JTS microfones disputa mercado global

JTS microfones disputa mercado global
Março 13 15:01 2009

Como a JTS Microfones  quer se posicionar como uma das melhores relações custo-benefício do mercado mundial

Marcus Chung, da JTS Microfones

Marcus Chung, da JTS Microfones

Fundada em 1980, em Taichung/Taiwan, a JTS Microfones faz parte do grupo de empresas asiáticas que nos anos 80 iniciaram suas atividades prestando serviços OEM (Original Equipment Manufacturer) para grandes corporações. Durante os 29 anos desde sua fundação, período em que muitas concorrentes desativaram suas instalações, a JTS instituiu um largo sistema de investimento em tecnologia e análise de equipamentos que proporcionou uma vantagem competitiva em relação à maioria das empresas da região.

Anos mais tarde, a empresa passou a um projeto de fortalecimento de sua marca própria, a JTS, e materiais de merchandising para pontos-de-venda. O projeto ainda contou com a expansão da base exportadora, hoje para mais de 54 países, distribuindo amplamente nos EUA e Europa. Falar do mercado de microfones definitivamente é assunto complexo. Para as empresas envolvidas nesse segmento, perseverança e estratégia são palavras comuns, afinal, são centenas de marcas distribuídas mundialmente somente para o segmento vocal e de instrumentos musicais.

Como se não bastasse a concorrência nos produtos de baixo preço, gigantes da indústria investem anualmente milhares de dólares para estimular o consumo e anunciar novos lançamentos. Nesse ambiente, logicamente há uma invasão de produtos de baixa qualidade, que se misturam na percepção do lojista e de consumidores iludidos pela baixa oferta de preço e aparência. Em meio a esse cenário, Música & Mercado foi à Taiwan, província chinesa, para conversar com Marcus Chung, presidente e Dowson Yu, Gerente Geral da JTS para entender a empresa que vem chamando a atenção global pelo custo-benefício de seus produtos.

M&M: Qual é o posicionamento de mercado da marca JTS?
Marcus: A JTS é uma empresa com diversos níveis de produtos e nosso objetivo é unir alta qualidade e preço acessível. Isso não significa redução de qualidade. Nossa história nos dá autoridade para mostrar competitividade na qualidade dos produtos que fazemos. A questão é que nosso posicionamento não é disputar mercado com Sennheiser ou Shure, mas aumentar a demanda de mercado com o segmento de preço médio.

jts-microfone-fabrica
M&M: Com a concorrência mundial aumentando ano após ano, quais são as dificuldades para uma marca se estabelecer?

Dowson Yu: Para a JTS, é visivelmente claro que as novas empresas criam um ambiente de competitividade constante, seja produzindo OEM ou comprando produtos da China e tentando construir suas marcas. O que fazemos é manter a qualidade e a performance do produto. Além de acreditar no que estamos fazendo, outros diferenciais são a melhora do serviço e da entrega e uma boa pós-venda. Com atitudes assim, ano a ano estamos crescendo.
Marcus: Damos um ano de garantia para nossos clientes. Apenas para que você tenha ideia do que chamamos de compromisso, tivemos um produto que foi lançado em 2006 e começou a ter problemas no dia-a-dia. Verificamos que foi um erro no design técnico. Nossa atitude foi um recall mundial e recuperamos nossa credibilidade.

Leia também:  Encontro de Negócios: Mister Mix renova embalagem do fone Golden

jts-microfoneM&M: Ao analisar a JTS, qual foi o ponto mais importante: OEM para grandes marcas ou pesquisa e desenvolvimento? Dowson Yu: Sem dúvida foi o trabalho no setor de pesquisa e desenvolvimento. É óbvio que a JTS ao longo dos anos investiu em linha de produção. Mas o design, somado à pesquisa e desenvolvimento, nos proporcionou um crescimento no conceito de marca. Se você investe somente em OEM (fazer produtos para terceiros), aumenta a planta da fábrica mas não investe na empresa. Ao crescer com investimento em qualidade e preço, você percebe os resultados em toda a empresa.
Marcus: A JTS tem habilidade no design industrial, no design de produtos e em tecnologia. Temos toda a habilidade de desenvolvimento em microfones e em como fazer os produtos. Isso é a JTS, incluindo o design de softwares.

