Fabricação e instalação de sistemas na DB Tecnologia Acústica

Fabricação e instalação de sistemas na DB Tecnologia Acústica
janeiro 16 14:37 2018

Sediada em Vera Cruz (RS), a empresa fabrica caixas acústicas profissionais para uso em diferentes aplicações. Vamos conhecê-la?

A DB Tecnologia Acústica nasceu em 2002 com o objetivo de realizar projetos e caixas acústicas para residências, mas a qualidade e a sonoridade dos produtos chegaram aos ouvidos dos profissionais ligados ao ramo da música, que começaram a procurar a empresa para desenvolver projetos e caixas profissionais.

Atualmente, a DB conta com mais de 45 modelos de caixas acústicas, alguns com alto-falantes projetados especialmente pela empresa e outros fabricados em parceria com as companhias italianas B&C Speakers e Eighteen Sound — que foi adquirida recentemente pela B&C. Vamos descobrir mais nesta entrevista com o proprietário e diretor financeiro Gerson Werner.

POR TRÁS DA EMPRESA

A DB Tecnologia surgiu no Rio Grande do Sul como um hobby. Os proprietários – Gerson Werner,  Alexandre Eidt e Luis Hesse – começaram a desenvolver caixas para os amigos e isso foi se tornando uma coisa mais séria. “Fomos desenvolvendo os produtos tentando melhorá-los cada vez mais, e com isso nasceu a DB”, contou Gerson.

Em 2008 tiveram acesso a alguns componentes importados da Eighteen Sound e, com o uso deles, houve um avanço muito grande nas linhas da DB Tecnologia, passando a trabalhar com produtos de maior qualidade sonora, mais definição de timbres e presença em todo o mercado nacional. A empresa vem até hoje nesse crescendo, abrindo novos mercados e contratando representantes em todos os estados para divulgar a marca e seu trabalho.

M&M: Quantos funcionários vocês têm hoje?

Gerson: Temos 12 funcionários mais os sócios que trabalham diretamente na empresa. Temos também 12 representantes no Brasil que atuam em vários estados. Em alguns estados não há representantes, mas temos muitos lojistas parceiros que são atendidos.

Leia também:  Vendedor, como está a sua saúde emocional?

M&M: Qual é o público de vocês?   

Gerson: Trabalhamos muito com igrejas, um público que representa uma fatia grande do mercado e que escolhe nossos produtos por serem compactos, além da opção em acabamento em branco ou preto. Também temos um público que pede produtos maiores para sonorização de shows, teatros etc. O nosso catálogo é bem variado e atinge quase que todos os nichos de mercado na linha de áudio.

M&M: Em média vocês trabalham com quantas linhas de produtos atualmente?

Gerson: Hoje são 45 modelos de caixas, desde monitores de referência, solo e side full, subs, caixas top e line array. Mas recentemente lançamos a linha de caixas ativas devido a solicitação de nossos clientes.

M&M: São de madeira ou injetados?

Gerson: Tudo madeira. Toda a parte de marcenaria é feita dentro da empresa e terceirizamos toda a parte de metal, telas, a parte de fly das caixas e a pintura do metal. Mas a pintura e a fabricação da caixa são feitas dentro da empresa.

M&M: Qual é o seu papel dentro da empresa?

Gerson: Eu me encarrego da parte administrativa e financeira, mas tenho dois sócios, Alexandre que cuida da área comercial e dá suporte à área técnica e Luis que trabalha na área de projetos. Somos em três no total, mas acabamos nos envolvendo em todas as áreas.

M&M: Vocês sempre venderam para lojas ou vendiam direto?

Gerson: Na verdade, a DB sempre procurou trabalhar com lojistas, porque dessa forma é melhor atingir o cliente, já que para a empresa atender diretamente o público é preciso ter uma estrutura muito grande de atendimento. Já o lojista consegue atender melhor determinada região e consegue dar uma assistência melhor ao cliente final. Estamos baseados no Rio Grande do Sul e para atender alguém em Fortaleza, por mais rápido que seja, levaria no mínimo 48 horas. Já se tiver um lojista lá, ele consegue atender esse cliente no mesmo dia, em duas ou três horas. Hoje trabalhamos com venda direta apenas para sonorização de grandes porte. Os projetos em igrejas e teatros são realizados por meio de parceiros.

Leia também:  A Verity Audio chega pela primeira vez ao NAMM Show

M&M: Qual é sua visão sobre a “demanda de qualidade” hoje?

Gerson: Hoje infelizmente se busca muito por preço e isso é uma dificuldade muito grande para as empresas nacionais. É complicado competir com os preços dos produtos que vêm da China, então, nesse sentido, a DB tentou sair do foco de linha “popular”, com preço para competir com os chineses. Tentamos trabalhar de uma maneira diferente com um produto diferenciado, com uma qualidade diferenciada, um componente importado de boa qualidade para justamente não competir em termo de preço, mas sim em qualidade, sendo que na maioria dos casos concorremos diretamente com produtos importados e algumas empresas nacionais.

M&M: O que seria um produto diferenciado para a DB?

Gerson: O que a gente busca em um produto diferenciado é que a caixa de som possa reproduzir realmente o que o microfone está captando. Seja um instrumento ou a voz de um cantor, essa caixa tem de reproduzir toda a gama de frequências de forma  natural e precisa não cortando frequência. É isto que a DB busca: o detalhe, que as pessoas que estão ouvindo realmente possam identificar os detalhes de cada instrumento, da voz.

M&M: Falando em line arrays, com que marcas importadas vocês competem?

Gerson: É bem difícil dizer com quem competimos. Tentamos buscar um timbre de line array importado top. Sempre nos comparamos com os melhores e tentamos buscar por um produto de qualidade top. Claro que nem sempre se consegue, mas na nossa realidade hoje, conseguimos deixar nossos produtos ao lado dos importados sem medo. Falo isso porque tem aquela coisa de que os produtos importados são bons e os nacionais nem tanto, então acho que seria importante para o mercado brasileiro valorizar os produtos nacionais. Creio que temos capacidade de ter bons produtos de qualidade em todos os setores, mas infelizmente isso é uma coisa cultural do brasileiro, de achar que o que vem de fora é melhor.

Leia também:  Monkey Banana à procura de distribuidor

M&M: Você acha que essa cultura da apologia ao importado melhorou de alguns anos para cá?

Gerson: Vejo que a cultura está mudando lentamente, até porque vemos que tem muita coisa importada chegando e dizendo ser muito boa, e ao vermos em ação, não é isso que ocorre. É uma coisa que ainda vai demorar algum tempo para mudar completamente, pois temos produtos nacionais de excelente qualidade.

Mais informações: dbtecnologiaacustica.com.br

facebook.com/dbtecnologiaacustica.db.1/

Comentários
view more articles

About Article Author

Redacao MM
Redacao MM

Música & Mercado é uma revista empenhada em promover e divulgar o mercado e negócios para a indústria de áudio profissional, iluminação e instrumentos musicais. Nós amamos o que fazemos.

View More Articles