AES Brasil 2009 reúne feras do mercado de áudio mundial

AES Brasil 2009 reúne feras do mercado de áudio mundial
julho 10 13:13 2009

AES Brasil 2009 reúne feras do mercado de áudio mundial
O evento atraiu mais de 5 mil pessoas, contou com mais de 50 palestrantes nacionais e estrangeiros e 50 expositores

O tema central foi "Áudio para HDTV e sua Evolução". Este ano a diretoria da AES Brasil ampliou o evento em tamanho e visibilidade. A feira foi sediada em novo espaço, maior, e instalou-se pela primeira vez no Palácio de Convenções do Anhembi.

Foram três dias de grande sucesso. Para oferecer uma infraestrutura adequada ao crescimento da demanda, estimada em 100%, foram ocupados 36 mil metros quadrados do Palácio e disponibilizados dois auditórios, quatro salas e uma área de exposição de produtos, com eventos para profissionais dos mercados de shows ao vivo, estúdios de gravação, TV aberta e por assinatura, rádio, cinema, Internet, indústria, igrejas e residencial. Também foi ocupada uma área externa, de 20 mil metros quadrados, para abrigar demonstrações ao ar livre, com seis sistemas de sonorização instalados.

A contabilização de mais de 5 mil visitantes passando pelo Anhembi transformou a cidade de São Paulo na capital da engenharia de áudio nos três dias do evento (de 26 a 28 de maio), com a realização da edição 2009 da AES Brasil – Áudio Engineering Society, o Congresso de Engenharia de Áudio e a Conferência Latino-Americana da entidade, pela primeira vez no Brasil.

Desde a primeira Convenção da AES, há 14 anos, a edição nacional do evento tem atraído visitantes de diversas cidades do País e do exterior. Neste ano não podia ser diferente. Foram registrados credenciamentos de visitantes vindos de vários países, entre eles Argentina, Áustria, Bolívia, Chile, Colômbia, EUA, Holanda, Japão, México, Uruguai e Venezuela, só para citar alguns.

No congresso deste ano foram debatidos cenários, tendências, lançamentos e atualidades. Entre as dezenas de temas listados, foram discutidas técnicas de gravação e reprodução, áudio em alta definição, eletroacústica, alto-falantes e monitoração, acústica de ambientes e efeitos, transformação e edição de áudio.

Uma das atrações da AES Brasil 2009, a competição estudantil de produção musical, contou com 60 trabalhos inscritos de dez países — México, Venezuela, Equador, Peru, Bolívia, Chile, Argentina, Uruguai, Brasil e Colômbia. Depois de passar pelo crivo da comissão julgadora, os vencedores foram os colombianos Juan Carlos Alemãn, na categoria “Surround” e Nicolas Romero, na categoria “Estéreo Pop Rock; da Venezuela, Argemir Lezama, na categoria “Estéreo Classical” e Guillermo Tinoco Silva, na categoria “Electronic – Brazil”.

Leia também:  Uma oportunidade única

Este ano, a AES Brasil teve um número recorde de palestras, atingindo a marca de 40 temas debatidos, e contou com mais de 50 palestrantes nacionais e internacionais.

Para Phil Ramone, lendário produtor musical, frequentador assíduo dos eventos realizados pela AES ao redor do mundo e um dos palestrantes mais aguardados, “este é um momento especial, que proporciona o agrupamento de pessoas que têm objetivos comuns e aproveitam para trocar experiências e aprender”. Ramone diz que “não importa o tamanho do evento, mas como isso é feito é que determina a qualidade da AES”. Ele reforça que “as palestras foram muito boas, e o próprio tema da convenção — ‘Áudio para HDTV e sua Evolução’ — aponta para a transição das mídias de música e como isso se reflete na indústria de entretenimento. Neste evento pudemos conferir que o Brasil está acompanhando essa evolução".

Joel Brito, presidente da AES Brasil, diz que diretores da entidade realizaram cerca de 30 viagens nacionais e internacionais, todas envolvendo detalhes de organização, além de 30 reuniões presenciais e outras 50 em videoconferência. “Tive a honra de orquestrar esta edição do evento e, sem falsa modéstia, acredito que fomos bem-sucedidos”, diz Brito. Ele reforça que “todo este trabalho só fez sentido porque conseguimos perceber o envolvimento do público, com auditórios lotados de jovens e profissionais do setor, mergulhando fundo e aproveitando ao máximo as informações sobre novidades, tendências e a troca de experiências com os palestrantes e expositores”.

Regis Rossi Faria, vice-presidente da Sociedade, observa a crescente participação da comunidade científica brasileira no congresso. Nesta 7ª edição do Congresso de Engenharia de Áudio foram selecionados 18 artigos inéditos cobrindo diversos aspectos em tecnologias de áudio surround, formatos de codificação, sistemas de análise e síntese musical, tecnologias para separação de fontes sonoras, inovações para tratamento de problemas auditivos e novos materiais para sistemas de reprodução de áudio.

