O que é o MFiT apresentado pela Apple?

O que é o MFiT apresentado pela Apple?
agosto 08 08:24 2019

Conheça o novo recurso MFiT que a Apple desenvolveu de masterização para o iTunes.

Abreviadamente o MFiT ( Masterizado para o iTunes ), é um conjunto de diretrizes desenvolvidas pela Apple para que os engenheiros de masterização criem masters  ( áudio final para replicação ) de alta qualidade para venda através da iTunes Music Store e streaming via Apple Music. A Apple anunciou recentemente uma mudança para a loja iTunes, mas não tenha medo – a loja de música iTunes não vai deixar de existir,  ficará dentro do novo aplicativo da Apple Music e o conteúdo do vídeo estará disponível no novo aplicativo da Apple TV.

A Apple usa um formato de áudio conhecido como Advanced Audio Coding (AAC) para compactar e codificar áudio digital. Embora parecido com o mp3, os arquivos AAC oferecem algoritmos de codificação aprimorados em relação aos arquivos MP3 e geralmente fornecem melhor qualidade de áudio para arquivos codificados de tamanho semelhante. Em 2003 quando a iTunes Store foi lançada pela primeira vez, a Apple usou arquivos AAC de 128 kbps, mas com o tempo o catálogo do iTunes foi atualizado para o iTunes Plus, que usa um formato de codificação AAC de 256 kbps (VBR).

Descrições AC e MP3

O termo kbps, ou kilobits por segundo, descreve a taxa de dados de um mp3 ou AAC e, portanto, também descreve o tamanho do arquivo de áudio compactado. Um arquivo .wav descompactado de 44 bits de 44.1 kHz (referido ao PCM Linear) tem uma taxa de dados de 1,4 megabytes por minuto, de modo que uma música de 3 minutos teria que transmitir pouco mais de 30 megabytes de dados. Um arquivo AAC de 256 kbps transmite apenas cerca de um quinto desses dados para a mesma música. As taxas de bits comuns incluem 128, 192, 256 e 320 kbps. O iTunes Plus usa codificação de 256 kbps.

A descrição VBR refere-se à taxa de bits variável, ao contrário do CBRou taxa de bits constante. A taxa de bits variável é simplesmente uma maneira eficiente de criar arquivos menores sem sacrificar a qualidade do áudio. A taxa de bits de um arquivo VBR varia conforme a música flui para fornecer a quantidade necessária de dados. Quando o áudio é muito simples, uma taxa de bits menor pode ser usada e quando a música é mais complexa, uma taxa de bits mais alta é usada. O iTunes Plus usa um tipo de codificação VBR conhecida como Taxa Média de Bits.

Os arquivos de áudio do iTunes Plus de 256 kbps (VBR) normalmente soam tão bons ou melhores do que os arquivos mp3 maiores de 320 kbps. Os arquivos AAC também suportam formatos de áudio multicanais, assim como resposta de freqüência mais ampla e resposta transiente superior, em comparação com arquivos mp3.

Taxa de amostragem

A taxa de amostragem de um arquivo de áudio descreve a resposta de freqüência do áudio de captura e queremos reproduzir freqüências de pelo menos 20 kHz. Para reproduzir 20 kHz, a taxa de amostragem deve ser pelo menos o dobro da freqüência, portanto, uma taxa de amostragem mínima de 44,1 kHz deve ser usada. A mais recente metodologia de codificação da Apple usa conversão de taxa de amostra (SRC) para reamostrar seu arquivo de master para uma taxa de amostragem de 44,1 kHz, independentemente da taxa de amostragem original do arquivo .wav principal fornecido. A Apple usa um excelente algoritmo para re-amostrar o áudio, a fim de produzir o melhor som de 44.1 kHz, quando a conversão for necessária.

