Ano novo, vida nova

Ano novo, vida nova

por 14/02/2006

Por anteceder o mais cabalístico dos números, o número 6 deve sofrer de um complexo de inferioridade incurável. Por outro lado, seis poderá ser o número de campeonatos mundiais que a nossa seleção brasileira terá conquistado em 2006, provando que,no campo das teorias,os mestres da bola e os doutores da economia se equivalem. Se der o óbvio, faturamos mais uma Copa e crescemos 6%. Se der zebra, vamos para a morte súbita. Estamos chegando ao fim do que imaginávamos ser a transição para o futuro. Descobrimos, da noite para o dia, que nunca fomos filhos de Papai Noel e que ficamos órfãos do salvador da pátria. Os papéis se invertem a todo o momento. Os que atacavam “o dando que se recebe” hoje “pagam para ver”.


Em 2003, eu esperava que o abismo entre os brasileiros ricos e pobres fosse definitivamente aterrado. Hoje, percebo que o problema está nas placas tect