TDT aposta em linha Premium e acerta

TDT aposta em linha Premium e acerta

por 27/09/2011

De acordo com a gerência da Tagima, o evento mostrou amadurecimento do mercado nacional em termos de qualidade de produtos

A edição 2011 do TDT recebeu mais de 300 lojistas de todo Brasil. O evento aconteceu no Moinho, espaço localizado na Mooca, em São Paulo, Capital.

Além das marcas da Marutec – Tagima, Memphis e Bose -, outras oito empresas participaram: N.Zaganin, Custom Guitars, Santo Angelo, LL Audio / NCA, Basso Straps, NIG Strings, Prime e Orion.

A maior parte dos visitantes chegou no fim da tarde, mas ainda assim, durante todo o dia, a sala de negociações do TDT se manteve cheia de lojistas e  vendedores fechando negócio.  

Segundo Marco Vignoli, gerente comercial da Tagima, os produtos que tiveram mais saída foram os da linha Premium. “A grande diferença deste ano foi a busca não somente por preço, mas sim qualidade x produto e novamente o famoso Dallas T foi o campeão”, conta.

O gerente alega que este ano foi possível sentir o amadurecimento do mercado em relação a produtos. “Todo ano a negociação sempre segue em direção de preço e produtos baratos,  e em 2011, com o lançamento da Tagima Premium de guitarras  baixos e Tagima Acoustic Premium, pudemos analisar que o lojista busca agregar valores na sua venda”, explica.

O TDT também lançou produtos de série limitada, como o relançamento de um modelo de guitarra Pink, com apenas 20 peças comemorativas, em homenagem aos 20 anos de Kiko Loureiro com a Tagima. Todas as peças foram vendidas durante o evento. Outro sucessoda feira foi a T-635 GOLD. Apenas 200 peças foram feitas e quase todas vendidas na feira.

%galeria%

Para o consumidor final, uma das novidades, foi a área de 1.000 m²  para apresentações dos músicos que compõe o Dream Team, junto com seus convidados. Foram dois palcos e o evento contou com a participação de todos endorses Tagima: Kiko Loureiro, Juninho Afran, Edu Ardanuy, Arthur Maia, Mozart Melo, Andria Busic, Duca tambasco, Ulisses rocha, Marcinho Eiras e Marcelo Barbosa.

Comentários