Leia também:  Conheça os amplificadores de guitarra 1990 e 1960 da Bugera

 Os artigos foram apresentados em três concorridas sessões durante os três dias do evento. Faria ressalta a qualidade elevada dos trabalhos e o quanto a indústria nacional poderia aproveitar de seus resultados e da capacitação dos grupos de pesquisa e desenvolvimentos brasileiros. E ainda destaca o aumento no número de submissões de artigos nos últimos anos, bem como o rigor nos critérios de seleção, resultando em uma programação técnica superior a cada ano.
Um dos palestrantes convidados, Alejandro Osses, que abordou o tema “Análise Espectral em Bandas Críticas Usando a Técnica de Waping de Frequências”, diz que o que mais o estimulou a vir participar da AES Brasil 2009 foi a qualidade das palestras programadas, e ainda aproveitou para trocar ideias com outros palestrantes e profissionais que circularam pelos corredores do evento.

Para Nelson Albert, coordenador de Marketing da Quanta AV Pro, o Congresso impulsionou a AES Brasil 2009, e o evento como um todo teve uma ótima visitação. “Fechamos negócios com empresas de sonorização e estúdios, e acreditamos que vamos continuar concretizando vendas ao longo do ano, geradas pelos contatos feitos aqui”, comemora.

Na opinião de Fernando Fernandez, da área de vendas da Royal, o evento foi muito bom, a localização excelente, com ótimo espaço e geração de negócios satisfatória. “Ficamos surpresos com o nível dos visitantes, teve até lojista e muitos técnicos latino-americanos”, diz. Segundo ele, “foi uma das melhores AES até agora, com alto nível de palestras e de palestrantes. A organização está de parabéns”, conclui. 

Outro expositor que se mostrou satisfeito com os resultados alcançados foi a Yamaha. “Nossa expectativa era de uma participação mais institucional, fazer contato com os técnicos, que tiveram oportunidade de mexer nos equipamentos e trocar informações. As palestras que ministramos foram um sucesso. Nosso foco não era a venda neste evento”, explica Carlos Alberto "PARDAL" Ferrari Merussi, executivo da empresa, que também se mostrou muito satisfeito com o resultado alcançado.

Para Alan Leder, gerente de marketing da Selenium, a AES é uma feira extremamente técnica. “Nosso grande foco é divulgar novidades no mercado de áudio e som. Existem alguns formadores de opinião no segmento de áudio, são pessoas respeitadas e renomadas e que estão presente nesta feira. Nosso objetivo na AES é conversar com essas pessoas e divulgar nossos produtos."

Leia também:  Sob medida

Segundo Roger Santos, diretor de marketing da ProShows, é a primeira participação na feira como expositor. "Decidimos investir mais na linha de áudio. A ProShows começou a trabalhar com iluminação nos últimos dois anos e investiu pesado em áudio também. É uma feira com um público mais selecionado."

Rogério Raso, diretor da Santo Ângelo, também se surpreendeu com a feira deste ano. "Participamos da AES há muitos anos, mas estou abismado com o nível de profissionais em que se transformou este evento. É uma feira de altíssimo nível. Nosso objetivo foi mostrar nosso conceito. O mercado é muito competitivo, cheio de concorrentes. Ter um produto que ninguém tem levanta uma marca. A tendência do mercado é optar por sistemas digitais e resistentes. A feira serve para confirmar uma marca.”

E não são apenas os mais experientes que fizeram sucesso na AES Brasil. A DSPro, empresa do Sul do País, também mostrou seu valor. Apresentou seu produto Digital Snake, um sistema para substituir um multicabo (extremamente pesado), que é difícil de instalar e carregar. O novo digitaliza as entradas de palco e transmite para um cabo de rede até a mesa de mixagem. Oferece vantagem num sistema de até 80 canais em um único cabo. "Esta feira é muito importante para divulgar nosso produto. Conseguimos muitos contatos importantes. Está bem profissional, com um público seleto", comentam os diretores Rafael Lopes Susin e Paulo Dalla Santa.

A mudança de endereço também foi um ponto positivo da AES. Sérgio Bianchini, do departamento comercial da Sparflex, achou que o evento deste ano está bem mais organizado. "Recebemos visitas das regiões Sul e Sudeste do Brasil (entre lojistas, representantes e consumidores finais). A política da Sparflex foi institucional. Divulgamos a marca e os produtos, e informamos os consumidores sobre as características técnicas.”

Para Robson Stipancovith, técnico de áudio da Meteoro, a feira este ano se renovou. "Os temas das palestras foram mais específicos e objetivos. O público estava mais profissional do que o do ano passado", finaliza.

Comentários
view more articles

About Article Author

MM
MM

Música & Mercado é uma revista empenhada em promover e divulgar o mercado e negócios para a indústria de áudio profissional, iluminação e instrumentos musicais. Nós amamos o que fazemos.

View More Articles