Sites de compras coletivas: inimigos ou aliados do vendedor?

Sites de compras coletivas: inimigos ou aliados do vendedor?

por 15/04/2011

Recente no Brasil, modelo atrai cada vez mais adeptos, entre clientes e empresas e novos sites. Veja as vantagens e não perca tempo para fazer novos negócios

Vem “pipocando” em várias cidades iniciativas de compras coletivas através de sites, onde a garantia de um número mínimo de compradores derruba o preço, muitas vezes, em mais de 50%!

Essa nova metodologia de vendas consiste em concentrar um número mínimo de produtos ou serviços a serem vendidos num determinado portal da web. Assim, todos os que se interessam conseguem um desconto significativo. No Brasil, o movimento teve início em meados do ano passado e já movimentou cerca de R$ 500 milhões até o final de 2010.

As empresas tem usado o método por diversas razões. Pode ser uma boa chance para aumentar vendas em períodos de baixas sazonais; pode gerar experimentação de um novo produto ou serviço; gera demanda complementar de outros produtos que não estão com desconto; ou somente para melhorar a visibilidade da empresa.

Ao entrar no site você se cadastra e faz o pedido, mas somente é debitado no final da promoção quando, e se, alcançarem o volume mínimo de pedidos definidos previamente. Assim, para que tenha direito ao desconto, o comprador ajuda inclusive a divulgar a oferta no seu círculo de contatos.

Na maioria das vezes, imprime-se um cupom para levar ao estabelecimento, ou vale-compras em lojas convencionais de roupas e cosméticos. Assim, o cliente continua indo à loja e pode comprar outros produtos, gerando um consumo complementar. Os atrativos seguem um padrão: oferecem um grande desconto por um prazo curto e a quantidade de produtos é limitada.

Hoje já funcionam no Brasil pelo menos 500 sites com esse objetivo, e o número cresce a cada dia. Os  10 primeiros foram lançados quase simultaneamente, num período de 4 meses. Lá fora, o principal portal americano detém 25% do movimento total. Esse modelo ainda está restrito a poucas cidades, mas a tendência é crescer, e muito. O brasileiro peixeurbano.com já investiu cerca de US$ 15 milhões no projeto e está presente em mais de 40 cidades brasileiras. O site tem como um dos sócios o apresentador global Luciano Huck.

Olhando isso tudo de fora, você pode estar pensando que isso pode esvaziar a sua loja, deixá-lo sem clientes, ou mesmo gerar engarrafamento de clientes na porta do seu concorrente.
Pois saiba que essa pode ser mais uma estratégia para que você venda mais e aumente seus ganhos.

O grande negócio é estar sintonizado e alinhado às tendências. E não contra elas. Se você coloca um jogo de cordas em promoção com um grande desconto, você pode, além de desencalhar aquela marca que gira pouco, ainda efetuar vendas casadas de palhetas, violões, afinadores, amplificadores e muito mais! E, mesmo que a loja onde você trabalha tenha um site simples, o fato de oferecê-lo para compras coletivas vai fazer seu nome circular mais vezes e mais rapidamente, exatamente como a nova e consumista geração deseja.

Então agite seus colegas vendedores e coloque pilha no gerente ou no dono da loja. Temos que estar lá! Pode ser que na sua cidade ainda não tenha chegado o movimento, mas fique atento. Quem sabe você pode replicar o modelo pela rádio da sua cidade, para os 30 primeiros que chegarem à sua loja… já pensou no movimento? Ou no jornal do bairro, para os 30 moradores que comprovarem que moram nas redondezas? Ou mesmo pelo site da sua loja.

Descontos grandes para poucos itens, condicionados à grande quantidade. Receita infalível e agora mais fácil de ser executada.

Agora é com você. E lembre-se: ser o primeiro ajuda bastante!