio e, claro, a ampliação do mix com produtos Pro também colaborou para esse resultado.

Alex de Azevedo: O ano passado (2021) foi também o ano em que iniciamos a parceria com a Lecran para o mercado de instalação, conferência e broadcast. Agora foi possível retomar e estreitar a relação da marca com os maiores integradores do País, demonstrando produtos e oferecendo atenção diferenciada que projetos com essas linhas de produtos demandam.

M&M: Após ter passado por diversas fases, como vocês entendem este novo momento da marca?

Alex de Azevedo: Sendo transparente, é sempre importante olhar para trás e ver o que funcionou e o que não funcionou. Ter humildade para assumir isso e fazer essa análise, buscando agir para implementar mudanças com melhores resultados é o mais importante na nossa visão. A gente sabe que muitas vezes o mercado vai criticar dizendo que: “Ah, mas este distribuidor isto, aquele outro distribuidor não sabe ou não conhece”, enfim, vai ter sempre alguém para apontar o dedo, mas estamos aqui para agir, para fazer acontecer, e pode ter certeza de que a marca veio para ficar. 

Acho que a maior demonstração disso é que em dezembro de 2021 a Audio-Technica do Brasil completou um ano de existência. Não estou falando de algo virtual, é uma empresa constituída no Brasil, da qual a nossa matriz no Japão e a nossa filial dos EUA fazem parte e suportam a estratégia que estamos construindo para a próxima década no País. 

Levi Salera: Exato.O desafio no momento é aumentarmos a capilaridade tanto dos produtos de consumo no varejo físico como dos produtos Pro em lojas especializadas em áudio profissional. Para isso, a Karimex conta com um time de representantes em 12 capitais no País e estamos ampliando esse número até o final de 2022. A expectativa também é de participarmos em eventos do segmento PRO MI juntamente com a Audio-Technica já nos próximos meses. 

M&M: O Brasil definitivamente não prevê um ano tranquilo em 2022. Qual a avaliação de vocês para o setor, considerando todas as variáveis possíveis? 

Alex de Azevedo: Compartilhamos da mesma visão de que 2022 e parte de 2023 ainda serão difíceis, e adaptar-se e reagir rapidamente são o nosso foco. Para tanto, em 2021 começamos a fazer um trabalho importante com a Karimex, desenvolvendo um planejamento de curto e médio prazo extremamente detalhado em que buscamos: diminuir o lead time total do envio dos produtos para o Brasil, minimizar eventuais rupturas de estoque e sermos mais competitivos em um cenário de aumento de custos generalizado e exponencial.

Levi Salera: Para tal, estamos fazendo operações diretamente com as fábricas da AT no mundo, sendo mais eficientes, e principalmente abastecendo o mercado brasileiro com os produtos mais procurados da marca.

Alex de Azevedo: Vale dizer ainda que nossas fábricas também reagiram rapidamente, buscando minimizar os impactos que seguem ocorrendo na cadeia de suprimentos, antecipando e investindo cada vez mais em tecnologia e estoque. Então, estamos preparados. Sabemos que 2022 será mais um ano de superações e nosso foco estará na atenção ao cliente, oferecendo os produtos que ele espera.

M&M: Como se compõe a estrutura de vendas da Audio-Technica no Brasil?

Alex de Azevedo: Nossos produtos podem vir da Ásia ou dos EUA, sendo que a Karimex possui unidades em SP, SC, RS e Manaus, facilitando assim a logística dos produtos pelo País. Por outro lado, estruturamos uma equipe de pré e pós-venda em conjunto com a Karimex. 

Como o Levi já disse, a Karimex possui uma equipe interna de gerentes e vendedores para as contas do grande varejo, bem como duas equipes de representantes: uma focada somente no PRO MI, com 12 representantes que dão cobertura em praticamente todos os estados do País, e outra formada recentemente para atender o Tier 2 e 3 do varejo de consumo massivo. 

Já para as linhas de instalação, conferência e broadcast, a Lecran Tecnologia dispõe de equipe de vendas dedicada aos mais diversos canais e integradores, bem como de equipe técnica apta para apoiar os projetos e oferecer a melhor solução para cada caso. 

A ideia, a partir de 2022, é começar a oferecer cada vez mais conteúdo aos nossos clientes, bem como treinamentos e participação em feiras do setor Pro, de forma a dar mais visibilidade para a marca e principalmente escutando mais o que o canal pede. 

Levi Salera: Com esse crescimento acentuado nos últimos meses, a Audio-Technica tornou-se um fornecedor de relevância na divisão de Consumo e Tecnologia da Karimex, ocupando hoje o terceiro lugar no volume de vendas da companhia. Para tal, tivemos que estruturar essas equipes de forma a dar uma atenção mais focada no que o canal espera.

Alex de Azevedo: Vale a pena ressaltar o nosso posicionamento como marca, pois isso reflete na forma como buscamos atender o mercado e suas necessidades. A verdade é que sabemos quem é quem, afinal, não somos um mercado de trilhões de dólares, então sabemos muito bem os nomes de cada player e, de forma mundial, estamos posicionados assim: microfones e fones para estúdio, estamos entre os Top 3; microfones MI e Sem Fio, entre os Top 3; fones Consumer, entre os Top 5 (dependendo da categoria); e toca-discos, cápsulas e agulhas, entre os Top 3. 

M&M: Qual o objetivo da Karimex com a marca Audio-Technica para 2022?

Alex de Azevedo: Vamos seguir crescendo durante este ano de 2022 e isso será possível pela ampliação dos canais e, principalmente, por essa atenção diferenciada ao mercado Pro. Estamos trazendo também todos os nossos lançamentos mundiais de forma concomitante para o Brasil, ou seja, o consumidor brasileiro terá acesso aos mesmos produtos que europeus e americanos, e praticamente ao mesmo tempo. Também vamos estar presentes em eventos do setor, divulgando a marca e seus produtos tão desejados pelo público brasileiro, ou seja, vamos dar trabalho para o mercado.

Levi Salera: A Karimex seguirá com seus planos de expansão da marca durante este ano e agradece a Audio-Technica por todo o apoio — estamos muito felizes com essa parceria.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe seu Comentário

Música & Mercado
Logo
Registrar Nova Conta
[arm_social_login]
Redefinir Senha
Comparar itens
  • Compare Guitarras (0)
Comparar