Leia também:  IK Multimedia revela app de mesa de mastering Lurssen

Profundidade de Bit

A profundidade de bits de um arquivo de áudio determina o intervalo dinâmico de um sinal de áudio. Cada bit representa aproximadamente 6 dB de faixa dinâmica. As profundidades de bit mais comuns para arquivos de áudio são de 16 bits (qualidade de CD), que fornece 96 dB de intervalo dinâmico e 24 bits (arquivo DAW típico), que fornece 144 dB de faixa dinâmica. Independentemente da profundidade de bits dos arquivos de áudio, o processamento de ponto flutuante de 32 bits tornou-se comum dentro dos DAWs. Sem entrar nos prós e contras de matemática binária inteira de 24 bits versus matemática binária de ponto flutuante de 32 bits, podemos afirmar com segurança que o processamento interno de ponto flutuante de 32 bits fornece processamento de áudio mais preciso (melhor som) dentro de um computador. Interfaces de áudio e conversores analógicos para digitais no mercado hoje fornecem áudio de 16 ou 24 bits para o nosso DAW, mas a matemática dentro da nossa DAW pode ser feita na resolução mais alta que a matemática de ponto flutuante de 32 bits fornece.  Ao produzir uma master final de 24 bits a partir de um DAW executado em 32 bits, certifique-se de ditar de 32 bits para 24 bits. As masters podem ser produzidos a partir de muitas DAWs com resolução de 32 bits, mas certifique-se de que os arquivos de áudio de 32 bits podem ser aceitos pelo distribuidor ou pelo usuário final.

Como taxa de amostragem e profundidade de bits se encaixam no MFiT

A Apple criou um esboço das melhores práticas recomendadas para garantir que sua música possa ser codificada para arquivos AAC da forma mais transparente e fiel possível, mas a Apple suporta sua integridade artística e aceita qualquer tipo de arquivo de áudio que você produz. Os engenheiros de masterização certificados pela MFiT podem confiar nas recomendações de melhores práticas da Apple, e a Apple confia no sistema de honra para impor suas especificações. Abaixo estão as recomendações MFiT da Apple:

• Forneça mestres de alta resolução , idealmente a 24 bits, 96 kHz. É importante manter a maior resolução possível em todo o processo de produção,  porém a simples conversão para o aumento de resolução dos arquivos para uma taxa de amostragem mais alta não adicionará informações nem melhorará o som do seu projeto. Isso significa que, se você criar suas masters em 24 bits, 44,1 kHz, não deverá aumentar a amostragem para 96 ​​kHz. Basta manter os arquivos em 24 bits, 44,1 kHz.

Leia também:  Made in Brazil agora tem produtos da IK Multimedia

• Evite ” clipar ” a todo custo . Certifique-se de que suas faixas tenham espaço suficiente. Embora o iTunes não rejeite arquivos para um número específico de clipes, as faixas com ” clipagens ” audíveis não se qualificam para o status MFiT. A Apple sugere deixar 1 dB de espaço abaixo de 0 DBFS como teto quando criar seu arquivo .wav final ( Master ). Ao usar um limitador digital, basta definir o teto como -1,0 dB (True Peak ou ISP habilitado).

• Verifique suas masters nos dispositivos que seu público estará usando . Leve em conta as limitações desses dispositivos, bem como o ambiente de audição do seu público. Existem muitas ferramentas de software para testar sua master como um arquivo AAC codificado, como a pré-visualização de codecs do Ozone 8 ou o Codec Toolbox da Sonnox, Nugen Mastercheck pro, entre outros.

Ferramentas de Masterização

Para garantir que sua trilha se qualifique para o status MFiT, a Apple forneceu acesso às ferramentas reais usadas para verificar a integridade da sua master.

O Master for iTunes Droplet é uma ferramenta autônoma de arrastar e soltar para codificação de masters no formato iTunes Plus. Ele cria um arquivo de áudio AAC de um arquivo de origem AIFF ou WAVE. Se a taxa de amostragem do seu arquivo .wav for maior que 44,1 kHz, ele será reduzido para 44.1 usando o SRC otimizado da Apple. Como alternativa, se você estiver familiarizado com o uso do Terminal no Mac OS, a criação de arquivos do iTunes Plus poderá ser feita manualmente usando o utilitário de linha de comando afconvert . Exemplos desses códigos de linha de comando estão incluídos no documento Mastered for iTunes .

Afclip é outro utilitário de linha de comando que pode ser usado para verificar arquivos para recorte. O Afclip gera um arquivo de áudio estéreo exclusivo que usa o canal esquerdo do áudio original e o canal direito para uma representação gráfica de cada amostra recortada, para que você possa identificar rapidamente quando e onde um arquivo está sendo recortado. Ele também produz uma leitura de texto com cada instância de recorte, bem como um resumo de quantas amostras recortadas totais o arquivo de áudio contém.

