Subindo a ladeira

Subindo a ladeira
dezembro 18 15:49 2008

Subindo a ladeira
Com 11 anos de estrada, a Cia. da Música está conquistando o mercado na região de Ijuí (RS) e inaugura um novo espaço este mês com mais opções e variedades de produtos

A Cia. da Música começou a funcionar em 1995 na cidade de Ijuí, localizada na região noroeste do Rio Grande do Sul — a cerca de 400 quilômetros de Porto Alegre. Fábio Schwanke e um sócio (com quem hoje não tem mais negócio) receberam na época uma proposta de comprar o estoque e o ponto de uma loja de instrumentos tradicional da cidade que estava encerrando as atividades. “Resolvemos encarar o desafio”, explica Schwanke, que comenta também que os recursos eram escassos, mas a “vontade de progredir” era grande.

Com o apoio de alguns fornecedores e representantes, aos poucos os sócios conseguiram aumentar o estoque e diversificar a linha de produtos, dando um enfoque maior à linha de áudio profissional. Em 2001, os parceiros desfizeram a sociedade e Fábio passou a administrar a loja juntamente com a esposa Mariela Ghisleni Schwanke. A Cia. da Música não tinha funcionários e o casal administrava sozinho o negócio, terceirizando serviços como cobranças, instalações de sistemas de sonorização ambiental e serviços de assistência técnica.

Pouco a pouco, a expansão dos negócios fez crescer também o tamanho da loja. Em julho, a Cia. da Música inaugura seu novo espaço, com 200 m2 e um novo funcionário, contratado para atendimento especial aos clientes. Confira a entrevista de Fábio Schwanke à revista Música&Mercado.
 
Música&Mercado > Qual é a sua avaliação sobre o mercado na região do Rio Grande do Sul?
Fábio Schwanke – Temos na região uma grande quantidade de bandas de baile e conjuntos gauchescos, que são estilos muito característicos do sul do Brasil. Temos ainda bandas de pop-rock e os chamados músicos de barzinho. O público consumidor vai desde o músico aprendiz até os músicos profissionais. Prestamos também serviços de elaboração de projetos e instalação de sistemas de sonorização em igrejas, bares, escolas, auditórios, etc. Pode-se dizer, com toda certeza, que Ijuí e região cresceram muito nos últimos dez anos, musicalmente falando. No entanto, a grande maioria de nossos clientes ainda busca produtos de baixo e médio custo, satisfazendo suas necessidades sem pesar muito no bolso. Por outro lado, esse quadro muda aos poucos, já que a condição financeira da população em geral está melhorando, o dólar está em queda e há mais possibilidades de pagamento dos produtos.

> Qual foi o período mais difícil que a Cia. da Música enfrentou?
Logo no início, quando compramos o estoque e utilizamos o mesmo ponto de outra empresa, que, apesar de tradicional na região, encerrou as atividades com grandes dificuldades. Acabamos herdando, de certa forma, uma imagem negativa com os fornecedores e clientes. Mesmo sem ter nada a ver com a empresa antiga, essa imagem demorou a ser desfeita. Mas graças ao apoio dos fornecedores e de alguns representantes conseguimos reverter a situação. Outra dificuldade que tivemos foi a falta de recursos para investimentos imediatos na melhoria da loja, em marketing e no aumento do estoque. Isso fez com que nosso crescimento fosse um pouco lento nos primeiros dois anos da empresa. Além disso, como em todos os setores do comércio, temos problemas com a inadimplência e procuramos solucionar de forma amigável com os clientes. Apenas em último caso apelamos para os meios jurídicos. Enfrentamos ainda a concorrência desleal de produtos vindos do Paraguai que entram no Brasil com valores bem abaixo dos praticados aqui, já que o mercado informal não paga impostos, nem tem outros custos atrelados ao funcionamento de uma empresa.

Leia também:  “Meu desafio foi vencer a concorrência com as lojas de São Paulo”

> Dá para vencer essa concorrência?
Sim. Na loja, procuramos enfrentá-la oferecendo várias opções de preço e qualidade de um mesmo produto e diversas formas de parcelamento. Também esclarecemos para o cliente as vantagens de se adquirir produtos com procedência conhecida, garantia e assistência técnica autorizada. Realizamos um trabalho pós-venda que deixa o cliente tranqüilo e seguro.

> Qual é a avaliação que você faz do mercado de áudio hoje, sobretudo na região Sul?
Após 11 anos de atividade, posso afirmar que o consumidor nunca teve tantas opções de compra como hoje. O mercado tem produtos que agradam a todas as exigências e a todos os bolsos. Tem-se acesso a produtos importados com uma facilidade que não existia há cinco ou seis anos, por isso vemos os produtos nacionais evoluírem a cada dia para enfrentar a concorrência dos importados.
Quanto à concorrência, qualquer que seja seu tipo, sempre nos leva a buscar a excelência. Observam-se alguns exemplos de fabricantes nacionais que melhoraram muito a qualidade de seus produtos para concorrer com os importados. Como comentei, temos tido alguns problemas com a concorrência desleal de produtos importados vindos do Paraguai. Para superar isso esclarecemos para o cliente a importância das questões de garantia e assistência técnica autorizada — vantagens que ele terá somente se adquirir um produto de procedência confiável em uma loja especializada.

