TECNOLOGIA MUSICAL: O limiar: você está preparado?

TECNOLOGIA MUSICAL: O limiar: você está preparado?
setembro 10 11:24 2012

Chegamos ao limite. Para quem ainda não se adaptou à nova realidade comercial, o momento é agora ou o negócio está realmente fadado ao fracasso. Leia as dicas, ainda dá tempo!

 

 Em um comércio cada vez mais competitivo e com uma enorme quantidade de ferramentas, cabe nos perguntarmos para onde caminha a relação fornecedor/consumidor.

Muitos distribuidores e lojistas se antecipam às diversas opções que o mercado digital oferece e começam a rever conceitos no tocante a canais de venda.

O que oferecer aos consumidores finais? Como estipular ganhos de participação no mercado e planejar lucratividade de maneira a examinar cuidadosamente o break-even point (ponto de equilíbrio, cálculo que mostra a partir de quando se começa a lucrar) de cada produto?

Esta matéria é particularmente interessante de escrever, pois não existe uma fórmula concreta de como fazer isto ou aquilo. Existe, sim, o que não fazer para ficar um passo atrás.

Vejamos os fatos

FATO: Fabricantes vêm buscando encurtar a distância entre estes e o consumidor final, seja pela venda direta ou por meio de políticas comerciais específicas para cada linha de produto.

FATO: Antigos distribuidores tradicionais, que seguiam formatos fixos na cadeia de suprimentos, começam a explorar a diversificação dos canais de venda para cada produto ou marca.

FATO: Revendedores tradicionais (lojistas) vêm buscando a ampliação de seu mix de produtos não mais pela parceria com novos fornecedores e sim importando linhas de produto. Ainda que na maioria dos casos ainda sejam produtos sem marca (marca própria), em breve se nota a caminhada para uma autologística de abastecimento.

FATO: Lojistas que não se atualizarem estarão fadados ao fracasso completo da estrutura atual e terão de repensar sua posição no mercado em caráter de urgência.

Leia também:  10º Tagima Dream Team

FATO: Toda e qualquer renovação estrutural depende da contratação de uma força de trabalho mais profissional e de executivos qualificados, gerando uma verdadeira dança das cadeiras. Isso se acentua ainda mais próximo a feiras e — por que não dizer? — dentro das mesmas.

Análise

Ao observarmos os fatos, percebemos que o mercado se encontra em constante movimento. As lojas virtuais crescem em ritmo acelerado, trazendo competidores que antes eram consumidores e que veem a oportunidade de conquistar clientes fazendo simplesmente o que foi esquecido ao longo do tempo: informando, treinando e educando o consumidor.

O cliente não quer uma relação fria e impessoal: busca ajuda, informação e esclarecimento antes de qualquer compra. Para isso, as lojas virtuais oferecem vídeos, cursos e preços atrativos que cativam.

Senhor lojista: melhore já e diversifique!

De nada adianta ter um instrumento de 30 mil reais na sua loja se absolutamente ninguém entende por que esse instrumento custa isso.

Um exemplo simples ilustra: imagine ir comprar um carro de luxo em uma concessionária que só vende carros populares? Mesmo que o dono da loja seja o dono do carro, o consumidor vai sempre desconfiar e ficar com uma pulga atrás da orelha. Solução: informação, garantia e atendimento. Mas antes disso tudo, o foco correto no veículo de mídia para esse produto específico.

Com isso, fornecedores internacionais olham para nós e enxergam oportunidade atrás de oportunidade, notando que, apesar de preço ser o aspecto mais importante na decisão de compra, a informação, quando divulgada de maneira correta, cativa e desperta o desejo da compra no consumidor final. É a história do carro: comprar um carro de luxo na concessionária da marca parece mais vantajoso que na lojinha do ‘Joey Ninguém’. Mas, às vezes, o Joey Ninguém é quem mais entende desse produto.

Leia também:  29ª Musikmesse apresenta tudo da música

Portanto, seguem alguns conselhos sobre o que fazer em caráter urgente para não ficar um passo atrás.

1-      Estude e decida quais canais de venda devem ser explorados por sua empresa.

2-      Contrate o melhor profissional possível para cada um deles (promova alguém, se necessário).

3-      Crie unidades de negócios com estratégias, lucros e planejamentos diferentes para cada tipo ou formato de negócio. Considere fusões ou joint ventures em áreas onde sua atuação carece de conhecimento.

4-      Melhore sua estrutura administrativa para que cada unidade atue com mais rapidez.

5-      Crie uma logística diferenciada para cada unidade de negócio e mantenha-se à frente da concorrência.

Se ainda parece muito complicado, podemos sintetizar da seguinte maneira: saia já dessa cadeira e prepare-se para brigar não com a loja do outro lado da rua, mas sim com quem antes era importador, com quem agora é importador, com fabricantes e até mesmo com quem antes era seu consumidor. Faça algo e faça já!

Mantenha o foco no seu negócio principal e descubra maneiras de revender produtos por canais de venda diversificados. Mantenha-se no limiar dos novos tempos ou simplesmente escolha outro negócio.

Abraços e boa feira!

Comentários
view more articles

About Article Author

Joey Gross Brown
Joey Gross Brown

Sólida experiência em vendas, marketing e administração geral adquirida em grandes empresas líderes de mercado, reportando-se diretamente ao conselho de administração e/ou presidência. Vinte e dois anos de experiência de gestão sólida, incluindo planejamento, execução e avaliação de pequenas, médias e grandes projetos para todos os tipos de tamanhos de empresas. fluência total em Inglês, Português e Espanhol. Líder da equipe de auto-motivado e resultado impulsionado profissional com habilidades ideais para a condução de pequenas e grandes equipes para realização alvo em qualquer tipo de ambiente.

View More Articles