Javi Música traz marcas para fomentar o ensino de música

Javi Música traz marcas para fomentar o ensino de música
Janeiro 17 09:12 2018

Por meio de parcerias com Eastman, Ideal Music e Wenger, a Javi foca seu catálogo em produtos de qualidade para a educação musical

A Javi Música foi criada em 2009 pelo primeiro oboé da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, Javier Balbinder, que percebeu, ao longo de sua trajetória de mais de 30 anos atuando nas principais orquestras do País, a necessidade do mercado brasileiro por instrumentos e materiais de qualidade dedicados ao ensino e à alta performance.

A Javi Música iniciou sua trajetória com acessórios para instrumentos, trazendo ao Brasil marcas como Gonzalez Reeds, Vientos Bambu e os encordoamentos Magma Music e Medina Artigas. Em 2014, começa a distribuição exclusiva da Eastman Music Company no País, focando a maior exigência dos músicos e instituições por produtos com maior qualidade e melhor custo-benefício.

Em 2017, a partir de uma sólida parceria firmada com a Ideal Music, empresa que atua junto ao El Sistema da Venezuela, passa a oferecer produtos da Wenger Corporation, a maior empresa de soluções para orquestras dos Estados Unidos. Para 2018, a empresa projeta ter disponíveis também os produtos da Ideal Music — empresa da Venezuela dedicada à fabricação de instrumentos musicais — para atender a demanda por instrumentos acessíveis.

Produtos disponíveis

A empresa acredita no ensino da música e no músico brasileiro. Instrumentos e materiais de qualidade são essenciais para o ensino pleno do instrumento e sua prática em conjunto, tornando o ato de ensinar e aprender mais fácil para o professor e para o aluno.

“A Eastman Music Company, a Ideal Music e a Wenger Corporation têm exatamente o perfil de construção, durabilidade, garantia, sonoridade e afinação que se procura em instrumentos e acessórios para música”, comentou Javier.

A Eastman é a fábrica de instrumentos musicais que mais cresce nos Estados Unidos e Canadá, e a número 1 em instrumentos de cordas friccionadas para educação. Fazem parte da Eastman a Shires (trompetes e trombones, de Boston/EUA), a Hynes (a mais antiga fábrica de flautas em funcionamento, de Boston/EUA) e a Backum (clarinetes, do Canadá). A Wenger é a principal fábrica de materiais para teatros e mobiliário para música dos Estados Unidos. Os maiores teatros e orquestras são equipados com a marca. Já a Ideal Music é uma empresa de instrumentos e acessórios musicais para atender a todas as necessidades.

Leia também:  NAMM 2018 estreia novo prédio

“Com essas marcas, nosso empenho para os próximos meses é marcar presença nos principais festivais de música do Brasil, sendo uma ótima oportunidade para quem não conhece os instrumentos vir e fazer um teste conosco! A agenda dos encontros será disponibilizada pelas nossas redes sociais (Facebook e Instagram)”, adicionou.

A Javi Música também está buscando parcerias regionais, para revendas e representação dos instrumentos. A empresa procura agentes comprometidos com a qualidade e com o desenvolvimento real da música e do seu ensino, apostando principalmente no formador de opinião, seja lojista, professor ou polo de ensino.

Junto com as marcas

A empresa mantém um relacionamento muito próximo com as marcas. Segundo Javier explicou, graças à experiência profissional de Gerardo Discepolo, diretor da Eastman na América Latina, tornou-se possível outra dimensão da Javi Música, inclusive aproximando-os da Ideal Music e dos irmãos Reinaldo e Luis Vivas.

“Com a Wenger, o apoio é tão amplo que, dependendo do empreendimento, a própria empresa realiza o projeto acústico nos Estados Unidos, auxiliando na escolha do melhor produto para cada espaço e pensando sempre em atender o cliente com a maior eficiência possível”, detalhou.

Desse modo, a empresa tem em estoque toda a linha de instrumentos Eastman, além de estantes, cadeiras e carros para transporte da Wenger. O restante dos produtos é trabalhado sob encomenda.

“A Eastman está sendo um sucesso, tanto nas cordas como nos metais. O destaque fica com os trombones, que já estão nas mãos de alguns músicos brasileiros, como Pedro Aristides (trombonista do Skank), João Luis Areias (professor da UniRio) e Sérgio de Jesus (primeiro trombone da Orquestra Sinfônica Nacional da UFF). “As estantes e cadeiras da Wenger, assim como o pódio para maestro, são a prioridade em questão de segurança e durabilidade por se tratar de produtos de uso diário das orquestras”, disse.

Leia também:  XLR8 da Planet Waves

O mercado

Em nível geral, a empresa procura continuamente oferecer ao mercado instrumentos, acessórios e materiais que o Brasil merece, de qualidade e voltados à prática da educação musical, pensando sempre na importância da ação da música como transformador social a partir do acesso à cultura.

“O mercado brasileiro amadureceu e, com isso, cresceu a demanda por instrumentos e produtos de qualidade com preço acessível, como no mercado norte-americano. Os responsáveis pelas instituições em geral perceberam que escolher produtos somente pelo preço acaba saindo caro. Instrumentos com pouca durabilidade, alto custo de manutenção, além de problemas de afinação e sonoridade, atrasam o aprendizado e aumentam o custo real”, concluiu Javi.

Mais informações: www.javimusica.com.br

www.facebook.com/javimusica

Comentários
view more articles

About Article Author

Redacao MM
Redacao MM

Música & Mercado é uma revista empenhada em promover e divulgar o mercado e negócios para a indústria de áudio profissional, iluminação e instrumentos musicais. Nós amamos o que fazemos.

View More Articles