Bola pra frente, Brasil!

Bola pra frente, Brasil!

por 29/08/2006

Recentemente, tive um almoço com uma das lideranças do nosso setor. Falamos sobre tudo o que um almoço de negócios envolve. Começamos com política e, em menos de 10 minutos, começamos a falar sobre o mercado, concorrência, etc.


Tratando também de fatores como taxa de crescimento de mercado e salva-guardas, revelarei alguns pontos que merecem ser considerados aqui: 1) O mercado tende a crescer, sim. Mesmo que pífio, será difícil o país entrar numa recessão tão grande como houve em 2003. Quem sobreviveu já calejou. 2) As igrejas, com seus projetos de expansão, arrebanharam mais fiéis nos últimos anos nos grupos mais desprotegidos da população. É o que mostrou o estudo Retrato das Religiões do Brasil, divulgado pela FGV. Dados do Censo 2000 revelam que a presença evangélica é maior do que a média (16,22%) em favelas (20,61%), periferias de regiões metropolitanas (20,72%), entre pessoas com até um ano de estudo (15,07%), desempregados (16,52%) e migrantes recentes (19,17%). Nesta categoria vem sendo estimulada a música para o louvor e o ministério. Onde mais? Em São Paulo, iniciou-se um projeto de músicas em condomínios. A fim de criar mais conforto aos moradores, os novos prédios possuem sala preparada para bandas, em alguns casos com bateria e amplificadores.


A conclusão é esta: a classe menos abastada agora possui o estímulo à música que antes só vinha encalçado junto ao samba. Agora a procura é por instrumentos como sopros, guitarras, contrabaixos, baterias, além dos minissistemas de P.As. A classe mais abastada passa a ter o embrião de um projeto que facilita o ato de tocar em seu prédio, cheio de grades e protegido acusticamente. Não é muito, mas é um começo.


Seguindo por essa linha de pensamento, esta edição do M&M foi entrevistar a empresa que olhou para o bolso de seus consumidores e prefixou seus preços de bateria: a RMV. Com uma fórmula bem estudada, baseada na produção e na qualidade, a empresa ganhou força e capitalizou-se em época de valorização do Real.


Na outra ponta, Jair Lazarini, diretor da Foxtrot, loja de instrumentos localizada em Salvador (BA), abre o jogo e fala sobre fornecedores, mercado e marcas. No campo do áudio, falamos com duas concorrentes: Machine e Studio R, para saber em que pé anda o mercado em 2006. No mais, a revista está repleta de boas matérias. Esperamos que você goste.


Boa leitura!