Resumo

Resumo

por 09/08/2006

Confira aqui os resumos contendo o tema essencial de cada matéria, apresentados conforme a seqüência das páginas.


Marketing Mix  Célio Ramos  pág. 24
Em sua coluna, Célio Ramos fala sobre o futuro do mercado de música e de instrumentos e a urgência em se tomar providências para o seu desenvolvimento. Segundo ele, de nada adianta chegar uma enxurrada de novas marcas nas lojas se o mercado não cresce na mesma proporção desses lançamentos. Ou seja, está se explorando apenas o mercado real. O que vemos, na opinião de Ramos, são algumas empresas com o freio de mão puxado, olhando apenas para seu próprio negócio. Poucas são as que investem em favor de sua marca, promovendo ações de marketing e trabalhando a própria imagem, e têm a propaganda inserida em suas ações. “Ninguém sabe ao certo quanto esse mercado potencial poderá render se não for cutucado, motivado e trabalhado”, comenta o colunista.


Lojista  Foxtrot  pág. 30
Jair Lazarini, diretor de uma das principais lojas de instrumentos musicais da Bahia, fala sobre o mercado local e como aumentar as vendas com a Internet.
O ano de 2005 foi considerado muito bom para a Foxtrot, que abriu novas frentes com as linhas de sopro, pianos e clavinovas. Uma das apostas da empresa são as tradicionais festas populares do Nordeste (Carnaval, São João, etc.): elas aquecem as vendas da Foxtrot, que aumentam em média 50% no período.
A queda do dólar este ano impulsionou as vendas dos importados, que respondem por 70% do mix de produtos da loja, e derrubou as vendas de alguns nacionais, mas no geral foi benéfica para os clientes e para o mercado varejista, de acordo com o diretor da loja.


Vida de Lojista  Pág. 38
Fernando Alves Costa, proprietário da Lac Musical, fundada em 1994, comemora quase zero por cento de inadimplência e pode se dedicar mais a uma eventual ampliação da loja e até pensar em abrir filiais na região do leste de Minas. Mas no primeiro ano de atividades da loja, o índice de inadimplência foi muito alto – girava em torno de 30%. “Cheguei a ter mais de R$ 30 mil de prejuízo por conta disso.
O que ajudou foi o fato de que tínhamos outras lojas, e injetei dinheiro delas na Lac para poder sobreviver no negócio. Foi preciso muita paciência, pois só com o tempo adquiri experiência e passei a trabalhar com financeiras. Doze anos depois, posso dizer que tenho uma equipe bem estruturada e que nosso índice de inadimplência é praticamente zero”, comemora o empresário.


CAPA  Os reis do ritmo  pág. 42
Entre altos e baixos, o que fez a RMV se tornar uma das maiores fabricantes das Américas?
Crescer na adversa economia brasileira não é tarefa fácil. A RMV soube aproveitar as oportunidades e principalmente seu talento corporativo baseada em vendas e engenharia, os pilares da empresa. Com uma reviravolta na imagem da marca, a partir do ano 2000, a luta se concentrou em eliminar o aspecto de empresa popular. Eles conseguiram. O passo seguinte foi colocar a RMV a salvo da máquina de produção chinesa, fortalecendo um de seus segmentos. A bateria parecia um bom caminho e a empresa foi atrás. Dominante de quase todos os processos de seu sistema produtivo, a meta da RMV agora é reconquistar o mercado latino-americano e rever seu sistema de atendimento no Brasil, além de dar maior abertura à comunicação com representantes.


PDV Christian Bernard  pág. 52
A pesquisa, segundo ele, é “o esforço dirigido para a aquisição de um determinado conhecimento, que propicia a solução de problemas teóricos, práticos e/ou operativos, mesmo quando situados no contexto do dia-a-dia do homem. Trata-se de uma ferramenta que será útil para guiar seus investimentos no mix de produtos mais adequado ao perfil dos clientes; agregar valor às vendas, oferecendo produtos complementares que possam interessar ao seu público-alvo;  informar se seus colaboradores estão qualificados para a venda ou até se eles atendem bem os clientes; mapear a concorrência e identificar novas oportunidades de negócios”, completa Bernard. Se quiser aproveitar o modelo de pesquisa apresentado na matéria, basta fazer o download do arquivo no site www.musicaemercado.com.br/pesquisa.zip.


Pratos de bateria
O despertar da Octagon  pág. 56
Ao completar 20 anos de atividade no Brasil, a fabricante de pratos investe no marketing, com a contratação da publicitária Regiane Aparecida Barros Oliveira. O objetivo é consolidar os resultados com o novo departamento a partir da Expomusic e fortalecê-los ao longo de 2007. Para se ter uma idéia, de 2004 para 2005, a empresa cresceu 30% – a idéia é estabilizar em 6% este ano. Entre as novas ações, estão incluídos: o lançamento de um selo comemorativo em toda a comunicação da empresa com o mercado; o jornal interno – batizado de Oi (Octagon informa), para dar força ao endomarketing; anúncios mais inovadores para chegar a todas as camadas; a ampliação da atuação junto a roqueiros, músicos gospel e católicos, os maiores mercados da Octagon; o aumento do apoio a bandas e fanfarras; o investimento em marketing indireto e o incremento às exportações.


Amplificadores
Machine com imagem renovada  pág. 60
Consciente da importância de investir em tecnologia para se diferenciar no concorrido mercado de áudio, a Machine decidiu aprimorar seus produtos e mudar sua imagem. Quer se consolidar como uma marca que fornece itens de preço acessível, mas agregando qualidade e tecnologia. Vai fabricar mesas de som de 32 canais e
8 auxiliares. A meta é ampliar o mix de produtos e oferecer custo-benefício competitivo. “Há uma demanda maior de trabalho, mas dá certo porque pouca gente se atreve a fazer isso”, diz Rodolfo Pascotto, diretor de engenharia. Um dos passos mais importantes para colocar em prática a nova filosofia foi a mudança da fábrica para a tranqüila cidade de Mairiporã, a apenas 46 quil

Comentários