M&M: A JTS desenvolve também os softwares? Marcus: Desenvolvemos o software dentro da empresa. Para um processo maior, contratamos terceirizados, mas dentro da companhia temos maior eficiência em custo.

M&M: Especialistas falam do grande aumento de ondas via rádio. Há algum problema que isso poderia vir a causar no segmento de microfones sem fio?
Marcus: Penso que para o negócio de microfone, o wireless será cada vez mais importante em termos de quantidade de vendas. Mas com o avanço do número de produtos, cada vez mais o microfone sem fio deverá evitar todas as novas interferências. É sabido que o mundo terá cada vez mais ondas sonoras, bandas de frequências com TV digital, videocâmeras monitoras, headphones, rádios, etc. Há 20 anos, só tínhamos FM 49 Mhz e rádios, depois tivemos VHF 100 -720 Mhz, mas, no geral, a indústria de eletrônicos passará a usar a tecnologia UVH.

Leia também:  Samson apresenta linha CS Mic

M&M: O que isso indica para os lançamentos wireless no futuro?
Marcus: Para o futuro a JTS estará ajustando de forma automática o receiver e o transmissor, sem a necessidade desse autoajuste ser feito pelo operador.

M&M: Na sua visão, qual é a principal diferença de gerenciamento entre os estilos asiático, americano e europeu?
Dowson Yu: Americanos têm um jeito moderno de gerenciar e são mais orientados ao lucro, além de capital e marketing. Europeus são mais gentis e bons em produção. As empresas taiwanesas são uma mistura, temos sido muito influenciados pelos japoneses.  A cultura gerencial chinesa também é feita para ter lucro, mas da mesma maneira é como uma família. Um chefe não é só alguém que visa o lucro, ele cuida de seus funcionários e das famílias. Para a cultura americana, os funcionários são mais fáceis de demitir. A cultura taiwanesa é relacional.

Assista o video promocional da marca

M&M: Qual é a melhor estratégia para conquistar clientes e fidelizá-los?
Marcus: Entendemos que para ter novos clientes e mantê-los com a JTS, temos de criar uma força de negócio lucrativa. Criamos novos produtos que mantêm vantagens em tecnologia. Nossos distribuidores ao redor do mundo têm a vantagem de ter uma boa reputação no boca-a-boca dos consumidores, que trocam informação entre eles e geram novos negócios.

M&M: O que o mundo pode esperar da China no futuro?
Donson: O custo dos operários na China continental é quatro ou cinco vezes menor que na província de Taiwan. Entretanto, compreendemos que, pouco a pouco, a China tem aumentado seus preços. Pensamos sempre em manter a linha de wireless em Taiwan. Se no futuro for difícil lidar com os custos na China continental, preferimos manter algumas produções aqui, porque se a tirarmos daqui, em breve os custos subirão e não teremos mão-de-obra qualificada para tal.  Marcus: Penso que a imagem de Taiwan é melhor. A educação é melhor em Taiwan do que na China. Temos melhores técnicos que eles.

Leia também:  Novo subwoofer SUB210S da Verity Audio

Os principais desafios para a JTS
1) Avançar tecnologicamente
2) Aumentar o valor da marca
3) Aumentar as vendas
4) Recursos humanos
5) Novas gerações

Dados:
Funcionários: Taiwan —150 / China — mais de 200
Área construída: Taiwan — 5 mil m2 / China —10 mil m2
Capacidade de produção: wireless — 20 mil unidades/mês • microfones com fio — 200 mil unidades/mês
Distribuição: 65 países
OEM: A companhia iniciou sua produção fazendo OEM, na época com a marca Taki. Produziu diversos microfones para as marcas Hitashi, Sharp, Toshiba, Sanyo e Panasonic.

 

Leia mais sobre a JTS na revista abaixo:

Acesse o site: http://www.jts.com.tw

Comentários
view more articles

About Article Author

MM
MM

Música & Mercado é uma revista empenhada em promover e divulgar o mercado e negócios para a indústria de áudio profissional, iluminação e instrumentos musicais. Nós amamos o que fazemos.

View More Articles