> Quais as principais conseqüências do dólar baixo para o desempenho dos produtos brasileiros no setor musical?
O consumidor final sabe que, com o dólar baixo, os preços dos importados baixam também. Com a cotação do dólar na casa de 1 por 1, a procura por importados ainda não era muito grande devido à falta de ofertas de produtos, pelo menos em nossa região. No entanto, já se notava uma busca maior. Por volta do ano de 2002, com a explosão da cotação do dólar, o consumidor se retraiu e passou a ver com bons olhos os produtos nacionais. Considero este período como o início da reação da indústria nacional, que trouxe o fôlego necessário para crescer e se modernizar, chegando hoje ao nível em que está. Agora, com a nova queda do dólar, nota-se que os consumidores chegam já decididos sobre o produto que querem adquirir, geralmente importado. E basta trocar algumas palavras com cada um deles para observar que o que os leva a definir a compra é a queda do dólar. Com certeza a indústria nacional vai sofrer com isso, mas acredito que esteja mais preparada, estruturada e com uma credibilidade maior no que se refere à qualidade de seus produtos.

Leia também:  Garoto-propaganda

> Como a Cia. da Música planeja as estratégias para fixar a marca?
Costumo dizer que a satisfação de cliente é a nossa maior ação no que se refere ao marketing. Não existe nada mais satisfatório que receber um novo cliente que foi indicado por outro e que, por sua vez, ficou satisfeito com o nosso atendimento e forma de negociar. Utilizamos também outras formas de publicidade: sempre que possível patrocinamos eventos culturais ligados à música, tais como festivais e shows; eventualmente realizamos workshops; temos algumas parcerias com músicos e algumas bandas que divulgam nosso nome em eventos dos mais variados gêneros. Utilizamos também a mídia local e regional veiculando anúncios em alguns periódicos e em algumas revistas regionais direcionadas ao meio musical, além de comerciais nas rádios de maior audiência da região. E
estamos trabalhando na montagem do nosso site, que já está no ar.

> Quais são as novidades da nova loja? Há projeções para a abertura de um novo espaço além do existente?
Sentimos a necessidade da ampliação da loja há cerca de dois anos, com o aumento do estoque e da gama de produtos. No entanto, não encontrávamos um ponto comercial satisfatório e que atendesse às necessidades de espaço e de localização. Finalmente, em maio deste ano, encontramos um local que se encaixou perfeitamente ao que procurávamos: um ambiente amplo, melhor distribuído, localizado na mesma rua e a menos de 50 metros do local antigo. A nova loja começa a funcionar em julho com um layout totalmente diferente — um ambiente moderno que irá facilitar a visualização dos nossos produtos. Além disso, estamos negociando com novos fornecedores para oferecer outras marcas reconhecidas mundialmente que até então não comercializávamos. Também queremos dar uma atenção especial à parte de iluminação profissional, já que teremos um espaço mais adequado para a montagem de um showroom. O investimento em reformas, melhorias do espaço físico, layout, balcões expositores, foi de R$ 19 mil. Em um primeiro momento, investimos em torno de R$ 5 mil em mídia e cerca de R$ 20 mil em produtos e estoques.

Leia também:  Avanço latino

> Que balanço é possível fazer de 2006 e quais as projeções para 2007?
Nossa região do estado é movida pela agricultura, especificamente pela cultura da soja e, no ano passado, tivemos uma grande frustração de safra acarretada pela seca. Apesar desses fatores, não podemos reclamar do ano de 2006: as vendas não ficaram muito abaixo das expectativas. O que realmente ocorreu foi um aumento considerável nos índices de inadimplência, conseqüência da crise geral que atingiu o setor agrícola em nossa região e que se reflete em outros setores da economia. Já este ano, houve uma supersafra da soja e esperamos que o ano de 2007 seja melhor, com a nossa mudança de endereço para uma loja mais ampla e com mais novidades, além do nosso site funcionando. Com isso, pretendemos elevar o nosso faturamento mensal em, no mínimo, 20% até o final do ano.

Expansão constante
1-Nos últimos cinco anos, a Cia da Música cresceu 90%. “Mas foi mais acentuado nos últimos dois anos. Em média, a Cia da Música cresceu 40% nos três primeiros anos e nos dois últimos anos 50%”, diz Schwanke;
2-O espaço antigo possuía 120 m2. Agora, a nova loja terá 200 m2;
3-O investimento em reformas, melhorias do espaço físico, layout e balcões expositores foi de R$ 19 mil. “Em um primeiro momento, aplicamos em torno de R$ 5 mil em mídia e R$ 20 mil em produtos e estoques”, revela o diretor da loja;
4-A meta da Cia. da Música é elevar o faturamento mensal em 20% até o final do ano;
5- A loja vende, em média, 60% de produtos importados e 40% de produtos nacionais.

Divisão de vendas
Cordas – 32%
Baterias e percussão – 15%
Sopros – 5%
Teclas – 8%
Áudio – 20%
Iluminação – 8%
Acessórios – 12%

Comentários
view more articles

About Article Author

MM
MM

Música & Mercado é uma revista empenhada em promover e divulgar o mercado e negócios para a indústria de áudio profissional, iluminação e instrumentos musicais. Nós amamos o que fazemos.

View More Articles