Como comprar microfones e outros equipamentos de áudio sem ser enganado

Como comprar microfones e outros equipamentos de áudio sem ser enganado
setembro 14 12:47 2017

Curiosidade e perguntas certas são ótimos caminhos para comprar melhor sem ser ludibriado

Já não é de hoje que tenho ouvido muita gente perguntando se determinado produto é fabricado na China ou não. Na verdade, as perguntas certas deveriam ser: Quais os dados técnicos relevantes desse produto? Qual o período de garantia oferecido pelo fabricante? Quais outros produtos concorrem com esse equipamento no mercado

Pesquise: Quando for comprar microfones vá preparado

Além do preço, outras informações simples certamente lhe darão maior segurança. Isso fará a sua compra ser diferente daquela última vez que você entrou na loja para comprar seu microfone. Você surpreenderá até o vendedor se você questionar o vendedor com algumas destas perguntas.

  • Quanta energia este microfone gera quando funciona?
  • Que tipo de cápsula desse microfone utiliza?
  • Quantos dB (SPL) esse microfone suporta?
  • Esse microfone capta mais/menos, agudo/grave?
  • Porquê alguns microfones mais fracos são mais caros ($$$$$)

Quanto a mesa de mixagem e caixa de som, há algumas perguntas a serem feitas para refletir o porquê comprou, o que comprou e como foi convencido a fazer essa aquisição.

Faça esse exercício no momento que for comprar outra mesa de mixagem e outra caixa de som. Tente seguir o mesmo procedimento que aconselhei para a compra de microfones. Questionar é a base de tudo.

E se não for possível comprar um equipamento novo, utilize bem o equipamento que está disponível para você. Afinal, é com ele que você tem que fazer o melhor som possível, certo?

Reflexões sobre mitos do áudio

Será verdade que, quando um microfone é bom, não importará tanto a qualidade do preamp da mesa? Respondo: vai depender da sua concepção sobre o que é qualidade. Aliás, o que nos dá margem para dizer que um microfone é bom?

Além do aspecto técnico, acredito: também irá depender qual a marca de microfone é o seu objeto de desejo.

Outro ponto para pensar: será que as mesas de som digitais reproduzem bem os mesmo processos possíveis de uma mesa analógica de qualidade mediana? Vai depender dos mitos nos quais você acredita.

Quando podemos considerar que uma caixa de som é muito boa? Talvez quando não temos que ‘insertar’ um equalizador no sistema para ela soar melhor. Mas, isto também dependerá do ambiente a ser sonorizado. Falarei de alinhamento em outra oportunidade.

Vou responder essas três perguntas acima de uma só vez, como se estivesse fazendo uma mix de P.A. Vai ser uma resposta com palco sonoro, ambiência e SPL.

Uma caixa deve soar a partir de seus transdutores (fase dispersiva) o sinal amplificado que chegou até eles, tão parecido (quanto for possível) com o som captado por algum Transdutor (fase captativa).

Porém, há que se considerar alguns fatores importantes:

  1. Posicionamento da caixa no local a que se destina,
  2. Estabilidade elétrica da energia local,
  3. Paridade elétrica entre o amplificador e os alto-falantes,
  4. Trato e os processamentos de níveis na mesa (mixagem)
  5. Cabeamento
  6. Assertividade dos usuários na utilização dos microfones e captadores

Numa situação hipotética, imagine, se um microfone gera 5mV/Pa (5 milivolts a cada 94dBSPL), e eu sei aproveitar bem o Gain pra ter no mínimo -20dBu e no máximo +3, +6 (mesa analógica), ou no mínimo -18 e no máximo -0,1dBFS (mesa digital); quando os faders forem elevados (canal e master) até 0VU, esse sinal chegará até o amplificador com 0,775V e vai ser amplificado ao nível de Watts e ohms requeridos para alimentar os alto-falantes e sair da caixa de som com uma sonoridade de, suponha-se, 105dB SPL (requerido) em um ambiente que tem um índice de reverberação de 1.3s.

Se minimamente puder enxergar isso, certamente terá êxito em sua aquisição.

Um experimento interessante

Vou lhe propor algo que eu vou fazer posteriormente e escreverei sobre os resultados depois. Mas quero incentivá-lo a fazer a mesma coisa e postar juntamente comigo os resultados. Que tal testar um microfone caro em uma mesa de som barata, com uma caixa de som desconhecida tecnicamente? Topam?

Você sabia que qualquer microfone dinâmico, desde que a membrana da capsula vibre, do mais barato ao mais caro, por sí só funciona todo tempo. Até dentro da embalagem (risos). Então, quando ligado, ele tem que cumprir o papel de captar qualquer sons que seja.

O usuário ou o técnico só tem que aproveitar ao máximo as características técnicas deste ou daquele aparelho. Se um microfone tem componentes mais nobres na cápsula o timbre está sendo priorizado em lugar da pressão (Level).

Porém, se é confeccionado com a finalidade de ser mais barato e mais vendável, até mesmo pra popularizar a própria marca, não significa que não seja aproveitável se for bem usado. Desde que se respeite suas características de fabricação.

Por exemplo, um microfone que capta um som com 94dBSPL, imediatamente vai gerar uma quantidade de energia elétrica (o sinal) que será conduzida pelo cabo.

Com todas essas informações em mãos, que tal comprar microfones ou caixas de som sabendo e conhecendo? Faça o seguinte: Em uma loja, peça a um vendedor dois microfones. Qualquer um com sensibilidade de 1.85mV/Pa e qualquer outro com a sensibilidade de -54dBV. Peça pra testá-los ligados a uma mesa de som comum ligada a uma caixa que disperse no mínimo 127 dBSPL.

Puristas e estudiosos, por favor, sejam indulgentes comigo. Com este texto queremos auxiliar muitos compradores ansiosos por melhorar o som dos sistemas que já possuem e não tiveram êxito em ajustá-los idealmente.

Infelizmente quanto mais aparelhos compram pra melhorar o som, menos proveito têm. Aliás, muitos puristas, não tão puristas, só se mostram sob a opinião de outros, que às vezes, nem puristas são.

Que um ‘som bom para todos’, seja nossa meta. 

 

Leia também:  Gibson apresenta fones inspirados na guitarra Les Paul

Paro por aqui. Até a próxima.

 

Comentários
view more articles

About Article Author

Daniel Di Castro
Daniel Di Castro

Técnico em som e música. 25 anos de profissão (de fé) a fim de servir o músico e incentivar os técnicos. Especialista, Consultor e Palestrante: Brasil Áudio, HotSound, Roland Brasil, Playtech, AES Brasil, Liceu do Áudio, Electrovoice, além de um incontável número de instituições que experimentaram seu método de trabalho.

View More Articles