AURoundTripAAC é um plug-in de unidade de áudio ( UA ) que permite comparar o áudio codificado usando o iTunes Plus AAC em relação ao seu arquivo de origem para rapidamente perceber em modo A / B as alterações. Ele pode ser usado em qualquer aplicativo host de unidade de áudio, como Logic ou AU Lab.

O Audio to WAVE Droplet é uma ferramenta autônoma que cria arquivos .wav de qualquer arquivo de áudio com suporte nativo no Mac OS X. Ele pode ser usado para decodificar arquivos AAC para arquivos .wav de 24 bits assim como um decodificador e permite decodificar vários arquivos de uma só vez.

Leia também:  Yamaha realiza série de workshops gratuitos

Seguindo estas diretrizes, você estará bem no caminho para ganhar o crachá MFiT para a sua próxima áudio masterização comercial.

Masterização à prova de futuro

Os requisitos de entrega para engenheiros de masterização estão em constante evolução. À medida que avanços tecnológicos e melhores formatos de som são introduzidos, os engenheiros de masterização devem adaptar-se aos novos padrões. Quando os CDs eram o formato de fato, os engenheiros de masterização só precisavam enviar arquivos de 44 bits de 16.1 kHz. Hoje, todo serviço e agregador de distribuição tem seu próprio conjunto de padrões para enviar arquivos de áudio digital.

Como engenheiro de masterização, considerado uma prática de fornecer vários arquivos para os clientes. Enquanto o arquivo de 44.1 kHz de 16 bits  pode ser melhor para a duplicação de CD, ele não é um formato de alta resolução e não é o melhor para conversão para formatos de streaming compactados como AAC ou mp3.  Juntamente com um arquivo de 16 bits devidamente ponteado, você deve fornecer ao seu cliente um arquivo MFiT de alta resolução adicional para garantir que seu trabalho soará bem em sistemas de reprodução de alta fidelidade ( ja existem sites para vendas de álbuns em HI-FI, um deles é o www.hdtracks.com ), bem como quando codificado para formatos de distribuição com perdas.

O emblema MFiT

As regras MFiT da Apple são simplesmente diretrizes de melhores práticas. Como mencionado anteriormente, você pode anunciar seus serviços como um engenheiro de masterização certificado pela MFiT, desde que você entenda e obedeça às diretrizes da Apple. Infelizmente, se você quiser que a iTunes Store exiba o selo “Mastered for iTunes” para suas músicas, as coisas ficam um pouco complicadas. Álbuns distribuídos por grandes gravadoras quase certamente exibirão o selo, mas se você usar um agregador como Tunecore, Distrokid ou muitos outros, você deve fazer sua lição de casa para ver como eles lidam com seus arquivos e se eles fornecem a opção para a certificação MFiT. Distrokid, por exemplo, exige que você os envie por e-mail para pedir instruções específicas para fazer o upload de seu arquivo e receber o crachá MFiT.

No final, todos nós desejamos distribuir a versão de maior qualidade da nossa música possível.  À medida que as tecnologias de codificação melhoram e a largura de banda aumenta, o cliente receberá arquivos melhores e melhores, e desde que sigamos uma prática recomendada, como os padrões MFiT da Apple, nossos arquivos de masters serão sempre otimizados para criar o melhor resultado sonoro.

*Por Brad Pack, engenheiro de áudio premiado e escritor baseado em Chicago, IL. Ele atualmente é proprietário e opera Punchy Kick, um estúdio profissional de mixagem e masterização especializado em pop punk, emo, punk, grunge e música alternativa

Traduzido e revisado por Marlon Porto (Promaster studio)

Comentários
view more articles

About Article Author

Marlon Porto
Marlon Porto

Técnico de mixagens e masterização do estudio Promaster, atua no mercado de masterização há seis anos, possui com alguns trabalhos de reconhecimento nacional como: EP de Ismael Tiso, Banda Compasso Lunnar, Quartetto Sentinela (2018) e banda Validuaté (2018). Sediado em São Paulo, o estúdio Promaster trabalha com softwares profissionais dedicados voltado para masterização e mixagens e também com summing analógico nos principais estúdios da capital. Contato para serviços de mix e masters (11) 9 7308-9909

View More Articles